Man­da­men­tos de uma qua­se mãe

Malu - - Filhos -

1. Pa­re de ten­tar quan­do es­ti­ver in­su­por­tá­vel. Vo­cê sa­be seu li­mi­te.

2. Se al­guém te pres­si­o­nar pa­ra en­gra­vi­dar, dê uma des­cul­pa bo­ba pa­ra a pes­soa per­ce­ber que es­tá sen­do in­va­si­va, co­mo “não que­ro ter fi­lhos por­que gos­to de dor­mir”. E dê uma ri­sa­da irô­ni­ca. 3. Não abra mão do que faz vo­cê fe­liz: seu tra­ba­lho, mú­si­cas que

vo­cê ama ou­vir, mo­men­tos com seu ma­ri­do, uma mas­sa­gem re­la­xan­te...

4. Não con­fie em qual­quer fon­te, de­poi­men­to, si­te, mé­di­co. Pes­qui­se, ou­ça vá­ri­as opi­niões pro­fis­si­o­nais.

5. Se o gi­ne­co­lo­gis­ta não tem um di­ag­nós­ti­co pa­ra vo­cê, não de­sis­ta. Pro­cu­re um nu­tró­lo­go,

ou um en­do­cri­no­lo­gis­ta. Às ve­zes, sua res­pos­ta es­tá lá. 6. Vo­cê é lin­da, in­te­li­gen­te e tem va­lor, en­gra­vi­dan­do ou não.

7. Não se for­ce a ir em chás de be­bê, ba­ti­za­dos, ani­ver­sá­ri­os de um ano. Se a mãe for sua ami­ga de ver­da­de, ela vai en­ten­der. 8. Se vo­cê fez um tra­ta­men­to e

deu er­ra­do, cho­re. As­sis­ta a um fil­me bem dra­má­ti­co e dei­xe as lá­gri­mas la­va­rem a al­ma.

9. Não fa­ça os tra­ta­men­tos sem con­tar pa­ra nin­guém. É bom ter uma ami­ga pa­ra qu­em cho­rar quan­do al­go der er­ra­do.

10. Não he­si­te em pe­dir aju­da: flo­rais, acu­pun­tu­ra, psi­có­lo­go... Não é ver­go­nha ne­nhu­ma!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.