Go­ver­no cor­re pe­la Pre­vi­dên­cia

Jornaldodia - - ECONOMIA -

O go­ver­no cor­re pa­ra ob­ter os vo­tos res­tan­tes pa­ra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. O Pla­nal­to já te­ria 280 vo­tos na Câ­ma­ra e ten­ta ob­ter mais 28 pa­ra ter pla­car mí­ni­mo ou 50 com mar­gem, se­gun­do fon­tes. On­tem, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer re­ce­beu os mi­nis­tros da Se­cre­ta­ria-Ge­ral, Mo­rei­ra Fran­co, e da Ca­sa Ci­vil, Eli­seu Pa­di­lha, pa­ra dis­cu­tir as chan­ces de apro­va­ção. Mo­rei­ra Fran­co dis­se que as chan­ces “são bo­as”. Hen­ri­que Mei­rel­les, Fa­zen­da, saiu na 5a-fei­ra das reu­niões com par­la­men­ta­res ten­tan­do mos­trar oti­mis­mo.

Te­mer: “Se não der, pa­ci­ên­cia”.

O pre­si­den­te Te­mer pa­re­ce con­ven­ci­do de que a pro­pos­ta da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia não de­ve ser apro­va­da “em to­do o con­jun­to”, mes­mo que de­si­dra­ta­da. Nas reu­niões em Bra­sí­lia, Te­mer ad­mi­tiu que se não der pa­ra apro­vá-la, “pa­ci­ên­cia”. Ape­sar do re­ca­do de que po­de­ria jo­gar a to­a­lha na apro­va­ção das mu­dan­ças pre­vi­den­ciá­ri­as, Te­mer e ali­a­dos vol­ta­ram a ne­go­ci­ar um tex­to que reú­na pon­tos con­si­de­ra­dos fun­da­men­tais pe­lo go­ver­no pa­ra não in­vi­a­bi­li­zar a Pre­vi­dên­cia no fu­tu­ro.

Shop­pings es­pe­ram au­men­to de 7% no Na­tal

Pes­qui­sa en­tre as­so­ci­a­dos da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Shop­ping Cen­ters (Abras­ce) apon­ta que a pre­vi­são do au­men­to de ven­das de Na­tal nes­te ano che­ga­rá a 7%, em re­la­ção às ven­das de 2016. O se­tor co­me­mo­ra, já quem em 2016 a am­pli­a­ção das ven­das no pe­río­do na­ta­li­no foi de ape­nas 0,3% so­bre 2015, ou se­ja, es­tag­na­ção. De acor­do com o le­van­ta­men­to, as ca­te­go­ri­as que de­vem ter mai­or in­fluên­cia no cres­ci­men­to das ven­das se­rão ves­tuá­rio, ele­tro­e­le­trô­ni­cos e cal­ça­dos. Co­mo re­sul­ta­do da pers­pec­ti­va de am­pli­a­ção no fa­tu­ra­men­to, os lo­jis­tas pre­ve­em al­ta de 5% nas con­tra­ta­ções tem­po­rá­ri­as.

EUA pre­o­cu­pam­se com cor­tes de impostos de Trump

For­te au­men­to do dé­fi­cit fe­de­ral dos EUA po­de com­pli­car a apro­va­ção de dois pro­je­tos de lei do pre­si­den­te Do­nal­do Trump pa­ra re­du­zir impostos. Na 6a-fei­ra, o Co­mi­tê pa­ra Um Or­ça­men­to Fe­de­ral Res­pon­sá­vel, or­ga­nis­mo de con­tro­le do or­ça­men­to não-par­ti­dá­rio de Washing­ton, qua­li­fi­cou o pla­no tri­bu­tá­rio re­pu­bli­ca­no do Se­na­do co­mo “fa­tal­men­te de­fei­tu­o­so”. Em dez anos, se­ria am­pli­a­do o dé­fi­cit anu­al e a dí­vi­da na­ci­o­nal. O gru­po de su­per­vi­são es­ti­mou que US$ 900 bi­lhões do au­men­to do dé­fi­cit fis­cal pro­je­ta­do vi­ri­am dos cor­tes de impostos às em­pre­sas.

Bre­xit: po­de não ha­ver acor­do.

“Não é mi­nha op­ção, mas é uma pos­si­bi­li­da­de”, dis­se on­tem o ne­go­ci­a­dor da União Eu­ro­peia (UE) pa­ra o Bre­xit, o fran­cês Mi­chel Bar­ni­er. Com is­so, ele não des­car­ta, por­tan­to, um fra­cas­so nas ne­go­ci­a­ções pa­ra a saí­da do Rei­no Uni­do do blo­co. O ne­go­ci­a­dor afir­mou que, na cú­pu­la de me­a­dos de de­zem­bro, de­vem ocor­rer acor­dos em di­ver­sos as­pec­tos, mas in­di­cou que, ape­sar de al­guns pro­gres­sos, ain­da não se po­de di­zer que ha­ve­rá um con­sen­so, por is­so ele não des­car­ta um adi­a­men­to do pra­zo.

Ven­das de Na­tal: ves­tuá­rio, ele­trô­ni­cos e cal­ça­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.