Ex­go­ver­na­dor do Te­xas vai co­man­dar ener­gia dos EUA

Jornaldodia - - INTERNACIONAL -

O pre­si­den­te elei­to dos EUA, Do­nald Trump, es­co­lheu o ex­go­ver­na­dor do Te­xas, Rick Per­ry, pa­ra o car­go de se­cre­tá­rio da Ener­gia dos EUA. É mais uma es­co­lha polêmica de Trump, pois Per­ry vai li­de­rar um mi­nis­té­rio que ele pró­prio pro­me­teu ex­tin­guir. Em 2011, na campanha pre­si­den­ci­al, Per­ry dis­se que os de­par­ta­men­tos do Co­mér­cio, Edu­ca­ção e Ener­gia eram re­dun­dan­tes e de­ve­ri­am ser ex­tin­tos. Durante seu man­da­to no go­ver­no do Te­xas, Per­ry foi gran­de de­fen­sor do petróleo. Pre­vê-se que ele as­su­ma a de­fe­sa das ener­gi­as fós­seis, não das re­no­vá­veis.

Par­la­men­to ita­li­a­no apro­va pre­miê Gen­ti­lo­ni

Com 169 vo­tos a fa­vor e 99 con­trá­ri­os, Pa­o­lo Gen­ti­lo­ni re­ce­beu o voto de con­fi­an­ça do Par­la­men­to pa­ra li­de­rar o no­vo go­ver­no ita­li­a­no. No discurso, ele di­ri­giu-se so­bre­tu­do à opo­si­ção, que con­si­de­ra sua no­me­a­ção ile­gí­ti­ma: “To­dos os que lu­ta­ram nos úl­ti­mos me­ses a fa­vor do Par­la­men­to, con­tra aqui­lo a que cha­mo de ten­ta­ti­va au­to­ri­tá­ria, ago­ra pe­ço-lhes que res­pei­tem o Par­la­men­to, as su­as re­gras e par­ti­ci­pem nas reu­niões de for­ma dig­na, com o ci­vis­mo que exi­ge a Cons­ti­tui­ção”.

Con­fir­ma­da tré­gua em Alep­po

Co­man­dan­tes dos gru­pos opo­si­to­res sí­ri­os con­fir­ma­ram on­tem que o acor­do de ces­sar-fo­go es­tá em vi­gor em Alep­po. E que a re­ti­ra­da de ci­vis e de mi­li­tan­tes da opo­si­ção de­ve­ria co­me­çar em al­gu­mas ho­ras. A in­for­ma­ção foi di­vul­ga­da por Ab­dul Sa­lam Ab­dul Ra­zak, por­ta-voz mi­li­tar do gru­po Nour al-Din al Zin­ki. Ra­zak ex­pli­cou que o acor­do in­clui tam­bém a re­ti­ra­da de pes­so­as de du­as vi­las con­tro­la­das por re­bel­des na pro­vín­cia de Idlib — Foua e Ke­fraya. Um fun­ci­o­ná­rio da ali­an­ça mi­li­tar pró-Damasco con­fir­mou que a tré­gua es­ta­va sen­do res­pei­ta­da.

Ve­ne­zu­e­la fe­cha fron­tei­ra com Bra­sil

Ale­gan­do a ne­ces­si­da­de de com­ba­ter o con­tra­ban­do de cé­du­las de 100 bo­lí­va­res, que sai­rão de cir­cu­la­ção, o go­ver­no da Ve­ne­zu­e­la fe­chou a fron­tei­ra com o Bra­sil por 72 ho­ras. A in­for­ma­ção foi di­vul­ga­da on­tem pe­la em­bai­xa­da bra­si­lei­ra em Ca­ra­cas e pe­lo Ita­ma­raty. O pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro de­ter­mi­nou a re­ti­ra­da de cir­cu­la­ção das cé­du­las de 100 bo­lí­va­res (as de mai­or va­lor) pa­ra aca­bar com as su­pos­tas “má­fi­as” que as re­te­ri­am na fron­tei­ra com a Colôm­bia, em um su­pos­to com­plô or­ques­tra­do pelos EUA.

For­bes con­si­de­ra Pu­tin o mais po­de­ro­so

No ran­king anu­al da re­vis­ta For­bes, o pre­si­den­te da Rús­sia, Vla­di­mir Pu­tin, 64 anos, foi con­si­de­ra­do o ho­mem mais po­de­ro­so do mun­do, pe­lo quar­to ano con­se­cu­ti­vo. Atrás de­le fi­ca­ram o pre­si­den­te elei­to dos EUA, Do­nald Trump, e a chan­ce­ler da Ale­ma­nha, An­ge­la Mer­kel. “De seu país na­tal até a Síria, pas­san­do pe­las elei­ções nor­te-ame­ri­ca­nas, o lí­der rus­so con­ti­nua al­can­çan­do seus ob­je­ti­vos”, afir­ma a re­vis­ta em sua úl­ti­ma edi­ção. Após Pu­tin, Trump e Mer­kel, apa­re­cem o pre­si­den­te da Chi­na, Xi Jin­ping, em quar­to, e o Pa­pa Fran­cis­co, em quin­to.

Par­la­men­to ita­li­a­no: a opo­si­ção con­si­de­ra ile­gí­ti­ma a no­me­a­ção do no­vo pre­miê Gen­ti­lo­ni.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.