Ges­tão da saú­de de­sa­fia os fu­tu­ros pre­fei­tos

Jornal do Commercio - - Primeira Página - CINTHYA LEI­TE clei­te@jc.com.br

Cui­dar de um sis­te­ma com gar­ga­los his­tó­ri­cos e le­va­do ao li­mi­te pe­la pan­de­mia é um dos prin­ci­pais de­sa­fi­os pa­ra a pró­xi­ma le­va de pre­fei­tos. Co­vid-19 tor­nou mais evi­den­tes pro­ble­mas que já cas­ti­ga­vam boa par­te da po­pu­la­ção. De­man­da de aten­di­men­tos re­pri­mi­dos pe­lo iso­la­men­to so­ci­al po­de pro­vo­car so­bre­car­ga no sis­te­ma. Com pou­cos re­cur­sos, se­rá pre­ci­so fa­zer es­co­lhas.

Nes­ta sexta re­por­ta­gem da sé­rie De­sa­fi­os Ur­ba­nos, ges­to­res e es­pe­ci­a­lis­tas em saú­de pú­bli­ca são unâ­ni­mes ao afir­mar que a qua­li­fi­ca­ção da aten­ção bá­si­ca é um tra­ba­lho de­sa­fi­a­dor pa­ra os fu­tu­ros pre­fei­tos não ape­nas da Re­gião Me­tro­po­li­ta­na, mas de to­do o Es­ta­do. De­vi­do à pan­de­mia de co­vid-19, as de­man­das da saú­de ten­dem a se agra­var nos pró­xi­mos me­ses, es­pe­ci­al­men­te com o fim do or­ça­men­to emer­gen­ci­al pa­ra en­fren­tar as con­sequên­ci­as do no­vo coronavíru­s. Re­du­zir as fi­las de es­pe­ra, ga­ran­tir con­sul­tas sem de­mo­ra e ofe­re­cer es­tru­tu­ra nos pos­tos de saú­de tam­bém são de­sa­fi­os pa­ra no­vos ges­to­res, que pre­ci­sa­rão en­fren­tar os pro­ble­mas com o en­xu­to or­ça­men­to mu­ni­ci­pal.

Faz três me­ses que o ser­vi­dor pú­bli­co apo­sen­ta­do Ma­no­el Jor­ge da Sil­va, 68 anos, lu­ta pa­ra mar­car uma con­sul­ta com uro­lo­gis­ta pa­ra ele e ou­tras com gi­ne­co­lo­gis­ta e an­gi­o­lo­gis­ta pa­ra a es­po­sa. Na úl­ti­ma quinta-feira (15), ele foi à Po­li­clí­ni­ca Amaury Cou­ti­nho, no bair­ro de Cam­pi­na do Bar­re­to, Zo­na Nor­te do Re­ci­fe, em mais uma ten­ta­ti­va. “É mui­to di­fí­cil e, quan­do con­se­gui­mos mar­car, ain­da há a es­pe­ra pa­ra o dia de ser­mos aten­di­dos. Os pró­xi­mos pre­fei­tos têm que me­lho­rar is­so. Do jei­to que es­tá, é um ca­os”, con­tou Ma­no­el, ci­en­te de que a Saú­de se­rá, mais do que em anos an­te­ri­o­res, um dos prin­ci­pais de­sa­fi­os pa­ra os agen­tes po­lí­ti­cos que ad­mi­nis­tra­rão os mu­ni­cí­pi­os nos pró­xi­mos qua­tro anos. Mer­gu­lha­do na pan­de­mia de co­vid-19 (a mai­or cri­se sa­ni­tá­ria dos úl­ti­mos 100 anos), o sis­te­ma de saú­de mu­ni­ci­pal te­ve a re­si­li­ên­cia tes­ta­da e ga­nha ago­ra os ho­lo­fo­tes na agen­da elei­to­ral.

Os pro­ble­mas, que se tor­na­ram mais vi­sí­veis du­ran­te a epi­de­mia (co­mo o in­ves­ti­men­to in­su­fi­ci­en­te em saú­de gra­tui­ta pa­ra to­dos, o que im­pli­ca aces­so a aten­di­men­to de qua­li­da­de dis­po­ní­vel pa­ra al­guns, com ba­se no poder aqui­si­ti­vo, e não na ne­ces­si­da­de mé­di­ca), já eram um gar­ga­lo na mai­or par­te dos mu­ni­cí­pi­os per­nam­bu­ca­nos. E es­ses obs­tá­cu­los de­vem au­men­tar no ano que vem. Pa­ra ima­gi­nar por que as di­fi­cul­da­des se­rão mai­o­res, bas­ta con­si­de­rar que, por cau­sa da pan­de­mia do no­vo coronavíru­s, mui­tos mu­ni­cí­pi­os ti­ve­ram que sus­pen­der os aten­di­men­tos de di­ver­sas es­pe­ci­a­li­da­des, co­mo a cardiologi­a. Al­guns já re­to­ma­ram, mas em rit­mo len­to mais len­to que an­tes. Nes­se con­tex­to, há um re­pre­sa­men­to na as­sis­tên­cia de boa par­te da po­pu­la­ção de, pe­lo me­nos, se­te me­ses. Es­sa de­man­da re­pri­mi­da, du­ran­te o pe­río­do de iso­la­men­to so­ci­al, cer­ta­men­te agra­va­rá a si­tu­a­ção das uni­da­des de saú­de na fa­se pós-co­vid.

“Atu­al­men­te a re­gu­la­ção (aces­so a va­gas dis­po­ní­veis pa­ra con­sul­tas e pro­ce­di­men­tos) é um dos prin­ci­pais pro­ble­mas a ser en­fren­ta­dos pelos mu­ni­cí­pi­os. Os exa­mes são agen­da­dos pa­ra da­qui a um ano, e is­so traz uma di­fi­cul­da­de du­pla por­que, pas­sa­do es­se tem­po, a pes­soa po­de não mais pre­ci­sar do pro­ce­di­men­to ou apre­sen­tar uma pi­o­ra no qua­dro de saú­de”, res­sal­ta a mé­di­ca sa­ni­ta­ris­ta Pau­let­te Ca­val­can­ti de Al­bu­quer­que, pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de de Per­nam­bu­co (UPE) e pes­qui­sa­do­ra da Fi­o­cruz Per­nam­bu­co. De­di­ca­da a ana­li­sar os ce­ná­ri­os da aten­ção pri­má­ria (aten­de cer­ca de 80% das ne­ces­si­da­des de saú­de de um in­di­ví­duo), as po­lí­ti­cas de saú­de e a edu­ca­ção po­pu­lar, Pau­let­te acre­di­ta no po­ten­ci­al da par­ti­ci­pa­ção de ci­da­dãos pa­ra re­sul­tar em me­lho­ri­as na qua­li­da­de do sis­te­ma. Des­sa ma­nei­ra, a voz da po­pu­la­ção é va­li­o­sa pa­ra fa­zer fren­te às de­si­gual­da­des nos re­sul­ta­dos de saú­de. “Pre­ci­sa­mos de um exér­ci­to de edu­ca­do­res. Pa­ra fa­zer es­se tra­ba­lho, po­de­mos re­cor­rer a es­tra­té­gi­as lú­di­cas de cons­ci­en­ti­za­ção”, diz a sa­ni­ta­ris­ta, que não dei­xa dú­vi­das so­bre a va­lia do mo­de­lo de cui­da­do com ba­se nos mo­dos de vi­da das co­mu­ni­da­des. “É pre­ci­so que a po­pu­la­ção pos­sa par­ti­ci­par dos ru­mos que se­rão tra­ça­dos pelos pró­xi­mos pre­fei­tos. Mui­tas ve­zes é pe­la fal­ta de en­ga­ja­men­to em ações que as pes­so­as não com­pre­en­dem por que se de­ve usar más­ca­ra e fa­zer iso­la­men­to so­ci­al, por exem­plo. Os no­vos ges­to­res tam­bém têm que in­ves­tir nu­ma ação emer­gen­ci­al, por­que o de­sem­pre­go veio jun­to à co­vid-19. É ne­ces­sá­rio que eles es­te­jam sen­sí­veis a es­sa ques­tão.”

A de­cla­ra­ção de Pau­let­te é rei­te­ra­da pe­lo fa­to de a segunda área mais im­pac­ta­da pe­la pan­de­mia, no âm­bi­to dos mu­ni­cí­pi­os, ter si­do a ge­ra­ção de em­pre­gos, atrás da edu­ca­ção. Es­se é um re­sul­ta­do de pes­qui­sa di­vul­ga­da pe­lo Ibo­pe no início des­te mês. O le­van­ta­men­to foi fei­to com pre­fei­tos, se­cre­tá­ri­os e ges­to­res de 302 mu­ni­cí­pi­os. Se­te em ca­da dez pre­fei­tu­ras ava­li­a­ram co­mo mui­to al­to ou al­to os efei­tos da atu­al cri­se sa­ni­tá­ria nas contas pú­bli­cas: 69% dos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros ti­ve­ram o or­ça­men­to se­ve­ra­men­te afe­ta­do es­te ano.

Des­sa ma­nei­ra, o ce­ná­rio da saú­de das pre­fei­tu­ras ten­de a se tor­nar pi­or se con­si­de­rar­mos o in­ves­ti­men­to fe­de­ral in­su­fi­ci­en­te no se­tor. Di­an­te da ex­pec­ta­ti­va de que­da do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) do Bra­sil de apro­xi­ma­da­men­te 6% es­te ano, os re­pas­ses aos mu­ni­cí­pi­os im­pre­te­ri­vel­men­te de­sa­ba­rão e, ao mes­mo tem­po, as des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as vão au­men­tar. Equi­li­brar as contas pú­bli­cas nos pró­xi­mos me­ses se­rá uma mis­são pa­ra os ges­to­res que as­su­mi­rem as pre­fei­tu­ras em ja­nei­ro do pró­xi­mo ano, prin­ci­pal­men­te nas ci­da­des pe­que­nas.

“Os pró­xi­mos pre­fei­tos pre­ci­sa­rão dar a ga­ran­tia pa­ra além dos 15% (lei de­ter­mi­na que os mu­ni­cí­pi­os re­ser­vem, no mí­ni­mo, es­se per­cen­tu­al pa­ra o se­tor)”, con­si­de­ra a sa­ni­ta­ris­ta Ana Cláu­dia Cal­lou, se­cre­tá­ria-exe­cu­ti­va da Mu­lher de Per­nam­bu­co, que es­te­ve na ges­tão da Se­cre­ta­ria de Saú­de do Es­ta­do até 2018. Pa­ra ela, é ní­ti­do o sub­fi­nan­ci­a­men­to do gas­to pú­bli­co em saú­de, e es­sa ges­tão fi­nan­cei­ra se­rá um de­sa­fio sig­ni­fi­ca­ti­vo aos pró­xi­mos pre­fei­tos. “Com pou­cos re­cur­sos, pre­ci­sa­mos fa­zer es­co­lhas. Des­sa ma­nei­ra, a aten­ção pri­má­ria, res­pon­sá­vel pe­la pre­ven­ção (com­pre­en­de va­ci­na­ção e aten­di­men­to no pré-na­tal, por exem­plo), é a es­fe­ra que mais tem so­fri­do. No or­ça­men­to fe­de­ral da saú­de, cer­ca de 70% são di­re­ci­o­na­dos à al­ta com­ple­xi­da­de, que in­clui à as­sis­tên­cia hos­pi­ta­lar, de al­to cus­to”, diz.

Os re­cur­sos em 2021 são, in­clu­si­ve, mo­te de pe­ti­ção pú­bli­ca do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Saú­de (CNS) com o ob­je­ti­vo de sen­si­bi­li­zar o Con­gres­so Na­ci­o­nal pa­ra ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de do or­ça­men­to emer­gen­ci­al pa­ra a saú­de no pró­xi­mo ano. Com o fim do es­ta­do de ca­la­mi­da­de pú­bli­ca, em 31 de de­zem­bro, o or­ça­men­to emer­gen­ci­al pa­ra a pan­de­mia não exis­ti­rá mais. O País vol­ta­rá a ser su­fo­ca­do pe­la Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 95/2016, que con­ge­lou in­ves­ti­men­tos até 2036. Na prá­ti­ca, o Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS) per­de­rá R$ 35 bi­lhões, em com­pa­ra­ção com re­cur­sos fe­de­rais es­te ano.

80% das ne­ces­si­da­des de saú­de de um in­di­ví­duo po­dem ser re­sol­vi­dos por equi­pes das uni­da­des bá­si­cas

20 uni­da­des da aten­ção bá­si­ca à saú­de no Re­ci­fe re­a­li­za­ram, em 7 me­ses, qua­se 30 mil aten­di­men­tos a pes­so­as com sin­to­mas de co­vid-19

2.340 equi­pes de Saú­de da Fa­mí­lia es­tão dis­tri­buí­das em to­do o Es­ta­do, o que re­pre­sen­ta uma co­ber­tu­ra de 77% da po­pu­la­ção de Per­nam­bu­co

762 equi­pes de Saú­de da Fa­mí­lia con­tam com pro­fis­si­o­nais mé­di­cos em to­do o ter­ri­tó­rio per­nam­bu­ca­no

Tu­do na Saú­de pre­ci­sa me­lho­rar. O aten­di­men­to não es­tá bom nos pos­tos nem nos hos­pi­tais. Mar­car uma con­sul­ta es­tá mui­to di­fí­cil e, quan­do con­se­gui­mos agen­dar, es­pe­ra­mos mui­to tem­po pa­ra ir ao mé­di­co. Ou­tro pro­ble­ma é con­se­guir re­mé­di­os; fal­tam mui­tos. Os pró­xi­mos pre­fei­tos têm que me­lho­rar is­so”, diz o ser­vi­dor pú­bli­co apo­sen­ta­do Ma­no­el Jor­ge da Sil­va, 68 anos

Es­pe­ro que as pre­fei­tu­ras co­lo­quem mais mé­di­cos pa­ra aten­der a po­pu­la­ção. Sin­to fal­ta dis­so. Sou an­si­o­sa, to­mo re­mé­dio pa­ra as do­res que sin­to nas per­nas e ain­da ou­tros me­di­ca­men­tos. Mas não te­nho con­se­gui­do mar­car um mé­di­co pa­ra mim nem pa­ra os meus fi­lhos, de 10 e 15 anos”, con­ta a do­na de ca­sa Ana Cris­ti­na Oli­vei­ra, 47 anos

POR­TA A POR­TA O agen­te de saú­de Már­cio Pinheiro cir­cu­la pe­la Co­mu­ni­da­de do Pi­lar, no Bair­ro do Re­ci­fe

ATEN­DI­MEN­TO Pa­ci­en­tes re­cla­mam da de­mo­ra pa­ra mar­car con­sul­ta em po­li­clí­ni­cas co­mo a Amaury Cou­ti­nho, na Zo­na Nor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.