La­ris­sa Bra­cher

A atriz fa­la so­bre sua per­so­na­gem em No­vo Mun­do e seus pro­je­tos te­a­trais

Malu - - Entrevista -

Vol­ta de Be­ne­di­ta

“Quan­do fui cha­ma­da pa­ra fa­zer a no­ve­la, era uma par­ti­ci­pa­ção de no má­xi­mo três me­ses, que aca­ba­ria na­que­la ce­na da Do­mi­ti­la (Agatha Mo­rei­ra) ex­pul­san­do a Be­ne­di­ta da­que­la for­ma vi­o­len­ta. Pa­ra mi­nha sur­pre­sa, a pro­du­to­ra de elen­co me li­gou di­zen­do que as pes­so­as pe­di­ram a vol­ta da per­so­na­gem. Acho que tem a ver com o de­se­jo que as pes­so­as têm de ver a Do­mi­ti­la se dan­do mal. Na his­tó­ria, a Be­ne­di­ta te­ve dois fi­lhos com Dom Pe­dro (Caio Cas­tro), e os au­to­res po­de­ri­am não que­rer abor­dar is­so, por­que eles fo­ram aman­tes mais ou me­nos na mes­ma épo­ca em que ele era aman­te da Do­mi­ti­la. O re­la­ci­o­na­men­to de­le com a Do­mi­ti­la fi­cou mais co­nhe­ci­do por­que ela gos­ta­va do sta­tus so­ci­al que is­so tra­zia pa­ra ela.”

Re­per­cus­são nas ru­as

“Es­sa no­ve­la tem uma coi­sa mui­to es­pe­ci­al. Gen­te de to­das as ida­des vem fa­lar co­mi­go. Meus pais não cos­tu­mam acom­pa­nhar novelas, mas ama­ram es­sa. Acho que a tra­ma pe­gou um pú­bli­co que não es­ta­va ha­bi­tu­a­do a as­sis­tir novelas, mas que se in­te­res­sa por his­tó­ria. Exis­te uma pes­qui­sa mui­to gran­de na cons­tru­ção de en­re­dos, fi­gu­ri­nos, é tu­do mui­to fi­de­dig­no.”

Pes­qui­sas so­bre Be­ne­di­ta

“Eu sou apai­xo­na­da por his­tó­ria. Tal­vez por ter pas­sa­do mi­nha vi­da toda em Ou­ro Pre­to, Mi­nas Ge­rais, nu­ma ca­sa on­de meus pais sem­pre pri­vi­le­gi­a­ram o co­nhe­ci­men­to da his­tó­ria. Sem­pre pes­qui­sei so­bre a vin­da da Fa­mí­lia Re­al, sem­pre fez par­te do meu vo­ca­bu­lá­rio, e com a Be­ne­di­ta fi­quei mais aten­ta à es­sa per­so­na­gem, ape­sar de não ter tan­ta coi­sa so­bre ela co­mo tem so­bre a ir­mã (Do­mi­ti­la).”

Te­a­tro

“Es­tou nu­ma pe­ça de qua­tro di­re­to­res de bas­tan­te pres­tí­gio no Rio. São qua­tro mo­nó­lo­gos, de qua­tro pes­so­as fa­lan­do so­bre a ques­tão LGBT e gê­ne­ro. Es­se for­ma­to já tem mui­to lá fo­ra, mo­nó­lo­gos de 20 mi­nu­tos nu­ma mes­ma pe­ça. É um te­ma bem de­li­ca­do, e eu fa­ço uma per­so­na­gem que nas­ceu ho­mem e, aos 26 anos, ade­quou o se­xo pa­ra mu­lher, vi­veu 10 anos co­mo mu­lher e de­pois dis­se: ‘eu não sou uma coi­sa nem ou­tra’. Ele ga­nhou o di­rei­to de ser a pri­mei­ra pes­soa no mun­do com gê­ne­ro X, não tem gê­ne­ro. Já tem vá­ri­as pes­so­as com gê­ne­ro X no mun­do, e o tan­to de gen­te que so­fre com es­sa dis­fo­ria cor­po­ral é enor­me. Es­se é o tra­ba­lho que per­ce­bo uma ra­zão so­ci­al de exis­tir.”

As­sas­si­na­to de LGBTs

“O Bra­sil é o país que mais ma­ta LGBTs no mun­do, e eles se ma­tam por­que não têm re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de. Ago­ra é que es­ta­mos fa­lan­do mais so­bre is­so. A ques­tão do trans­gê­ne­ro sem­pre exis­tiu, mas es­ta­va es­con­di­da na so­ci­e­da­de. Nes­ses es­tu­dos são co­mo se fos­se um tri­lho de trem, o la­do di­rei­to e o es­quer­do re­pre­sen­tan­do o gê­ne­ro mas­cu­li­no e fe­mi­ni­no tra­di­ci­o­nais e, no meio, um in­fi­ni­to de ou­tras coi­sas. O Pa­quis­tão já tem 38 clas­si­fi­ca­ções de gê­ne­ro. Tem trans que de­tes­ta ho­mos­se­xu­al mas­cu­li­no, tem trans ca­sa­do com mu­lher, tem o ti­po ‘ma­cho al­fa’ que gos­ta de ter re­la­ci­o­na­men­to com ho­mens... Aqui no Bra­sil, quan­do al­guém quer fa­zer a tran­si­ção, tem que se con­sul­tar com um psi­qui­a­tra pa­ra dar iní­cio ao pro­ces­so. Lá fo­ra eles en­xer­gam co­mo ques­tão hor­mo­nal, en­tão, o pri­mei­ro pas­so é pas­sar por um en­dó­cri­no.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.