QUASE DE AÇÚCAR

Bas­ta cho­ver pa­ra o Me­trô de Sal­va­dor pa­rar ou ter a ve­lo­ci­da­de dras­ti­ca­men­te re­du­zi­da

Jornal da Metrópole - - Cidade - Fo­tos Tá­cio Mo­rei­ra Tex­to Ale­xan­dre Gal­vão ale­xan­dre.gal­vao@me­tro1.com.br

Vo­vó tan­to es­pe­rou pe­la inau­gu­ra­ção do Me­trô de Sal­va­dor que ago­ra tem ou­tra pre­o­cu­pa­ção: se­rá que vai cho­ver? Não tem mui­to a ver com se mo­lhar, mas sim com a fun­ci­o­na­li­da­de do mo­dal, que, em di­as de chu­va, quan­do não pa­ra, re­duz e mui­to a ve­lo­ci­da­de dos va­gões – que já não é das mai­o­res, por cau­sa do pro­je­to ele­va­do e cheio de al­tos e bai­xos.

Só es­te mês, de acor­do com a CCR Me­trô Bahia, o trans­por­te te­ve du­as in­ter­rup­ções em tem­po­rais no dia 18 e no dia 24. A em­pre­sa, po­rém, ne­ga que a água se­ja o fa­tor que mo­ti­va as pa­ra­das dos trens. O con­sór­cio clas­si­fi­ca ain­da as ocor­rên­ci­as co­mo “pon­tu­ais”.

En­tre os mais de 300 mil pas­sa­gei­ros diá­ri­os do me­trô es­tá o fi­si­o­te­ra­peu­ta Is­mar Li­no, de 27 anos, que todos os di­as usa o mo­dal pa­ra vol­tar pa­ra ca­sa. Nos di­as de chu­va, ele fi­ca ten­so. “Quan­do te­nho ho­rá­rio pa­ra che­gar em al­gum lu­gar, eu li­go lo­go pa­ra al­gu­ma ami­ga pa­ra per­gun­tar se pa­rou ou se es­tá mais de­va­gar”, con­tou, ao Jor­nal da Me­tró­po­le.

As ocor­rên­ci­as “pon­tu­ais”, além de in­se­gu­ran­ça, fa­zem lo­tar os va­gões. “É um in­con­ve­ni­en­te, pois vo­cê pen­sa que vai che­gar mais rá­pi­do e aca­ba de­mo­ran­do. Nes­se tem­po to­do que an­do de me­trô, eu quase nun­ca pe­guei cheio e com es­se atra­so. Nes­ses di­as de chu­va, me sen­ti bem des­con­for­tá­vel”, lem­bra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.