Bra­sil ato­la­do

Le­van­ta­men­to re­a­li­za­do com ba­se nas pro­je­ções de cres­ci­men­to di­vul­ga­das es­ta semana pe­lo FMI mos­tram que­da de 5,8% pa­ra o Bra­sil

Jornal do Commercio - - Primeira Página - AN­GE­LA FENANDA BEL­FORT abel­fort@jc.com.br

Pro­je­ções do PIB de 194 paí­ses, di­vul­ga­das pe­lo FMI, apon­tam que o do Bra­sil de­ve cair 5,8% em 2020.

Apan­de­mia do coronavíru­s só agra­vou as amar­ras que im­pe­dem o cres­ci­men­to econô­mi­co do País de for­ma sus­ten­tá­vel. Dos 194 paí­ses do mun­do, 56% te­rão um cres­ci­men­to do PIB mai­or, ou me­nos pi­or, do que o Bra­sil em 2020. O cál­cu­lo é do eco­no­mis­ta da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV) Mar­cel Ba­las­si­a­no, ba­se­a­do nas pro­je­ções do PIB di­vul­ga­dos pe­lo Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) na semana pas­sa­da. Nes­ta pre­vi­são, nes­te ano, o Bra­sil fi­ca­ria com uma que­da de 5,8% do PIB, que me­de to­das as ri­que­zas ge­ra­das.

Com re­la­ção ao PIB per ca­pi­ta, 52% dos paí­ses acom­pa­nha­dos pe­lo FMI te­rão um de­sem­pe­nho me­lhor do que o Bra­sil, ain­da nos cál­cu­los fei­tos por Mar­cel. A pro­je­ção é de que o PIB per ca­pi­ta bra­si­lei­ro apre­sen­te uma que­da de 6,4% es­te ano. “O Bra­sil é um país emer­gen­te. En­tão, é le­gí­ti­ma a com­pa­ra­ção com os emer­gen­tes, mas tem a China que pu­xa o cres­ci­men­to des­se gru­po pra ci­ma”, pon­tua.

Pe­las pre­vi­sões do FMI, a China vai apre­sen­tar um cres­ci­men­to de 1,85% es­te ano. É a úni­ca na­ção que faz par­te do gru­po dos BRICs que po­de apre­sen­tar cres­ci­men­to po­si­ti­vo es­te ano. “Pa­ra eles, is­so é co­mo se fos­se uma re­ces­são, pois es­tão acos­tu­ma­dos a cres­cer en­tre 5% e 6% ao ano”, ex­pli­ca.

Vol­tan­do ao Bra­sil, o pes­qui­sa­dor da FGV diz que po­de­ria ser pi­or sem o au­xí­lio emer­gen­ci­al. “É uma cri­se mun­di­al e, pra­ti­ca­men­te, a mai­o­ria dos paí­ses te­rá PIB ne­ga­ti­vo. A gran­de ques­tão é co­mo as eco­no­mi­as vão se re­cu­pe­rar sem os es­tí­mu­los que fo­ram im­plan­ta­dos”, afir­ma.

Nes­se con­tex­to, três eco­no­mis­tas en­tre­vis­ta­dos pe­lo ar­gu­men­tam: os pro­ble­mas que es­tão tra­van­do o cres­ci­men­to econô­mi­co do Bra­sil con­ti­nu­am os mes­mos de­pois que pas­sar os efei­tos da pan­de­mia. “Es­ta dé­ca­da já se­ria fra­ca de cres­ci­men­to da eco­no­mia mes­mo se não ti­ves­se ti­do o coronavíru­s. To­dos os paí­ses do mun­do gas­ta­ram mais pa­ra com­ba­ter os efei­tos da pan­de­mia. O Bra­sil já vi­nha fa­zen­do is­so an­tes da cri­se sa­ni­tá­ria. A dí­vi­da do País saiu de uma pro­por­ção de 50% do PIB em 2013 pa­ra 75% do PIB em 2018. Desde 2014, o País vol­tou a ter dé­fi­cit pri­má­rio”, re­su­me Mar­cel.

Dé­fi­cit pri­má­rio é quan­do o País pas­sa a gas­tar mais do que arrecada e is­so si­na­li­za que es­tá com as fi­nan­ças de­sor­ga­ni­za­das. De 2014 a 2020, a eco­no­mia bra­si­lei­ra de­ve apre­sen­tar uma que­da de 1,3% ao ano nes­te pe­río­do, ca­so se con­cre­ti­ze a pro­je­ção de que­da de 5,8% pa­ra 2020. “A si­tu­a­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho tam­bém se agra­vou por­que ele tem uma re­la­ção for­te com a ati­vi­da­de econô­mi­ca”, ar­gu­men­ta o pro­fes­sor da FGV.

PRO­DU­TI­VI­DA­DE

Au­men­tar a pro­du­ti­vi­da­de do País é ne­ces­sá­rio pra vol­tar a cres­cer. “A pro­du­ti­vi­da­de au­men­ta por duas fon­tes: uma é a qua­li­fi­ca­ção da mão de obra, o que é di­fí­cil por­que o nos­so ca­pi­tal hu­ma­no vai mal. E a ou­tra fon­te da pro­du­ti­vi­da­de é o ca­pi­tal com in­ves­ti­men­tos em má­qui­nas e tec­no­lo­gia”, re­su­me o pro­fes­sor de Eco­no­mia do Ins­per Fer­nan­do Ri­bei­ro Lei­te.

Pa­ra ele, exis­tem três tra­vas gran­des ao cres­ci­men­to do País: uma que mo­ra no Es­ta­do, que cap­tu­ra pra si cer­ca de 37% do PIB e de­vol­ve mui­to pou­co à sociedade, ou­tra na for­ma­ção do em­pre­sa­ri­a­do, “acos­tu­ma­do com o pro­te­ci­o­nis­mo” e que não com­pe­te nu­ma es­ca­la in­ter­na­ci­o­nal. A ter­cei­ra é a má for­ma­ção do ca­pi­tal hu­ma­no.

Fer­nan­do de­fen­de que “pre­ci­sa­ria de um en­ga­ja­men­to que en­vol­ves­se a sociedade, o se­tor pri­va­do e o se­tor pú­bli­co na for­ma­ção do ca­pi­tal hu­ma­no ne­ces­sá­rio à eco­no­mia do sé­cu­lo 21, com os tra­di­ci­o­nais se­to­res da eco­no­mia se mo­der­ni­zan­do ali­a­dos às tec­no­lo­gi­as di­gi­tais. Mas is­so não es­tá no radar do Es­ta­do”, co­men­ta. E acres­cen­ta: “tem que di­mi­nuir o ta­ma­nho do Es­ta­do, abrir a eco­no­mia, for­mar ca­pi­tal hu­ma­no, cons­truir um pro­je­to de País, um con­sen­so, em tor­no de al­guns pon­tos bá­si­cos que o País pre­ten­de al­can­çar em 20 anos”.

“A pro­du­ti­vi­da­de tam­bém é afe­ta­da pe­lo atu­al sis­te­ma tri­bu­tá­rio e a fal­ta de ino­va­ção. A ex­clu­são di­gi­tal é uma das di­men­sões da ex­clu­são so­ci­al do

País”, ar­gu­men­ta o só­cio di­re­tor da con­sul­to­ria Ce­plan e eco­no­mis­ta Jor­ge Ja­to­bá. E em­bo­ra or­ga­ni­zar as fi­nan­ças se­ja sem­pre al­go pri­mor­di­al, Ja­to­bá de­fen­de “uma fle­xi­bi­li­za­ção” do te­to de gas­tos até um cer­to pon­to pa­ra que o se­tor pú­bli­co vol­te a fa­zer in­ves­ti­men­tos, co­mo fer­ro­vi­as, es­tra­das, es­co­las etc. “O in­ves­ti­men­to pú­bli­co é im­por­tan­te pa­ra a cons­tru­ção de uma es­tru­tu­ra econô­mi­ca e so­ci­al”, re­ve­la. O in­ves­ti­men­to pú­bli­co tam­bém aque­ce a ini­ci­a­ti­va pri­va­da - com con­tra­ta­ção de em­pre­sas e a ge­ra­ção de em­pre­gos.

O in­ves­ti­men­to pú­bli­co co­mo pro­por­ção do PIB no Bra­sil apre­sen­tou os se­guin­tes per­cen­tu­ais: 4,4% em 2014; 3,5% em 2015; 2,8% em 2016 e 2,3% em 2017, se­gun­do as Contas Na­ci­o­nais do IBGE. “Nes­tes úl­ti­mos anos, tam­bém cres­ce­mos pou­co por­que o in­ves­ti­men­to do se­tor pú­bli­co tam­bém caiu. Fo­ram anos de mui­ta per­tur­ba­ção po­lí­ti­ca jun­to com pou­co in­ves­ti­men­to pú­bli­co”, afir­ma, re­fe­rin­do-se ao cres­ci­men­to pí­fio da eco­no­mia bra­si­lei­ra que ocor­reu de­pois de 2014.

E con­clui: “É pre­ci­so re­sol­ver o pro­ble­ma fis­cal, ter uma vi­são es­tra­té­gi­ca pa­ra re­cu­pe­rar a eco­no­mia, vol­tar a ter in­ves­ti­men­to pú­bli­co e cri­ar um am­bi­en­te fa­vo­rá­vel aos negócios. O pro­ble­ma crô­ni­co de pro­du­ti­vi­da­de só muda com me­lho­ri­as na edu­ca­ção e qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal”.

É uma cri­se mun­di­al e, pra­ti­ca­men­te, a mai­o­ria dos paí­ses te­rá PIB ne­ga­ti­vo. A gran­de ques­tão é co­mo as eco­no­mi­as vão se re­cu­pe­rar sem os es­tí­mu­los que fo­ram im­plan­ta­dos na pan­de­mia”, ana­li­sa o eco­no­mis­ta da FGV Mar­cel Ba­las­si­a­no, so­bre o au­xí­lio emer­gen­ci­al no Bra­sil

É pre­ci­so re­sol­ver o pro­ble­ma fis­cal, ter uma vi­são es­tra­té­gi­ca pa­ra re­cu­pe­rar a eco­no­mia, vol­tar a ter in­ves­ti­men­to pú­bli­co e cri­ar um am­bi­en­te fa­vo­rá­vel aos negócios. O pro­ble­ma crô­ni­co de pro­du­ti­vi­da­de só muda com me­lho­ri­as na edu­ca­ção e qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal”, afir­ma o eco­no­mis­ta Jor­ge Ja­to­bá

52% dos paí­ses acom­pa­nha­dos pe­lo FMI te­rão um de­sem­pe­nho me­lhor que o Bra­sil

ALÍ­VIO Ana­lis­tas afir­mam que o tom­bo da eco­no­mia bra­si­lei­ra se­ria mui­to pi­or sem o au­xí­lio emer­gen­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.