Agatha Mo­rei­ra

Malu - - Entrevista -

Re­a­ção do pú­bli­co “Es­tão com mui­to ódio da Do­mi­ti­la, gra­ças a Deus (ri­sos). A re­a­ção das pes­so­as tem si­do as­sim: ‘Eu odeio vo­cê, odeio a Do­mi­ti­la’. Só is­so que eu es­cu­to. Es­tou pre­pa­ra­da pa­ra le­var bol­sa­da a qual­quer ho­ra.” Quí­mi­ca com Caio Cas­tro “É um ca­sal mui­to quen­te, exis­te um fo­go da pai­xão. Acho que é um tra­ba­lho em con­jun­to co­mi­go, Le­tí­cia (Co­lin) e Caio, e is­so é bom pa­ra que o pú­bli­co acre­di­te e tor­ça pe­la Le­o­pol­di­na. Os dois são pes­so­as mui­to aber­tas e ti­ve­mos tro­ca de opi­niões mui­to bo­as, e is­so é meio ca­mi­nho an­da­do.” Tor­ci­da por Pe­dro e Do­mi­ti­la “Sin­to que a tor­ci­da vem dos fãs do Caio e Agatha (ri­sos). A tor­ci­da não é pe­lo ca­sal em si. A Le­o­pol­di­na é mui­to ca­ris­má­ti­ca e so­freu mui­to, tan­to na no­ve­la, co­mo na vi­da re­al. Na ver­da­de, a Do­mi­ti­la tam­bém so­freu na mão do Pe­dro, né? Coi­ta­da, foi uma ilu­di­da nes­sa his­tó­ria to­da.” Opi­nião da mãe “Mi­nha mãe acom­pa­nha pe­la in­ter­net por­que a no­ve­la pas­sa em um ho­rá­rio em que ela es­tá tra­ba­lhan­do, mas ela es­tá aman­do a no­ve­la. Até mes­mo al­guns ami­gos que não cos­tu­mam as­sis­tir à te­le­vi­são se apai­xo­na­ram pe­la no­ve­la, até por ser um ca­pí­tu­lo rá­pi­do. Eu as­sis­to um atrás do ou­tro igual sé­rie. Mi­nha mãe fa­la as­sim: ‘Es­sa Do­mi­ti­la é uma pi­lan­tra!’. Nem ela me de­fen­de (ri­sos).” Su­ces­so da per­so­na­gem “Os au­to­res es­ta­vam ani­ma­dos com a Do­mi­ti­la. Pen­sei: ‘se es­sa é que­ri­di­nha dos au­to­res, vai ser uma per­so­na­gem aben­ço­a­da’. Por ser uma per­so­na- gem que já exis­tiu de ver­da­de, me deu mais res­pon­sa­bi­li­da­de por­que ela é tão im­por­tan­te pa­ra nos­sa his­tó­ria qu­an­to pa­ra a no­ve­la.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.