Te­mer cha­ma massacre de “aci­den­te”

Jornaldodia - - PAGINA DELANTERA -

De­pois de ab­so­lu­to si­lên­cio so­bre as 60 mor­tes no pre­sí­dio de Ma­naus, des­de 2a-fei­ra, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer afi­nal fa­lou on­tem. Em en­tre­vis­ta a jor­na­lis­tas, re­fe­riu-se ao massacre co­mo “aci­den­te pa­vo­ro­so” e cri­ou mais po­lê­mi­ca nas re­des so­ci­ais. Em função dis­so, ele mu­dou sua men­sa­gem no Twit­ter pa­ra “ter­rí­vel epi­só­dio”. Mais crí­ti­cas. E ele fez ou­tra de­cla­ra­ção, tam­bém no Twit­ter, pa­ra ex­pli­car os sinô­ni­mos de “aci­den­te”. De qual­quer mo­do, anun­ci­ou medidas e an­te­ci­pou o pla­no na­ci­o­nal de se­gu­ran­ça [ver GE­RAL].

Cu­nha pe­de que cas­sa­ção se­ja anu­la­da

Ale­gan­do vi­o­la­ção do pro­ces­so le­gis­la­ti­vo, a de­fe­sa do ex­de­pu­ta­do Edu­ar­do Cu­nha (PMDB-RJ) pe­diu on­tem que o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) anu­le o pro­ces­so que o cas­sou em set2016. Di­zem os ad­vo­ga­dos que a de­ci­são foi to­ma­da co­mo pa­re­cer, não co­mo re­so­lu­ção — o que per­mi­ti­ria pe­na mais bran­da, co­mo sus­pen­são de man­da­to. O pro­ces­so foi sor­te­a­do pa­ra o mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki. A pre­si­den­te do STF, ministra Cár­men Lú­cia, po­de­rá con­ce­der ou ne­gar a li­mi­nar du­ran­te o plan­tão do tri­bu­nal. Ca­so con­trá­rio, a ação só se­rá jul­ga­da a par­tir de fe­ve­rei­ro, quan­do ter­mi­na o re­ces­so na cor­te.

Ode­bre­cht faz acor­do no Pe­ru

Acor­do pre­li­mi­nar foi fe­cha­do on­tem en­tre o Mi­nis­té­rio Público do Pe­ru e a bra­si­lei­ra Ode­bre­cht. A Ode­bre­cht vai de­vol­ver R$ 28,59 milhões (US$ 8,9 milhões), de ga­nhos ilí­ci­tos no país, e en­tre­ga­rá in­for­ma­ções re­le­van­tes pa­ra as in­ves­ti­ga­ções. Em no­ta, o MP do Pe­ru in­for­mou que o mon­tan­te “não deve ser en­ten­di­do co­mo a quan­ti­fi­ca­ção to­tal a ser de­ter­mi­na­da no acor­do final, nem es­tá re­la­ci­o­na­da com a re­pa­ra­ção ci­vil (com­pen­sa­ção), mas so­men­te com os ga­nhos pro­ve­ni­en­tes do cri­me”. As in­ves­ti­ga­ções no Pe­ru co­me­ça­ram em nov2016.

Con­de­na­do por es­tu­pro, ir­mão de Ga­ro­ti­nho vi­ra de­pu­ta­do.

Su­plen­te de de­pu­ta­do, Nel­son Nahim (PSD-RJ) as­su­miu a vaga de Ín­dio da Cos­ta, que se li­cen­ci­ou pa­ra co­man­dar a Se­cre­ta­ria de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção do Rio. Ir­mão mais ve­lho do ex-go­ver­na­dor do Rio, Anthony Ga­ro­ti­nho (de quem é rival), Nahim foi con­de­na­do a 12 anos por es­tu­pro de vul­ne­rá­vel, co­a­ção e ex­plo­ra­ção se­xu­al de ado­les­cen­tes. Ele che­gou a ficar preso de ju­nho a ou­tu­bro de 2016, mas foi sol­to gra­ças a um ha­be­as cor­pus con­ce­di­do pe­lo en­tão pre­si­den­te do Su­pre­mo, Ri­car­do Lewan­dows­ki, em 18out16, que per­mi­tiu a Nahim re­cor­rer em li­ber­da­de.

Afas­ta­do sub­pre­fei­to de São Paulo

Con­de­na­do por im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va em 2006, quan­do era sub­pre­fei­to da Mo­o­ca, em São Paulo, Edu­ar­do Odlo­ak foi afas­ta­do on­tem de seu no­vo car­go, sub­pre­fei­to da Sé (Cen­tro da ci­da­de). O afas­ta­men­to foi de­ter­mi­na­do pe­lo de­sem­bar­ga­dor Ma­ga­lhães Co­e­lho, que aca­tou pe­di­do de li­mi­nar do ad­vo­ga­do Ri­car­do Na­cle. Na­cle di­zia que Odlo­ak não ti­nha cre­den­ci­ais pa­ra ocu­par car­go público.

Acor­do da Ode­bre­cht no Pe­ru: US$ 8,9 milhões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.