Sus­pen­sos re­a­jus­tes até o fim do im­pe­a­ch­ment

Jornaldodia - - ECONOMIA -

Sem cli­ma pa­ra no­vos re­a­jus­tes a ser­vi­do­res fe­de­rais, o go­ver­no avi­sou que não ha­ve­rá ex­ce­ções na de­ci­são de sus­pen­der os au­men­tos, se­gun­do o mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha, Ca­sa Ci­vil. A de­ci­são, res­sal­tou ele, va­le até o fim da vo­ta­ção do im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­te afas­ta­da Dil­ma, que co­me­ça nes­ta 5a-fei­ra, 25ago16. “A de­ci­são é do co­le­gi­a­do do go­ver­no. Não ha­via cli­ma na ba­se pa­ra apro­var no­vos re­a­jus­tes”, dis­se Pa­di­lha.

Pa­di­lha: sem au­men­to de im­pos­tos em 2017.

“É uma de­ci­são já to­ma­da pe­lo go­ver­no”, dis­se on­tem o mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha, Ca­sa Ci­vil, ao re­a­fir­mar que a União não co­gi­ta au­men­to de im­pos­tos pa­ra 2017. O mi­nis­tro res­sal­tou que pa­ra não am­pli­ar a car­ga tri­bu­tá­ria, o go­ver­no vai tra­ba­lhar com pro­je­ção de au­men­to de 1,6% do PIB na pro­pos­ta or­ça­men­tá­ria pa­ra 2017, con­tra pro­je­ção ini­ci­al de 1,2%. O mi­nis­tro rei­te­rou que a pro­pos­ta do te­to pa­ra os gas­tos fe­de­rais — des­pe­sa do ano an­te­ri­or mais in­fla­ção — “é ine­go­ciá­vel”.

Con­tas ex­ter­nas: dé­fi­cit no me­nor ní­vel em se­te anos.

Da­dos di­vul­ga­dos on­tem pe­lo Ban­co Cen­tral (BC) mos­tram que a con­ta de tran­sa­ções cor­ren­tes fe­chou ju­lho com re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo de US$ 4,05 bi­lhões. É o me­nor dé­fi­cit pa­ra me­ses de ju­lho nos úl­ti­mos se­te anos — em 2009, foi de US$ 2,555 bi­lhões. No acu­mu­la­do de 12 me­ses, as con­tas ex­ter­nas têm dé­fi­cit de US$ 27,9 bi­lhões, 1,57% do PIB — me­nor per­cen­tu­al des­de nov2009. De acor­do com o BC, os in­ves­ti­men­tos es­tran­gei­ros di­re­tos pro­je­ta­dos pa­ra es­te ano são de US$ 70 bi­lhões (US$ 75,1 bi­lhões em 2015).

Mer­co­sul: sem acor­do.

No­va reu­nião do Mer­co­sul, on­tem, ter­mi­nou sem acor­do so­bre a Ve­ne­zu­e­la e o que fa­zer da pre­si­dên­cia ro­ta­ti­va do blo­co. Pe­la or­dem, era a vez de a Ve­ne­zu­e­la as­su­mir a pre­si­dên­cia. Mas Bra­sil, Pa­ra­guai e Ar­gen­ti­na tra­ba­lham pa­ra evi­tar: ale­ga-se que a Ve­ne­zu­e­la não in­cor­po­rou boa par­te do acer­vo nor­ma­ti­vo do blo­co, à vés­pe­ra do fim de um pra­zo de qua­tro anos. Após mais de oi­to ho­ras de reu­nião, em Mon­te­vi­déu, os re­pre­sen­tan­tes es­bo­ça­ram um “ro­tei- ro” so­bre co­mo o blo­co se­rá ge­ri­do nes­te se­mes­tre e ava­li­a­ram pos­sí­veis san­ções aos ve­ne­zu­e­la­nos.

De­sem­pre­go na Ar­gen­ti­na: 9,3%.

No 2º tri­mes­tre, a ta­xa de de­sem­pre­go na Ar­gen­ti­na atin­giu 9,3%, se­gun­do o In­dec, ins­ti­tu­to ofi­ci­al de es­ta­tís­ti­cas — no pri­mei­ro re­la­tó­rio do go­ver­no Mau­rí­cio Ma­cri. Os 9,3% mar­cam um au­men­to em re­la­ção ao úl­ti­mo ín­di­ce di­vul­ga­do pe­la pre­si­den­te an­te­ri­or, Cristina Kir­ch­ner (2003 a 2015), que foi de 5,9% no 3º tri­mes­tre de 2015. A Ar­gen­ti­na vi­ve es­tag­na­ção econô­mi­ca pro­lon­ga­da e in­fla­ção al­ta. Se­gun­do o go­ver­no, a in­fla­ção acu­mu­lou no 1º se­mes­tre 28,7%, su­pe­ran­do a me­ta anu­al de 25%. Con­sul­to­ri­as pri­va­das es­ti­mam que su­pe­ra­rá 45% nes­te ano.

Mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha: pro­je­ção de au­men­to do PIB de 1,6%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.