Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia: ida­de mí­ni­ma, 65 anos.

Jornaldodia - - ECONOMIA -

De­pois de reu­nião en­tre o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, o mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les, Fa­zen­da, e lí­de­res ali­a­dos no Con­gres­so, o mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha, Ca­sa Ci­vil, anun­ci­ou que se­rá pro­pos­ta ida­de mí­ni­ma de 65 anos pa­ra a apo­sen­ta­do­ria. “Se não re­for­mar­mos ago­ra a Pre­vi­dên­cia, fi­lhos e ne­tos não te­rão apo­sen­ta­do­ria”, dis­se Pa­di­lha. A al­te­ra­ção va­le­rá pa­ra ho­mens com me­nos de 50 anos e mu­lhe­res com me­nos de 45. Os de­mais se­rão sub­me­ti­dos a re­gra de tran­si­ção. Bom­bei­ros e po­li­ci­ais es­ta­rão fo­ra da re­gra. Se­gun­do Te­mer, a pro­pos­ta vai ao Con­gres­so ho­je, e de­pois se­rá apre­sen­ta­da às cen­trais.

Pre­ços de ga­so­li­na e di­e­sel au­men­tam ho­je

Des­de meia-noi­te, va­lem no­vos pre­ços pa­ra com­bus­tí­veis. On­tem, a Pe­tro­bras anun­ci­ou al­ta de 9,5% pa­ra o di­e­sel e de 8,1% pa­ra a ga­so­li­na — se o to­tal for re­pas­sa­do ao con­su­mi­dor, o di­e­sel po­de su­bir R$ 0,17 por li­tro, e a ga­so­li­na, R$ 0,12. É a ter­cei­ra re­vi­são de pre­ços: nas du­as pri­mei­ras, os pre­ços caí­ram. “As va­riá­veis que ex­pli­cam a de­ci­são são o au­men­to nos pre­ços do pe­tró­leo e des­va­lo­ri­za­ção do câm­bio”, diz no­ta da Pe­tro­bras.

In­fla­ção de­ve cair. Já a eco­no­mia...

Pe­la quar­ta vez se­gui­da caiu a pro­je­ção de in­fla­ção pa­ra es­te ano, se­gun­do ana­lis­tas con­sul­ta­dos pe­lo bo­le­tim Fo­cus, do Ban­co Cen­tral (BC). Nes­ta se­ma­na, a in­fla­ção pre­vis­ta caiu de 6,72% pa­ra 6,69%. Pa­ra 2017, a ta­xa foi man­ti­da em 4,9%, co­mo nas úl­ti­mas três se­ma­nas. Já a pro­je­ção pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia pi­o­rou: pas­sou de que­da de 3,49% pa­ra um re­cuo pou­co me­nor, de 3,43%. Pa­ra 2017, a ex­pec­ta­ti­va de cres­ci­men­to foi de 0,98% pa­ra 0,80%, na sé­ti­ma re­du­ção con­se­cu­ti­va.

Mei­rel­les con­fir­ma me­di­das e des­car­ta ‘fri­tu­ra’

Em con­ver­sa ao ce­lu­lar, no vi­va-voz, com o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, o pre­si­den­te da Fi­esp, Pau­lo Skaf, con­fir­mou on­tem al­gu­mas me­di­das mi­cro­e­conô­mi­cas pa­ra ace­le­rar a eco­no­mia. A seu la­do, es­ta­va o mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les, Fa­zen­da, que não quis dar de­ta­lhes so­bre as me­di­das. Se­gun­do a con­ver­sa, ha­ve­rá ações na cons­tru­ção ci­vil e pa­ra pe­que­nos em- pre­sá­ri­os. Mei­rel­les con­fir­mou ge­ne­ri­ca­men­te as ações, e des­car­tou ser ví­ti­ma de pos­sí­vel ‘fri­tu­ra’, por não ter, ain­da, con­se­gui­do fa­zer a eco­no­mia cres­cer. “Es­ta­mos em um pro­ces­so de dis­cus­são so­bre o que pre­ci­sa­mos fa­zer”, dis­se Mei­rel­les.

Ca­la­mi­da­de fi­nan­cei­ra em Mi­nas

Pe­di­do do go­ver­na­dor Fer­nan­do Pi­men­tel (PT-MG), en­vi­a­do on­tem à As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, so­li­ci­ta de­cre­ta­ção de ca­la­mi­da­de fi­nan­cei­ra. Pi­men­tel diz que Mi­nas vi­ve cri­se fi­nan­cei­ra “re­fle­xo da que­da de ar­re­ca­da­ção”. A fal­ta de di­nhei­ro, diz a no­ta, cria di­fi­cul­da­des pa­ra pa­ga­men­to de ser­vi­do­res e pro­ble­mas nos ser­vi­ços pú­bli­cos. E que, nos úl­ti­mos dez anos, as des­pe­sas com pes­so­al au­men­ta­ram 252,98% en­quan­to a re­cei­ta au­men­tou 137,50%. De 2003 a 2014, o Es­ta­do foi go­ver­na­do por Aé­cio Ne­ves (PSDB).

Mei­rel­les e Skaf, em São Pau­lo: me­di­das mi­cro­e­conô­mi­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.