A no­va me­lhor ida­de

Betty Fa­ria, aos 76 anos, é re­pre­sen­tan­te des­sa ge­ra­ção cheia de ener­gia

Malu - - Nossa Capa -

Betty Fa­ria tem 76 anos e mui­ta ex­pe­ri­ên­cia de vi­da! Atu­al­men­te, ela es­tá no ar na no­ve­la A For­ça do Que­rer, co­mo El­vi­ri­nha, que di­ver­te os te­les­pec­ta­do­res com seu ca­ris­ma e bom-hu­mor. Fo­ra da te­li­nha ela tam­bém dá um show de oti­mis­mo. Em­bo­ra acre­di­te que a me­lhor ida­de te­nha su­as do­res, ela afir­ma que es­tá con­ten­te pe­lo mo­men­to atu­al. “Pa­ra mim, o bom é es­sa li­ber­da­de louca, que eu sem­pre per­se­gui. A cor do meu ca­be­lo é na­tu­ral. Todo dia acor­do e agra­de­ço por es­tar vi­va”, con­tou. A psi­có­lo­ga Li­zan­dra Ari­ta co­men­ta que is­so é re­fle­xo do no­vo mo­men­to das mu­lhe­res, que ago­ra “es­tu­dam, tra­ba­lham fo­ra e que­rem se re­a­li­zar pro­fis­si­o­nal­men­te, bus­can­do car­gos e pro­je­ção fi­nan­cei­ra no mer­ca­do de tra­ba­lho”. Sai­ba mais so­bre a im­por­tân­cia de se man­ter ati­va na ter­cei­ra ida­de e con­quis­tar qua­li­da­de de vi­da!

Mui­tas mu­dan­ças

“A ma­tu­ri­da­de de dez anos atrás não é a mes­ma ma­tu­ri­da­de de ho­je. Atu­al­men­te, ido­sos não po­dem mais ser cha­ma­dos de ido­sos, com a car­ga pe­sa­da que o ter­mo tem. Pes­so­as a par­tir de 60 anos são ati­vas, bem dis­pos­tas, re­a­li­za­das pro­fis­si­o­nal­men­te, mui­tas ain­da tra­ba­lham fo­ra, mes­mo já ten­do se apo­sen­ta­do le­gal­men­te. Foi-se o tempo em que vo­vós fi­ca­vam em ca­sa cui­dan­do dos ne­tos. Mui­tas avós, in­clu­si­ve, têm tan­tas ati­vi­da­des que não es­tão mais à dis­po­si­ção de seus fi­lhos pa­ra fi­car em ca­sa e cui­dar dos ne­tos.”

Man­ter-se co­nec­ta­da é fun­da­men­tal

“Não tem ou­tra for­ma, se­não a vi­da vai fi­car mui­to com­pli­ca­da. Vi­ve­mos tem­pos em que a tec­no­lo­gia che­gou com for­ça to­tal em vá­ri­os as­pec­tos da vi­da e adap­tar­se a es­sas ten­dên­ci­as faz par­te de coi­sas bá­si­cas do nos­so co­ti­di­a­no. Por exem­plo, já não exis­tem mais tan­tos fun­ci­o­ná­ri­os nos ban­cos. Qua­se tu­do é fei­to on-li­ne. Mui­tos cur­sos são mi­nis­tra­dos ape­nas pe­la in­ter­net. Acom­pa­nhar a vi­da es­co­lar de um ne­to, por exem­plo, uma coi­sa su­per sim­ples e fá­cil, fi­ca com­pro­me­ti­da se não se sa­be ma­ne­jar os mei­os di­gi­tais. Ou se­ja, a fun­ção das pes­so­as, en­quan­to pro­fis­si­o­nais, en­quan­to ci­da­dãs, pas­sa pe­la no­vas tec­no­lo­gi­as. Man­ter-se co­nec­ta­da não é ape­nas um ca­pri­cho, é uma ne­ces­si­da­de!”

Não te­nha me­do de pe­dir aju­da

“É in­te­res­san­te in­ves­tir num pro­fes­sor pa­ra man­ter-se co­nec­ta­da. Tal­vez, uma vez por semana ter um ho­rá­rio es­ta­be­le­ci­do pa­ra ter au­las de in­for­má­ti­ca, de co­mo tra­ba­lhar com o no­te­bo­ok, de co­mo na­ve­gar pe­la in­ter­net, de co­mo fa­zer ins­cri­ções on-li­ne, de co­mo com­prar no am­bi­en­te di­gi­tal... Es­sas coi­sas que pa­ra as ge­ra­ções mais no­vas são co­muns pois eles na­ti­vos di­gi­tais, pa­ra ge­ra­ções pas­sa­das são ne­ces­sá­ri­os em­pe­nhos mai­o­res pa­ra apren­di­za­do.”

Se­ja fle­xí­vel

“Acho vá­li­do fa­lar que as pes­so­as que mais so­frem com as mu­dan­ças são aque­las que acham que sa­bem tu­do, que sa­bem a sua for­ma e não são fle­xí­veis a mu­dar, se­ja de ideia, de com­por­ta­men­to, de as­su­mir que pre­ci­sam apren­der al­go no­vo. ‘Eu pen­so as­sim e vou mor­rer as­sim’. ‘Eu to­mei uma de­ci­são, es­tá to­ma­da e eu não vou mu­dar nun­ca’. Es­se ti­po de afir­ma­ção já fi­cou no pas­sa­do. Vi­ve­mos ou­tros tem­pos, em que as coi­sas po­dem ser re­vis­tas, re­vis­ta­das, re­con­si­de­ra­das. To­ma­mos uma ati­tu­de, mas da­qui cin­co mi­nu­tos po­de­mos mu­dar a ro­ta, sim! Na­da é tão du­ro e in­fle­xí­vel as­sim. An­ti­ga­men­te, per­ce­bo que de­mo­ra­va mais tempo pra gen­te mu­dar de opi­nião, um va­lor ou uma cren­ça. Já ho­je, as coi­sas mu­dam com tan­ta fa­ci­li­da­de, que pre­ci­sa­mos ter es­sa fle­xi­bi­li­da­de pa­ra mu­dar na ve­lo­ci­da­de com o que mun­do mu­da.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.