Os 50 anos do Mo­vi­men­to Ar­mo­ri­al

Mo­vi­men­to lan­ça­do por Ari­a­no Su­as­su­na há 50 anos, no Re­ci­fe, cri­ou ar­te eru­di­ta com ba­se na cultura po­pu­lar

Jornal do Commercio - - Primeira Página - MÁR­CIO BAS­TOS mar­ci­o­bas­tos.jc@gmail.com

No dia 18 de ou­tu­bro de 1970, Ari­a­no Su­as­su­na (em pé) apre­sen­ta­va ao Re­ci­fe o Mo­vi­men­to Ar­mo­ri­al, que al­me­ja­va uma cultura eru­di­ta com DNA bra­si­lei­ro. Meio sé­cu­lo de­pois, a es­té­ti­ca so­bre­vi­ve.

Há 50 anos, em 18 de ou­tu­bro de 1970, Ari­a­no Su­as­su­na apre­sen­ta­va ao Re­ci­fe o Mo­vi­men­to Ar­mo­ri­al, re­sul­ta­do de dé­ca­das de pes­qui­sas e de for­mu­la­ção de um pen­sa­men­to que ia bus­car na tra­di­ção po­pu­lar nor­des­ti­na ele­men­tos pa­ra cri­ar um cultura eru­di­ta com DNA bra­si­lei­ro. Na­que­la noi­te, foi re­a­li­za­do um con­cer­to da Or­ques­tra Ar­mo­ri­al de Câ­ma­ra e uma ex­po­si­ção de ar­tes plás­ti­cas, com par­ti­ci­pa­ção de ar­tis­tas co­mo Fran­cis­co Bren­nand, Ma­no­el Arruda e Gil­van Sa­mi­co, na Igre­ja de São Pe­dro dos Clé­ri­gos.

Ain­da que só te­nha si­do ofi­ci­a­li­za­do no ho­je icô­ni­co even­to, o Mo­vi­men­to Ar­mo­ri­al já ga­nha­va cor­po no pro­je­to do De­par­ta­men­to de Ex­ten­são Cul­tu­ral da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Per­nam­bu­co, on­de Ari­a­no atu­a­va. A no­me­cla­tu­ra trans­for­ma­va a pa­la­vra, até en­tão ape­nas um subs­tan­ti­vo que de­sig­na o li­vro on­de es­tão re­gis­tra­dos bra­sões, em um ad­je­ti­vo, evo­can­do, tam­bém, uma cer­ta mís­ti­ca em tor­no de seu sig­ni­fi­ca­do.

“Ari­a­no fa­la­va que a ar­te amo­ri­al pre­ce­deu o mo­vi­men­to. Ele já vi­nha de­sen­vol­ven­do es­se pen­sa­men­to há mui­to tem­po, desde quan­do era es­tu­dan­te na Fa­cul­da­de de Di­rei­to. Ao de­fla­grar o mo­vi­men­to, ele que­ria ape­nas reu­nir ar­tis­tas que pen­sa­vam co­mo ele, que fa­zi­am da cultura po­pu­lar uma fon­te de pes­qui­sa, pa­ra que pu­des­sem jun­tos dis­cu­tir e se apoi­ar. O ob­je­ti­vo era va­lo­ri­zar a cultura po­pu­lar pa­ra que as pes­so­as pas­sas­sem a ad­mi­rar es­sas ma­ni­fes­ta­ções com ou­tro olhar, en­ten­den­do a im­por­tân­cia do ro­man­cei­ro po­pu­lar nor­des­ti­no, da xi­lo­gra­vu­ra etc. Ari­a­no não ti­nha di­men­são do im­pac­to que o Ar­mo­ri­al cau­sa­ria”, ex­pli­ca Car­los Newton Jr, pro­fes­sor, pes­qui­sa­dor e es­pe­ci­a­lis­ta na obra do ar­tis­ta pa­rai­ba­no.

Es­sa pro­pos­ta in­te­lec­tu­al e es­té­ti­ca foi de­fen­di­da pe­lo es­cri­tor até a sua mor­te, em 2014, e ga­nhou adep­tos em vá­ri­as lin­gua­gens ar­tís­ti­cas, co­mo mú­si­ca, te­a­tro, dan­ça, ar­tes vi­su­ais e li­te­ra­tu­ra. Ao lon­go das dé­ca­das, foi ga­nhan­do no­vos adep­tos e, se­gun­do Car­los Newton, con­ti­nua pul­san­te nas cri­a­ções de ar­tis­tas e in­te­lec­tu­ais que de­sen­vol­vem pes­qui­sas a par­tir des­se ima­gi­ná­rio cul­tu­ral po­pu­lar ce­le­bra­do por Ari­a­no.

“Ele es­ta­be­le­ceu uma poé­ti­ca, um ca­mi­nho, e to­do mun­do que ain­da se­gue cons­ci­en­te­men­te es­ses prin­cí­pi­os, os re­a­va­lia, com eles ex­pe­ri­men­ta, es­tá fo­men­tan­do o Mo­vi­men­to Ar­mo­ri­al”, en­fa­ti­za o pes­qui­sa­dor. “A ar­te ar­mo­ri­al de­sa­fia os es­te­reó­ti­pos que o Bra­sil ain­da man­tém so­bre o Nor­des­te. É uma ar­te eru­di­ta fei­ta a par­tir da cultura po­pu­lar; não é co­mer­ci­al. Mes­cla os ele­men­tos das cul­tu­ras ori­gi­ná­ri­as, ibé­ri­ca e afri­ca­nas pa­ra cons­truir uma ar­te bra­si­lei­ra.”

Pa­ra o ar­tis­ta vi­su­al Ma­nu­el Dantas Su­as­su­na, fi­lho de Ari­a­no e de Zé­lia de An­dra­de Li­ma Su­as­su­na, seu pai de­se­ja­va que o Bra­sil fos­se ar­mo­ri­al. Com is­so, não so­nha­va com uma cultura úni­ca, mas com a va­lo­ri­za­ção da di­ver­si­da­de de ca­da re­gião do país.

“Na vi­são de­le, era pre­ci­so se aprofundar no Bra­sil, olhar pa­ra tu­do que es­sa ter­ra e seu po­vo pro­duz, que é mui­to ri­co, com tan­tas ma­ni­fes­ta­ções co­mo a li­te­ra­tu­ra de cor­del, a xi­lo­gra­vu­ra, a mú­si­ca de vi­o­la, ra­be­ca, pí­fa­no, que são ele­men­tos ce­le­bra­dos pe­lo ar­mo­ri­al. Ca­da can­to tem su­as par­ti­cu­la­ri­da­des e, ao in­vés de que­rer uni­for­mi­zar, a gen­te de­ve­ria ce­le­brar o que faz ca­da lu­gar úni­co. O que pa­pai fez foi acen­der a cen­te­lha pa­ra es­sa im­por­tân­cia de se olhar pa­ra o Bra­sil e va­lo­ri­zar nos­sa cultura”, con­ta.

Dantas, cu­jo tra­ba­lho é for­te­men­te in­flu­en­ci­a­do pelos prin­cí­pi­os ar­mo­ri­ais, en­xer­ga co­mo um dos gran­des le­ga­dos do mo­vi­men­to as Ilu­mi­a­ras, que se­ri­am tan­to es­pa­ços fí­si­cos (en­tre eles a Jaú­na, na Fazenda Car­naú­ba, em Ta­pe­róa, a par­tir das in­di­ca­ções do pró­prio Ari­a­no) quan­to sim­bó­li­cos de ce­le­bra­ção à ar­te e a cultura.

“Es­ses lu­ga­res ce­le­bram o pen­sa­men­to que Ari­a­no fo­men­tou e eram lu­ga­res sa­gra­dos pa­ra ele. En­tão, acre­di­to que de­pois do en­can­ta­men­to de pa­pai, es­tes são os prin­ci­pais sím­bo­los do ar­mo­ri­al ago­ra. Acre­di­to que es­ta­mos na fa­se das Ilu­mi­a­ras e o que elas re­pre­sen­tam en­quan­to pos­si­bi­li­da­des de cri­a­ção e de re­fle­xão pa­ra a cultura”, en­fa­ti­za.

CE­LE­BRA­ÇÃO

O In­ter­cul­tu­ra­li­da­des, even­to pro­mo­vi­do pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral Flu­mi­nen­se, en­cer­ra ho­je sua 10ª edição, que foi vol­ta­da pa­ra o cin­quen­te­ná­rio do Mo­vi­men­to Ar­mo­ri­al.

Às 16h, se­rá trans­mi­ti­do no ca­nal do You­Tu­be do Cen­tro de Ar­tes UFF uma con­ver­sa em ho­me­na­gem aos 65 anos do Au­to da Com­pa­de­ci­da, com par­ti­ci­pa­ção de Matheus Na­ch­ter­ga­e­le e do di­re­tor Amir Had­dad e me­di­a­ção de Inez Vi­a­na.

As ati­vi­da­des re­a­li­za­das ao lon­go do even­to, que es­te ano foi com­ple­ta­men­te di­gi­tal, es­tão dis­po­ní­veis no You­Tu­be.

LE­GA­DO Ma­nu­el Dantas Su­as­su­na en­xer­ga as Ilu­mi­a­ras co­mo bas­tiões do es­pí­ri­to ar­mo­ri­al na atu­a­li­da­de

SO­NO­RO Ari­a­no Su­as­su­na com o Quin­te­to Ar­mo­ri­al, que co­lo­cou em prá­ti­ca os idei­as do mo­vi­men­to na mú­si­ca

LI­VRO Dom Pan­te­ro é uma sín­te­se das idei­as de Ari­a­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.