Pa­co­te pa­ra es­ti­mu­lar a eco­no­mia e con­tor­nar a po­lí­ti­ca

Jornaldodia - - ECONOMIA -

Pa­ra en­fren­tar as cri­ses econô­mi­ca e po­lí­ti­ca, o go­ver­no do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer lan­çou on­tem um pa­co­te pa­ra re­a­ti­var a eco­no­mia que me­xe com FGTS, dí­vi­das e o cré­di­to imo­bi­liá­rio. Se­gun­do o mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les, Fazenda, o pla­no in­clui ele­var o ní­vel de ren­di­men­to do FGTS e ex­tin­guir gra­du­al­men­te a mul­ta ex­tra que as em­pre­sas pa­gam na de­mis­são sem jus­ta cau­sa. Quan­to ao cré­di­to se­rá per­mi­ti­do que lo­jis­tas pos­sam ofe­re­cer des­con­to de acor­do com o meio de pa­ga­men­to (di­nhei­ro, bo­le­to, car­tões). O go­ver­no tam­bém quer re­gu­la­men­tar a Le­tra Imo­bi­liá­ria Ga­ran­ti­da (LIG) pa­ra am­pli­ar a ofer­ta de cré­di­to de lon­go pra­zo pa­ra a construção ci­vil.

Um Re­fis com ou­tro no­me

Parte do pa­co­te de bon­da­des do go­ver­no, o Pro­gra­ma de Re­cu­pe­ra­ção Tri­bu­tá­ria se­rá, na prá­ti­ca, um Re­fis pa­ra ge­rar re­cei­ta ex­tra pa­ra 2017, se­gun­do ana­lis­tas. O no­vo pro­gra­ma de re­gu­la­ri­za­ção tri­bu­tá­ria va­le pa­ra em­pre­sas e pes­so­as fí­si­cas com dé­bi­tos até 30nov16. O Mi­nis­té­rio da Fazenda e a Re­cei­ta es­ti­mam ar­re­ca­dar R$ 10 bi­lhões em 2017 com o pro­gra­ma. Se­gun­do o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, o al­to en­di­vi­da­men­to das em­pre­sas e das fa­mí­li­as é ho­je um dos gran­des en­tra­ves à re­to­ma­da do cres­ci­men­to, por ini­bir in­ves­ti­men­tos e con­su­mo.

Or­ça­men­to 2017 apro­va­do

Sem mai­o­res dis­cus­sões, o Con­gres­so apro­vou on­tem a Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (LDO) e o Or­ça­men­to 2017. Por acor­do fo­ram der­ru­ba­dos três ve­tos: re­pac­tu­a­ção de dí­vi­das de co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las com o Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de For­ta­le­ci­men­to da Agri­cul­tu­ra Fa­mi­li­ar (Pro­naf); adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de a agen­tes de saú­de; e a cri­a­ção do Pro­gra­ma de Fo­men­to às Ati­vi­da­des Pro­du­ti­vas de Pe­que­no Por­te Ur­ba­nas. A vo­ta­ção foi sim­bó­li­ca.

Cai de no­vo a ati­vi­da­de pelo IBC-Br

Pe­las con­tas do Ín­di­ce de Ati­vi­da­de Econô­mi­ca do Ban­co Cen­tral (IBC-Br), a ati­vi­da­de econô­mi­ca do País re­gis­trou con­tra­ção de 0,48% em ou­tu­bro, sobre o mês an­te­ri­or. O IBC-Br é con­si­de­ra­do um si­na­li­za­dor do PIB. Foi a oi­ta­va que­da — só hou­ve re­sul­ta­dos po­si­ti­vos em abril e em ju­nho. Sobre out2015, o re­cuo foi de 3,88%; nos úl­ti­mos 12 me­ses, caiu 5,29%. Com is­so, ain­da não há si­nais de re­to­ma­da da eco­no­mia, o que, di­zem ana­lis­tas, de­ve di­fi­cul­tar o qua­dro de re­cu­pe­ra­ção pa­ra o ano que vem.

Sa­lá­ri­os de­sa­ce­le­ram mais no Bra­sil

Re­la­tó­rio Global sobre Sa­lá­ri­os, pu­bli­ca­do on­tem pe­la Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho (OIT), mos­tra que o cres­ci­men­to dos sa­lá­ri­os em to­do mun­do de­sa­ce­le­rou pa­ra seu me­nor ní­vel em qua­tro anos. Pas­sou de al­ta de 2,5% em 2012 pa­ra 1,7% em 2015. En­tre os paí­ses do G20, o tra­ba­lha­dor bra­si­lei­ro foi o que so­freu mai­or que­da de sa­lá­ri­os em ter­mos re­ais. De acor­do com a en­ti­da­de, a que­da no sa­lá­rio re­al do bra­si­lei­ro nes­te ano foi de 6,2%. Em 2015, a per­da foi de 3,7%.

Mei­rel­les: con­tra as cri­ses que as­so­lam o go­ver­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.