“Co­mo so­ci­a­li­zar um cão adul­to me­dro­so?”

Malu - - Meu Pet, Minha Vida - Mar­cos Edu­ar­do Fer­nan­des, mé­di­co ve­te­ri­ná­rio ho­me­o­pa­ta, psi­ca­na­lis­ta e mes­tre em saú­de pú­bli­ca pe­la USP. Si­te www.dr­mar­cos­fer­na­des.com.br Man­de sua per­gun­ta ou su­ges­tão pa­ra ma­lu@as­tral.com.br

• De­pen­de do grau do me­do. Po­de ser ape­nas um me­do dis­cre­to e su­a­ve, até um pâ­ni­co ex­tre­mo.

• Pa­ra ca­da gra­du­a­ção des­sa emo­ção, uti­li­za­mos um ti­po de tra­ta­men­to, des­de a ho­me­o­pa­tia e a te­ra­pia flo­ral até me­di­ca­men­tos alo­pá­ti­cos.

• Den­tre os mais co­muns, te­mos: me­dos de chu­va, tro­vão, pes­so­as es­tra­nhas, ou­tros ani­mais, de es­cu­ro e ba­ru­lhos (in­ter­fo­ne, te­le­fo­ne etc).

• Nor­mal­men­te ani­mais mui­to me­dro­sos es­tão re­la­ci­o­na­dos ao(s) tu­tor(es) me­dro­so(s) tam­bém, pois, co­mo bem diz o di­ta­do, “Ca­ra de um fo­ci­nho do ou­tro”. Ou se­ja, é mui­to co­mum os cães que con­vi­vem in­ti­ma­men­te com os seus do­nos de­sen­vol­vam ca­rac­te­rís­ti­cas de per­so­na­li­da­de, tem­pe­ra­men­to ou há­bi­tos.

• Des­sa for­ma, é im­por­tan­te es­cla­re­cer aos tu­to­res ou as pes­so­as que con­vi­vem com o ani­mal a bus­car uma te­ra­pia pa­ra tra­ta­men­to. Mui­tas ve­zes, o do­no não re­co­nhe­ce es­ta re­la­ção, pois na gran­de mai­o­ria das ve­zes o ani­mal cap­ta os me­dos que es­tão lo­ca­li­za­dos no in­cons­ci­en­te do do­no. Es­ta re­la­ção de se­me­lhan­ça é vi­são no­va e mui­to in­te­res­san­te!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.