Bol­sa so­be me­nos, mas so­be.

Jornaldodia - - NEGÓCIOS -

Mes­mo com a de­ci­são do Su­pre­mo de abrir in­ves­ti­ga­ção con­tra o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, o mer­ca­do so­freu um cer­to freio, mas te­ve um dia tran­qui­lo, on­tem. No en­cer ra­men­to, o Ín­di­ce Bo­ves­pa fe­chou em al­ta de 0,30%, a 74.538 pon­tos, de­pois de ter su­bi­do até os 75.332 pon­tos (+1,36%). A mai­or al­ta foi dos pa­péis da AmBev ON (3,70%). No mer­ca­do de câm­bio, o dó­lar su­biu pe­lo ter­cei­ro dia — o dó­lar co­mer­ci­al atin­giu no­vo re­cor­de, com R$ 3,1380, al­ta de 0,30%. A va­lo­ri­za­ção do dó­lar acom­pa­nhou o ex­te­ri­or. Das 31 prin­ci­pais mo­e­das, 27 per­de­ram for­ça em re­la­ção à di­vi­sa ame­ri­ca­na.

JBS pro­cu­ra um pre­si­den­te

Com a pri­são dos do­nos, Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta, o Con­se­lho da JBS pro­cu­ra um no­vo pre­si­den­te-exe­cu­ti­vo. Por pres­são do BNDES, (21% de par­ti­ci­pa­ção), o co­man­do da JBS já fa­zia son­da­gens. Há dois no­mes in­ter­nos em pau­ta — Gil­ber­to To­ma­zo­ni e Ta­rek Fa­rahat — e um de fo­ra, Cle­dor­vi­no Be­li­ni, ex-pre­si­den­te da Fi­at. To­ma­zo­ni che­gou a re­ce­ber con­vi­te for­mal, mas não acei­tou. Ele é con­si­de­ra­do a me­lhor op­ção por­que já di­ri­giu a Sa­dia. A ex­pec­ta­ti­va é que To­ma­zo­ni re­con­si­de­re sua po­si­ção.

Par­ti­ci­pan­tes do Pe­tros vão à Jus­ti­ça

Con­tra o pla­no pa­ra ajus­tar o Pe­tros, fun­do de pen­são da Pe­tro­bras, a As­so­ci­a­ção de En­ge­nhei­ros da es­ta­tal (Ae­pet) vai en­trar na Jus­ti­ça. O pla­no pre­vê apor­te de R$ 27,7 bi­lhões de em­pre­ga­dos e da em­pre­sa, pa­ra fe­char rom­bo de 2013 a 2015. O pla­no es­ta­be­le­ce que, por 18 anos, os par­ti­ci­pan­tes (da ati­va e apo­sen­ta­dos) te­rão de fa­zer con­tri­bui­ção ex­tra de R$ 236 a R$ 3,6 mil men­sais. O iní­cio do pro­gra­ma es­tá pre­vis­to pa­ra dez2017.

Pe­tro­bras apro­va no­vo acor­do nos EUA

Mais um acor­do pa­ra en­cer­rar ação in­di­vi­du­al na Cor­te de No­va York foi apro­va­do on­tem pe­lo Con­se­lho da Pe­tro­bras. A ação foi im­pe­tra­da por um gru­po de afi­li­a­das da Dis­co­very Glo­bal Ci­o­ti­zens Mas­ter Fund. Es­ti­ma-se o acer­to em US$ 14 mi­lhões — em­bo­ra mon­tan­te re­la­ti­va­men­te pe­que­no, in­te­res­sa­va à es­ta­tal en­cer­rar es­sa ação. A Pe­tro­bras in­for­mou que já fe­chou 19 ações in­di­vi­du­ais. As de­nún­ci­as de cor­rup­ção fi­ze­ram com que in­ves­ti­do­res que apli­ca­ram em bô­nus e em ações da em­pre­sa bra­si­lei­ra pro­ces­sas­sem a pe­tro­lei­ra, em gru­po ou in­di­vi­du­al­men­te.

Mi­nis­tro des­car­ta pri­va­ti­za­ção da In­fra­e­ro

“Não há nem nun­ca hou­ve pro­pos­ta pa­ra pri­va­ti­za­ção da In­fra­e­ro”, dis­se on­tem o mi­nis­tro Mau­rí­cio Quin­tel­la, Trans­por­tes, em au­di­ên­cia na Câ­ma­ra. “A In­fra­e­ro é uma em­pre­sa que tem 44 anos. É fun­da­men­tal pa­ra um país co­mo o Bra­sil que, com as di­men­sões con­ti­nen­tais que tem, não po­de pres­cin­dir de ter uma em­pre­sa pú­bli­ca no se­tor ae­ro­por­tuá­rio. Por mais que se fa­çam con­ces­sões de ae­ro­por­tos, ci­da­des vão cres­cer, no­vas ne­ces­si­da­des de ae­ro­por­tos vão sur­gir, e é fun­da­men­tal que a In­fra­e­ro es­te­ja pre­sen­te na vi­da do nos­so país”, dis­se Quin­tel­la.

Mi­nis­tro Mau­rí­cio Quin­tel­la: In­fra­e­ro é fun­da­men­tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.