49 anos pa­ra apo­sen­ta­do­ria in­te­gral

Jornaldodia - - ECONOMIA -

Pe­lo pro­je­to de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, en­ca­mi­nha­do ao Con­gres­so, o tra­ba­lha­dor te­rá de con­tri­buir por 49 anos pa­ra ob­ter apo­sen­ta­do­ria in­te­gral, se­gun­do Mar­ce­lo Ca­e­ta­no, se­cre­tá­rio da Pre­vi­dên­cia da Fa­zen­da. A ida­de mí­ni­ma se­rá de 65 anos pa­ra ho­mens e mu­lhe­res, se­gu­ra­dos do INSS, ser­vi­do­res pú­bli­cos, tra­ba­lha­do­res ru­rais e ur­ba­nos, bem co­mo par­la­men­ta­res e de­ten­to­res de car­gos ele­ti­vos. O tem­po mí­ni­mo de con­tri­bui­ção se­rá de 25 anos. Dis­se Ca­e­ta­no que a eco­no­mia che­ga­rá a R$ 678 bi­lhões en­tre 2018 e 2027, com es­ta e ou­tras me­di­das.

Sin­di­ca­lis­tas con­tra a ida­de mí­ni­ma

De­pois de reu­nião, on­tem, no Pla­nal­to, sin­di­ca­lis­tas dis­se­ram que, co­mo es­tá, a re­for­ma não se­rá apro­va­da no Con­gres­so. Eles re­cla­ma­ram da ida­de na re­gra de tran­si­ção, que na opi­nião de­les de­ve­ria ser mais su­a­ve. A ida­de mí­ni­ma de 65 anos, com 25 de con­tri­bui­ção, va­le­rá pa­ra ho­mens com ida­de in­fe­ri­or a 50 anos e mu­lhe­res com me­nos de 45. Pa­ra con­tri­buin­tes com ida­de su­pe­ri­or, a pro­pos­ta pre­vê acrés­ci­mo de 50% so­bre o tem­po que res­ta­va pa­ra a apo­sen­ta­do­ria, ten­do co­mo ba­se a re­gra an­ti­ga.

Co­pom si­na­li­za cor­te do ju­ro

Em si­na­li­za­ção ao mer­ca­do, a ata da reu­nião do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) do Ban­co Cen­tral, di­vul­ga­da on­tem, apon­ta que po­de ha­ver mais es­pa­ço pa­ra as con­di­ções de que­da do ju­ro bá­si­co (ta­xa Se­lic). Na se­ma­na pas­sa­da, o Co­pom re­du­ziu a Se­lic em 0,25 pon­to, pa­ra 13,75% ao ano. Ao co­men­tar a in­fla­ção, a ata diz que “as pro­je­ções pa­ra am­bos os anos [2016 e 2017] me­lho­ra­ram, es­pe­ci­al­men­te no ce­ná­rio de mer­ca­do”. Um no­vo cor­te po­de­ria ocor­rer na pró­xi­ma reu­nião, di­as 10 e 11jan17.

Re­a­jus­te de 12,3% pa­ra o GLP in­dus­tri­al

De­pois da ele­va­ção de pre­ços de com­bus­tí­veis, na 2a-fei­ra (05dez16), a Pe­tro­bras au­men­tou on­tem o pre­ço do Gás Li­que­fei­to de Pe­tró­leo (GLP) in­dus­tri­al, co­mer­ci­al e a gra­nel. O au­men­to va­le a par­tir de ho­je. A al­ta é de 12,3%. Não hou­ve re­a­jus­te pa­ra o gás re­si­den­ci­al, em bo­ti­jões de até 13 kg. O GLP ven­di­do pa­ra bo­ti­jões de 13 kg cus­ta em tor­no de R$ 1 mil por to­ne­la­da, en­quan­to o pro­du­to ven­di­do em va­si­lha­mes mai­o­res sai a R$ 1,8 mil. No mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal es­tá em tor­no de R$ 1,2 mil.

Cor­te de sa­lá­ri­os de se­cre­tá­ri­os no Rio

Em meio a um pro­tes­to vi­o­len­to, com os ar­re­do­res da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va trans­for­ma­dos em pra­ça de guer­ra, os de­pu­ta­dos es­ta­du­ais do Rio apro­va­ram on­tem os pri­mei­ros pro­je­tos do pa­co­te fis­cal. Per­deu o go­ver­na­dor Luiz Fer­nan­do Pe­zão: con­tra sua von­ta­de, foi apro­va­do um te­to pa­ra os sa­lá­ri­os do go­ver­na­dor e de se­cre­tá­ri­os, o que cor­res­pon­de­rá a um cor­te de 30% nos ven­ci­men­tos atu­ais. Tam­bém foi apro­va­do a não re­no­va­ção da fro­ta dos par­la­men­ta­res. O chei­ro de gás pimenta do con­fron­to en­tre ma­ni­fes­tan­tes e po­lí­cia che­gou ao in­te­ri­or da As­sem­bleia.

Mar­ce­lo Ca­e­ta­no (cen­tro), da Fa­zen­da: eco­no­mia de R$ 678 bi­lhões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.