CA­OS NA BI­BLI­O­TE­CA PÚ­BLI­CA

Re­cor­rer a Bi­bli­o­te­ca Pú­bli­ca dos Bar­ris, ul­ti­ma­men­te, tem si­do ta­re­fa qua­se que im­pos­sí­vel

Jornal da Metropole - - Cidade - Fo­tos Tá­cio Moreira Tex­to Ga­bri­el Nas­ci­men­to ga­bri­el.nas­ci­men­to@me­tro1.com.br

Par­tin­do da en­tra­da, os pri­mei­ros pas­sos em um hall de­ser­to, an­gus­ti­am. Pe­lo chão, ra­cha­du­ras; ao re­dor, es­tru­tu­ras me­tá­li­cas to­ma­das por fer­ru­gem; em uma das sa­las, li­vros co­ber­tos de po­ei­ra e sons ator­do­an­tes. Is­so po­de­ria ser par­te de uma his­tó­ria de sus­pen­se ou ter­ror, mas é ape­nas a des­cri­ção de uma bre­ve vi­si­ta à Bi­bli­o­te­ca Pú­bli­ca do Es­ta­do da Bahia, nos Bar­ris, em Sal­va­dor.

Há qua­se 48 anos nu­ma das re­giões cen­trais da ci­da­de, a bi­bli­o­te­ca é sinô­ni­mo de tris­te­za e frus­tra­ção pa­ra os apre­ci­a­do­res de uma boa lei­tu­ra. “Ela não se mo­der­ni­zou. Vo­cê che­ga pa­ra fa­zer uma pes­qui­sa di­gi­tal, não tem co­mo. Não tem com­pu­ta­dor pú­bli­co na bi­bli­o­te­ca pú­bli­ca. Não ofe­re­ce se­nha de wi-fi pa­ra qu­em fre­quen­ta. São mui­tas crí­ti­cas à ad­mi­nis­tra­ção”, dis­se a jor­na­lis­ta Re­be­ca Ta­va­res, sa­li­en­tan­do que lu­gar foi fun­da­men­tal pa­ra a sua for­ma­ção, mas “pa­rou no tem­po”.

Tam­bém jor­na­lis­ta, Va­nes­sa Cos­ta to­cou em ou­tro pon­to: o mau aten­di­men­to dos fun­ci­o­ná­ri­os. “Eu es­tu­da­va no Lar­go da So­le­da­de e a re­fe­rên­cia era a Bi­bli­o­te­ca Cen­tral. Des­de es­sa épo­ca, a gen­te ti­nha di­fi­cul­da­de com o aten­di­men­to. Era ruim e ho­je acho que es­tá pi­or ain­da. Vo­cê não en­con­tra fun­ci­o­ná­rio pa­ra ex­pli­car, in­di­car [bi­bli­o­te­cá­rio]. A bi­bli­o­te­ca já era su­ja na­que­la épo­ca, não ti­nha uma or­ga­ni­za­ção boa dos li­vros”, re­la­tou.

Bi­bli­o­te­ca foi inau­gu­ra­da em 1970 e tem ri­co acer­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.