Jornal do Commercio

Imo­bi­liá­rio

Cbic es­ti­ma que em 2021 haja cres­ci­men­to “en­tre 5% e 10%” no seg­men­to

- LUCAS MO­RA­ES lmo­ra­es@jc.com.br Business · Real Estate · Brazil

Se­tor ce­le­bra venda re­cor­de de imó­veis em 2020 e pro­je­ta cres­ci­men­to es­te ano.

Oquar­to tri­mes­tre de 2020 al­çou o mer­ca­do imo­bi­liá­rio à que­bra de um re­cor­de da série his­tó­ri­ca - ini­ci­a­da em 2016 - dos In­di­ca­do­res Imo­bi­liá­ri­os. De acor­do com os da­dos da Câ­ma­ra Bra­si­lei­ra da In­dús­tria da Cons­tru­ção (Cbic), as ven­das che­ga­ram a 57.968 uni­da­des, alta de 6,7% an­te o mes­mo in­ter­va­lo de 2019. Ao lon­go do ano pas­sa­do, as ven­das de imó­veis no­vos to­ta­li­za­ram 189.857 uni­da­des, cres­ci­men­to de 9,8% so­bre o ano ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­or.

Com a alta dos in­su­mos e as in­cer­te­zas ain­da ron­dan­do os em­pre­sá­ri­os, os lan­ça­men­tos to­ta­li­za­ram 151.782 uni­da­des em 2020, acu­mu­lan­do uma que­da de 17,8% fren­te 2019. No úl­ti­mo tri­mes­tre do ano pas­sa­do, os lan­ça­men­tos re­du­zi­ram 7,1%, to­ta­li­zan­do 61.274 uni­da­des.

Jus­ta­men­te pe­lo fa­to de ha­ver mais ven­das do que lan­ça­men­tos, os es­to­ques tam­bém caí­ram: -12,3% em 2020, in­do de 187.836 pa­ra 164.786 uni­da­des. Pa­ra a Cbic, olhan­do ape­nas pa­ra o ce­ná­rio ma­cro­e­conô­mi­co e o dé­fi­cit ha­bi­ta­ci­o­nal, o ano de 2021 ain­da de­ve ser de cres­ci­men­to pa­ra o se­tor “en­tre 5% e 10%”, mas ain­da há en­tra­ves que po­dem atra­pa­lhar o de­sen­vol­vi­men­to da ati­vi­da­de econô­mi­ca e con­se­quen­te ge­ra­ção de em­pre­gos.

“Te­mos que cons­truir o que ven­de­mos a mais e ain­da por ci­ma re­por o es­to­que. É cla­ro que a ati­vi­da­de econô­mi­ca vai es­tar bem em 2021, cer­ta­men­te ire­mos con­tra­tar mais gen­te pa­ra cons­truir o que ven­de­mos a mais. Quan­to a is­so, es­ta­ria tu­do tran­qui­lo. Po­rém te­mos um pon­to que não é só pre­o­cu­pan­te, é ex­tre­ma­men­te pre­o­cu­pan­te: o au­men­to dos in­su­mos e fal­ta de abas­te­ci­men­to de mui­tos ma­te­ri­ais”, aler­ta o pre­si­den­te da Cbic, Jo­sé Car­los Mar­tins.

De acor­do com o pre­si­den­te da Co­mis­são de In­dús­tria Imo­bi­liá­ria da Cbic, Cel­so Pe­truc­ci, exis­tia a ex­pec­ta­ti­va, a par­tir de con­ver­sa com os for­ne­ce­do­res, de que es­sa si­tu­a­ção se equi­li­bras­se a par­tir do pri­mei­ro tri­mes­tre de 2021. “Não é que o es­tá ocor­ren­do. Os pre­ços con­ti­nu­am su­bin­do”, diz Pe­truc­ci.

Ele emen­da que no ano pas­sa­do o Bra­sil criou 143 mil em­pre­gos de car­tei­ra as­si­na­da, só a ati­vi­da­de do agro­ne­gó­cio e de cons­tru­ção ci­vil fo­ram po­si­ti­vas na cri­a­ção e ge­ra­ção de em­pre­gos. “A cons­tru­ção te­ve 11 mil em­pre­gos no­vos. Is­so mos­tra nos­sa ca­pa­ci­da­de de ge­ra­ção de em­pre­go e a ne­ces­si­da­de de to­da a so­ci­e­da­de es­tar olhan­do pa­ra es­se au­men­to de cus­tos, por­que is­so po­de­rá ter re­fle­xo em 2021”, pon­de­ra.

Se­gun­do o pre­si­den­te da Cbic, pa­ra evi­tar um re­pre­sa­men­to dos lan­ça­men­tos no mer­ca­do, es­tão mar­ca­das com equi­pes do go­ver­no fe­de­ral, in­cluin­do a pas­ta da Eco­no­mia, reu­niões pa­ra bus­car so­lu­ções à alta dos in­su­mos.

“Va­mos pro­por a ra­ci­o­na­li­za­ção e ver co­mo o go­ver­no es­tá ob­ser­van­do is­so. Va­mos co­lo­car na me­sa um pro­ble­ma e dis­cu­tir quais são as pos­si­bi­li­da­des de ser mi­no­ra­do. Is­so pas­sa por im­por­ta­ção, me­xer nos pra­zos de con­tra­to ou fa­zer um re­e­qui­lí­brio. Tem uma série de coi­sas que po­de­rão ser fei­tas”, diz Mar­tins.

As obras con­tra­ta­das em 2020 usa­vam pre­vi­sões que ti­nham por ba­se ou­tros va­lo­res (de in­su­mos)”,

res­sal­ta Jo­sé Car­los Mar­tins, pre­si­den­te da Cbic

 ??  ?? NA PAN­DE­MIA As ven­das de imó­veis no­vos to­ta­li­za­ram 189.857 uni­da­des, cres­ci­men­to de 9,8% so­bre 2019
NA PAN­DE­MIA As ven­das de imó­veis no­vos to­ta­li­za­ram 189.857 uni­da­des, cres­ci­men­to de 9,8% so­bre 2019
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil