Quan­ti­da­de bem lon­ge de qua­li­da­de

En­tre 1º de ja­nei­ro de 2007 até a sexta (16), 235 pro­je­tos se tor­na­ram lei, mas 105 ti­ve­ram te­or con­si­de­ra­do ir­re­le­van­te

Jornal do Commercio - - Primeira Página - MAR­CE­LO APRÍGIO ma­pri­gio@sjcc.com.br

Desde ja­nei­ro de 2017, 235 pro­je­tos tra­mi­ta­ram na Câ­ma­ra do Re­ci­fe e vi­ra­ram lei. Ir­re­le­van­tes, ou­tros 105 não avan­ça­ram.

Di­vul­gar a quan­ti­da­de de pro­je­tos apre­sen­ta­dos du­ran­te o man­da­to e uti­li­zar os nú­me­ros pa­ra dis­tin­guir a boa da má atu­a­ção é um cos­tu­me co­mum nas Ca­sas Le­gis­la­ti­vas do Bra­sil. Na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Re­ci­fe, ve­re­a­do­res que con­cor­rem à re­e­lei­ção usam a quan­ti­da­de de pro­je­tos apre­sen­ta­dos du­ran­te o man­da­to pa­ra im­pul­si­o­nar a can­di­da­tu­ra, na ten­ta­ti­va de se mos­trar atu­an­te. Só nes­te ano, du­ran­te as 66 ses­sões já re­a­li­za­das, os ve­re­a­do­res da ca­pi­tal per­nam­bu­ca­na fi­ze­ram na­da me­nos que 7.646 pro­po­si­ções, en­tre pro­je­tos de lei, pro­je­tos de re­so­lu­ção, de­cre­tos le­gis­la­ti­vos e re­que­ri­men­tos.

Se con­tar­mos do início des­ta le­gis­la­tu­ra, em 2017, pa­ra cá, o nú­me­ro che­ga a 34.475 pro­pos­tas le­gis­la­ti­vas, se­gun­do o Sis­te­ma de Pro­ces­so Le­gis­la­ti­vo (SAPL) da Câ­ma­ra. “É pos­sí­vel per­ce­ber, atra­vés dos nú­me­ros apre­sen­ta­dos, a pro­du­ti­vi­da­de das ve­re­a­do­ras e dos ve­re­a­do­res do Re­ci­fe, ela­bo­ran­do, dis­cu­tin­do, aper­fei­ço­an­do e vo­tan­do ma­té­ri­as im­por­tan­tes pa­ra a ci­da­de”, dis­se, por no­ta, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Edu­ar­do Mar­ques (PSB), ao JC.

Dos 39 ve­re­a­do­res da Ca­sa de Jo­sé Ma­ri­a­no na atu­al le­gis­la­tu­ra, 36 ten­tam a re­e­lei­ção na vo­ta­ção de 15 de no­vem­bro. Des­ses, 32 in­te­gram a ba­se de apoio do atu­al pre­fei­to do Re­ci­fe, Ge­ral­do Ju­lio (PSB).

PRO­DU­ÇÃO

Cam­peã de vo­tos nas úl­ti­mas elei­ções, a ve­re­a­do­ra Mi­che­le Col­lins (PP) li­de­ra tam­bém o ran­king de pro­du­ção le­gis­la­ti­va. En­tre 1º de ja­nei­ro de 2017 e 16 de ou­tu­bro de 2020, a par­la­men­tar apre­sen­tou 169 pro­je­tos de lei (PLs) or­di­ná­ria. Is­so re­pre­sen­ta 52% do que foi apre­sen­ta­do pe­lo se­gun­do ve­re­a­dor mais pro­du­ti­vo, Al­mir Fer­nan­do (PC­doB), que apre­sen­tou 81 pro­je­tos.

No en­tan­to, a pre­o­cu­pa­ção em am­pli­ar o vo­lu­me da pro­du­ção le­gis­la­ti­va pre­ju­di­ca a qua­li­da­de das pro­po­si­ções e des­via o fo­co dos par­la­men­ta­res das res­pon­sa­bi­li­da­des mais re­le­van­tes do Le­gis­la­ti­vo, ava­li­am es­pe­ci­a­lis­tas.

A ci­en­tis­ta po­lí­ti­ca e pro­fes­so­ra da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas de Olin­da (Fa­cho), Pris­ci­la La­pa, ava­lia que a pre­o­cu­pa­ção com os nú­me­ros re­sul­ta nu­ma sé­rie de pro­po­si­tu­ras sem im­pac­to à po­pu­la­ção e cha­ma aten­ção a um pro­ble­ma mais gra­ve, o des­co­nhe­ci­men­to dos par­la­men­ta­res so­bre o te­or da mai­o­ria dos pro­je­tos apre­sen­ta­dos no seu man­da­to.

“A pos­tu­ra mui­to pas­si­va dos ve­re­a­do­res em re­la­ção à pro­du­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas é mui­to de­ci­si­va: eles par­ti­ci­pam ape­nas da par­te da apro­va­ção, na mai­o­ria das ve­zes, e não no apon­ta­men­to de ques­tões téc­ni­cas, de de­man­das que vêm da sociedade”, afir­ma a pro­fes­so­ra. “As­sim, o pa­pel aca­ba sen­do o de uma li­de­ran­ça co­mu­ni­tá­ria, com alo­ca­ção de re­cur­sos da for­ma mais prag­má­ti­ca pos­sí­vel. Os man­da­tos são exer­ci­dos sem uma vi­são mais es­tru­tu­ra­da das ques­tões da ci­da­de. Com is­so, até a pró­pria fun­ção de fis­ca­li­za­ção fi­ca ex­tre­ma­men­te com­pro­me­ti­da”, com­ple­ta.

Es­se mo­de­lo de man­da­to se re­fle­te no dia a dia da Câ­ma­ra. A ca­da dez leis apro­va­das pelos ve­re­a­do­res da ca­pi­tal per­nam­bu­ca­na, qua­tro re­fe­rem-se à cri­a­ção de da­tas ou no­me­a­ção de equi­pa­men­tos pú­bli­cos, co­mo ru­as, pra­ças e pré­di­os. “Es­te ti­po de pro­je­to não vai ter im­pac­to di­re­to na vi­da do ci­da­dão. Por­que não é um pro­je­to que tra­ta de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, de ser­vi­ço pú­bli­co”, diz Alis­son Dantas, in­te­gran­te da ONG Vo­to Cons­ci­en­te, que se des­ti­na a fis­ca­li­zar o fun­ci­o­na­men­to de câ­ma­ras pe­lo Bra­sil.

Dos 235 pro­je­tos que se tor­na­ram lei no Re­ci­fe, desde 2017, 105 ti­ve­ram te­or con­si­de­ra­do ir­re­le­van­te. “A saú­de, a se­gu­ran­ça, tu­do que im­por­ta de ver­da­de, não é afe­ta­do em fun­ção des­sas pro­pos­tas, que, por is­so, não têm re­le­vân­cia so­ci­al”, ar­gu­men­ta.

Jun­tos, os lí­de­res no ran­king de pro­du­ção le­gis­la­ti­va na Câ­ma­ra do Re­ci­fe, Mi­chel­le Col­lins e Al­mir Fer­nan­do

vi­ram 45 dos seus pro­je­tos se­rem san­ci­o­na­dos por Ge­ral­do Ju­lio ou pro­mul­ga­dos pe­la Ca­sa. Mas den­tre eles, 57,8%, is­to é, 26 pro­je­tos, ti­nham pou­co ou ne­nhum efei­to prá­ti­co na vi­da do re­ci­fen­se. “In­fe­liz­men­te, es­te é um nú­me­ro pa­drão no Bra­sil”, afir­ma Alis­son.

Além dis­so, dos 33.248 re­que­ri­men­tos apro­va­dos pe­la Ca­sa, 1.813 fo­ram des­ti­na­dos a vo­tos de aplau­sos ou re­pú­dio a ins­ti­tui­ções e per­so­na­li­da­des e in­clu­são de trans­cri­ções de re­por­ta­gens nos anais da Câ­ma­ra.

Pa­ra a pro­fes­so­ra de Di­rei­to Pú­bli­co e Ad­mi­nis­tra­ti­vo da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV), Pa­trí­cia Teixeira, o Par­la­men­to fa­lha por não le­gis­lar so­bre as­sun­tos de re­al in­te­res­se so­ci­al. “Em vez de le­gis­lar so­bre tu­do, era im­por­tan­te que le­gis­las­sem so­bre al­go que re­al­men­te se­ja do­ta­do de in­te­res­se so­ci­al. A ques­tão é que mui­tas pro­pos­tas fo­gem da re­a­li­da­de da nos­sa ci­da­de”, apon­ta.

Já o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co e pro­fes­sor da As­ces/Uni­ta Va­nuc­cio Pi­men­tel, la­men­tou a re­a­li­da­de par­la­men­tar ao des­ta­car que os ve­re­a­do­res te­ri­am um pa­pel mui­to mais re­le­van­te se con­cen­tras­sem na ta­re­fa de fis­ca­li­zar as ações do Poder Exe­cu­ti­vo em vez de se pre­o­cu­par com os nú­me­ros. Na ava­li­a­ção de­le, a pre­o­cu­pa­ção com a quan­ti­da­de pro­vo­ca uma pro­du­ção su­pér­flua, fo­ca­da na con­ces­são de hon­ra­ri­as ou na de­no­mi­na­ção de ru­as e equi­pa­men­tos pú­bli­cos.

“Se o par­la­men­tar fi­zes­se es­se tra­ba­lho [fis­ca­li­zar o Exe­cu­ti­vo] bem fei­to, ele es­ta­ria re­a­li­zan­do um ato no­bre. Mas quan­do se fo­ca na quan­ti­da­de, há ques­tões mais su­pér­flu­as que aca­bam se so­bres­sain­do en­tre as pro­pos­tas, co­mo pro­mo­ver a en­tre­ga de me­da­lhas ou dar no­vos no­mes às ru­as”, fri­sa.

CUS­TO-BE­NE­FÍ­CIO

“[Es­ses re­sul­ta­dos] põe em xe­que o cus­to do Le­gis­la­ti­vo e a qua­li­da­de de sua pro­du­ção”, afir­ma Igor Sa­cha, da ONG Se­ja a Mu­dan­ça, que bus­ca com­ba­ter os cha­ma­dos pen­du­ri­ca­lhos na Câ­ma­ra do Re­ci­fe.

A Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral pre­vê im­por­tan­tes fun­ções a se­rem exer­ci­das pelos ve­re­a­do­res. Além de fis­ca­li­zar o Exe­cu­ti­vo mu­ni­ci­pal, o ve­re­a­dor de­ve le­gis­lar so­bre tri­bu­tos lo­cais (IPTU, ISS, ta­xas), or­ça­men­tos anu­ais e plu­ri­a­nu­ais e con­ces­sões de ser­vi­ços pú­bli­cos, en­tre ou­tras res­pon­sa­bi­li­da­des. Pa­ra de­sem­pe­nhar su­as fun­ções, os ve­re­a­do­res con­tam com ex­ce­len­tes con­di­ções de tra­ba­lho.

Se­gun­do a ONG, so­ma­dos o sa­lá­rio (R$ 14.365,00) e to­dos os be­ne­fí­ci­os, o par­la­men­tar re­pre­sen­ta uma des­pe­sa de R$ 85.260,86, por mês. Quan­do o ta­ma­nho do gas­to é cal­cu­la­do por ano, o to­tal de re­cur­sos pa­ra ca­da ve­re­a­dor ul­tra­pas­sa R$ 1 mi­lhão. Con­si­de­ran­do o pa­co­te com­ple­to, que in­clui to­dos os par­la­men­ta­res ao lon­go dos qua­tro anos do man­da­to, a des­pe­sa che­ga a R$ 160 mi­lhões. Is­so só com os ve­re­a­do­res e seus ga­bi­ne­tes.

No Re­ci­fe, ca­da um dos 39 ve­re­a­do­res po­de con­tra­tar até 18 as­ses­so­res pa­ra po­vo­ar seu ga­bi­ne­te, gas­tan­do até R$ 58.800 men­sal­men­te por par­la­men­tar. Além dis­so, ca­da um de­les con­ta com au­xí­lio-ga­so­li­na (R$ 2.300,00), ver­ba pa­ra Cor­rei­os e te­le­fo­ne (R$ 2.100,00) e o au­xí­lio-pa­le­tó (um sa­lá­rio a mais no início e no tér­mi­no da le­gis­la­tu­ra).

O JC não con­se­guiu con­ta­to com os ve­re­a­do­res Mi­che­le Col­lins e Al­mir Fer­nan­do, ci­ta­dos na re­por­ta­gem, até o fe­cha­men­to des­ta edição.

Se o par­la­men­tar fi­zes­se es­se tra­ba­lho [fis­ca­li­zar o Exe­cu­ti­vo] bem fei­to, ele es­ta­ria re­a­li­zan­do um ato no­bre. Mas quan­do se fo­ca na quan­ti­da­de, há ques­tões mais su­pér­flu­as que aca­bam se so­bres­sain­do en­tre as pro­pos­tas, co­mo pro­mo­ver a en­tre­ga de me­da­lhas ou dar no­vos no­mes às ru­as”, ava­lia o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Va­nuc­cio Pi­men­tel

A pos­tu­ra mui­to pas­si­va dos ve­re­a­do­res em re­la­ção à pro­du­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas é mui­to de­ci­si­va: eles par­ti­ci­pam ape­nas da par­te da apro­va­ção, na mai­o­ria das ve­zes, e não no apon­ta­men­to de ques­tões téc­ni­cas, de de­man­das que vêm da sociedade”, afir­ma a pro­fes­so­ra e ci­en­tis­ta po­lí­ti­ca Pris­ci­la La­pa

Em vez de le­gis­lar so­bre tu­do, era im­por­tan­te que [os ve­re­a­do­res] le­gis­las­sem so­bre al­go que re­al­men­te se­ja do­ta­do de in­te­res­se so­ci­al. A ques­tão é que mui­tas pro­pos­tas fo­gem da re­a­li­da­de da nos­sa ci­da­de”, apon­ta a pro­fes­so­ra de Di­rei­to Pú­bli­co e Ad­mi­nis­tra­ti­vo da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV), Pa­trí­cia Teixeira

Dos 33.248 re­que­ri­men­tos apro­va­dos, 1.813 fo­ram des­ti­na­dos a vo­tos de aplau­sos ou re­pú­dio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.