NÃO VÁ QUE É BARRIL

De mor­ta­de­la a io­gur­te, pro­du­tos pe­re­cí­veis são ven­di­dos em cal­ça­das de Sal­va­dor; fis­ca­li­za­ção é ine­fi­ci­en­te

Jornal da Metropole - - Cidade - Tex­to Gabriel Nas­ci­men­to gabriel.nas­ci­men­to@me­tro1.com.br

“Vai aí, meu pa­trão?”, per­gun­ta o ca­melô cer­ca­do de pi­lhas de io­gur­tes em uma das cal­ça­das da Ave­ni­da Jo­a­na An­gé­li­ca, em Sal­va­dor. O ques­ti­o­na­men­to tes­ta a co­ra­gem do con­su­mi­dor que, vez ou ou­tra, se aven­tu­ra por cau­sa dos pre­ços com­pe­ti­ti­vos. Em to­da a ex­ten­são da via, os co­mer­ci­an­tes de­sa­fi­am a fis­ca­li­za­ção e exi­bem em su­as “ban­cas” uma in­fi­ni­da­de de pro­du­tos: mar­ga­ri­na, quei­jo, pre­sun­to, mor­ta­de­la, lei­te – tu­do de­bai­xo do sol quen­te, a par­tir das 8h30 até o fim da tar­de.

De acor­do com Mau­ro Mar­co­ni, que pas­sa pe­lo lo­cal di­a­ri­a­men­te, há tam­bém a ven­da de pro­du­tos já es­tra­ga­dos. “Vo­cê só não en­con­tra o Po­der Pú­bli­co pa­ra or­de­nar ou apre­en­der es­sas mer­ca­do­ri­as que, na mai­o­ria das ve­zes, es­tão fo­ra do pra­zo de va­li­da­de. Tam­bém não po­de­ri­am es­tar sen­do co­mer­ci­a­li­za­das as­sim, fo­ra da re­fri­ge­ra­ção”, pon­de­rou. No­ta fis­cal? Nem pen­sar. Pro­ce­dên­cia? Na­da. Ga­ran­tia? Só a do ven­de­dor, que “com a mão na bí­blia” as­se­gu­ra: “Não faz mal”. No en­tan­to, o pre­juí­zo pa­ra quem com­pra e in­ge­re es­ses ali­men­tos vai mui­to além do que se ima­gi­na.

Pro­du­tos que exi­gem re­fri­ge­ra­ção são ven­di­dos na via

fo­to do lei­tor

Cal­ça­das da Ave­ni­da Jo­a­na An­gé­li­ca, no Cen­tro, vi­ram su­per­me­ca­do com ven­da de pro­du­tos sem re­fri­ge­ra­ção e fo­ra da va­li­da­de de­ter­mi­na­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.