“Car­tão-pos­tal”

Sem mo­ra­do­res desde o dia 13 de mar­ço do ano pas­sa­do, de­vi­do à fal­ta de es­tru­tu­ra, edi­fí­cio em Boa Vi­a­gem é al­vo de rou­bos su­ces­si­vos. Le­vam de ja­ne­las a fi­a­ção

Jornal do Commercio - - Primeira Página - MARIA LÍGIA BAR­ROS mli­gia@ne10.com.br

Um ano e se­te me­ses após a de­so­cu­pa­ção, edi­fí­cio Ho­li­day con­ti­nua ao deus-da­rá. Fur­to de ja­ne­las, de fi­a­ção e até dos ta­pu­mes que a pre­fei­tu­ra co­lo­ca pa­ra pro­te­ger imó­vel se­guem sem so­lu­ção.

EX-MO­RA­DOR Edi­mar não acre­di­ta que um dia vol­te a vi­ver no pré­dio

De­so­cu­pa­do há um ano e se­te me­ses por in­ter­di­ção da Jus­ti­ça, o Edi­fí­cio Ho­li­day, em Boa Vi­a­gem, Zo­na Sul do Re­ci­fe, con­ti­nua sen­do al­vo de su­ces­si­vos rou­bos. Quem pas­sa pe­la Rua Sal­guei­ro per­ce­be as ja­ne­las que­bra­das ou su­min­do que si­na­li­zam pa­ra os fur­tos que ocor­rem no in­te­ri­or do pré­dio. Do la­do de fo­ra, os ta­pu­mes co­lo­ca­dos em vol­ta do ter­re­no após sua in­ter­di­ção tam­bém fo­ram le­va­dos. A Au­tar­quia de Ma­nu­ten­ção e Lim­pe­za Ur­ba­na do Re­ci­fe (Em­lurb) pre­ci­sou re­a­li­zar on­ze re­po­si­ções até es­go­tar o es­to­que in­ter­no.

De acordo com ex-mo­ra­do­res, as in­va­sões aos apar­ta­men­tos acon­te­cem to­das as noi­tes. “Já per­de­mos pa­ra mais de 50 ja­ne­las, pe­ças de ele­va­do­res, fi­a­ção por cau­sa dos vân­da­los”, afir­mou Jo­sé Ru­fi­no Ne­to, que foi síndico do Ho­li­day até o dia 20 de se­tem­bro. Res­pon­sá­vel le­gal no pro­ces­so ju­di­ci­al, Ru­fi­no ex­pli­cou que o edi­fí­cio não con­ta com vi­gi­lân­cia par­ti­cu­lar. “Quan­do ne­ces­si­ta­mos, cha­ma­mos a Guar­da Ci­vil ou a (Po­lí­cia) Mi­li­tar.”

A Se­cre­ta­ria de De­fe­sa So­ci­al (SDS) in­for­mou que a úl­ti­ma ocor­rên­cia de rou­bo em um raio de 100 me­tros de dis­tân­cia do edi­fí­cio foi re­gis­tra­da em 28 de se­tem­bro. “A área es­tá há 15 di­as sem Cri­mes Vi­o­len­tos con­tra o Pa­trimô­nio (CVP) e re­gis­tra, es­te ano, uma re­du­ção de 44% no nú­me­ro de CVP, se com­pa­ra­do ao ano pas­sa­do”, re­gis­trou em no­ta.

A se­gu­ran­ça no en­tor­no do edi­fí­cio e ao lon­go da Ave­ni­da Con­se­lhei­ro Agui­ar é fei­ta, se­gun­do a SDS, pe­lo 19º Ba­ta­lhão da Po­lí­cia Mi­li­tar, com em­pre­go de guar­ni­ções tá­ti­cas, mo­to­pa­tru­lhei­ros, e pe­lo Gru­po de Apoio Tá­ti­co Iti­ne­ran­te (Ga­ti).

Apre­sen­tan­do pro­ble­mas es­tru­tu­rais e sob ris­co de de­sa­ba­men­to e in­cên­dio, o con­do­mí­nio foi in­ter­di­ta­do em 13 de mar­ço de 2019, por de­ter­mi­na­ção do juiz Luiz Go­mes da Ro­cha Ne­to, da 7ª Va­ra da Fazenda Pú­bli­ca da Ca­pi­tal. Cer­ca de 3 mil mo­ra­do­res dei­xa­ram os 476 apar­ta­men­tos do Ho­li­day, um dos pri­mei­ros ar­ra­nha-céus do Re­ci­fe, cons­truí­do em 1957 e sím­bo­lo da ar­qui­te­tu­ra mo­der­nis­ta em Per­nam­bu­co. Ape­sar de lo­ca­li­za­do em um dos bair­ros no­bres, o imó­vel era ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te ha­bi­ta­do por pes­so­as de bai­xa ren­da.

Uma de­las era Edi­mar Jo­sé de Oli­vei­ra, 43 anos, que mo­ra­va no 104. “Eu vi­via com um ra­paz que fa­bri­ca­va guar­da-sol pa­ra praia. Eu dor­mia lá e to­ma­va con­ta do apar­ta­men­to e do ma­te­ri­al”, re­lem­bra. Desde en­tão, Edi­mar se mu­dou pa­ra um bar­ra­co na co­mu­ni­da­de En­tra Apul­so, no mes­mo bair­ro. O no­vo en­de­re­ço tam­bém fi­ca per­to do lo­cal de tra­ba­lho: ele é am­bu­lan­te na Praia de Boa Vi­a­gem e vi­gia o ma­te­ri­al de um fei­ran­te em fren­te ao Ho­li­day. Edi­mar não tem mais es­pe­ran­ça de vol­tar à an­ti­ga mo­ra­dia. “Só Deus na cau­sa.”

Uma mu­lher de 26 anos, que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car, vi­veu por seis anos no no­no an­dar do edi­fí­cio. Ga­ro­ta de pro­gra­ma, ela di­vi­dia apar­ta­men­to com uma ami­ga. “Eu aju­da­va nas des­pe­sas, da­va R$ 100 por semana”, con­ta. Quan­do te­ve que dei­xar o pré­dio, es­ta­va grá­vi­da da fi­lha, com quem vi­ve ho­je no bair­ro do Ip­sep, tam­bém na Zo­na Sul. Além de man­ter a pró­pria ca­sa, pa­ga o alu­guel da colega em uma co­mu­ni­da­de em Boa Vi­a­gem. “Mi­nha ami­ga es­tá em si­tu­a­ção di­fí­cil. Não tem ren­da nenhuma”, dis­se.

NA RUA

Ago­ra, os úni­cos ha­bi­tan­tes do Ho­li­day são pes­so­as em si­tu­a­ção de rua que bus­cam abri­go na par­te ex­ter­na. Lu­ci­a­no Sa­rai­va, 33, um dos ocu­pan­tes, diz que o gru­po che­gou apro­xi­ma­da­men­te dois me­ses de­pois de o pré­dio ser de­sa­ti­va­do. Eles per­ma­ne­cem na área do pá­tio, on­de fun­ci­o­na­vam co­mér­ci­os. “A gen­te fi­ca por aqui. Lá em ci­ma, nin­guém po­de ter aces­so”, apon­tou. Mes­mo as­sim, ele sa­be da mo­vi­men­ta­ção nos an­da­res. “A po­lí­cia vem. Até al­gu­mas pes­so­as já fo­ram re­ti­ra­das”, dis­se.

A pre­fei­tu­ra in­for­mou que as pes­so­as em si­tu­a­ção de rua são acom­pa­nha­das pe­la equi­pe do Ser­vi­ço Es­pe­ci­a­li­za­do em Abor­da­gem So­ci­al de Rua, da As­sis­tên­cia So­ci­al do Re­ci­fe. “A ofer­ta de aco­lhi­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal já foi re­a­li­za­da al­gu­mas ve­zes, mas não hou­ve con­fir­ma­ção de in­te­res­se”, acres­cen­tou. O mu­ni­cí­pio não re­a­li­za re­ti­ra­da com­pul­só­ria das pes­so­as em vul­ne­ra­bi­li­da­de que uti­li­zam os es­pa­ços pú­bli­cos co­mo mo­ra­dia, em cum­pri­men­to ao di­rei­to de lo­co­mo­ção as­se­gu­ra­do pe­la Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral.

VAN­DA­LIS­MO Ta­pu­mes co­lo­ca­dos em vol­ta do imó­vel após sua in­ter­di­ção tam­bém fo­ram le­va­dos e mo­ra­do­res de­nun­ci­am in­va­são aos apar­ta­men­tos

EN­TOR­NO Pes­so­as em si­tu­a­ção de rua ocu­pam a par­te ex­ter­na do edi­fí­cio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.