Vo­cê co­nhe­ce al­gu­ma Ire­ne?

Sai­ba iden­ti­fi­car os si­nais de psi­co­pa­tia, co­mo os que apre­sen­ta a per­so­na­gem da no­ve­la das no­ve

Malu - - Comportamento -

I re­ne, per­so­na­gem de Dé­bo­ra Fa­la­bel­la em A

For­ça do Que­rer, tem um com­por­ta­men­to as­sus­ta­dor: ela pas­sa por ci­ma de tu­do e de to­dos pa­ra che­gar on­de de­se­ja. Se­gun­do o mé­di­co Ro­ber­to Debs­ki, is­so é ca­rac­te­rís­ti­ca de pes­so­as com ten­dên­cia, ps­ci­o­pa­tas que “não se in­dig­nam com de­li­tos e atos imo­rais, não se pre­o­cu­pam com as con­sequên­ci­as de seus atos so­bre as ou­tras pes­so­as e a so­ci­e­da­de, tem me­nos me­do de pu­ni­ções e não ve­em pro­ble­mas em vi­o­lar re­gras”. Sai­ba co­mo iden­ti­fi­car e aju­dar pes­so­as as­sim!

Co­mo iden­ti­fi­car?

“Es­sas pes­so­as são, ge­ral­men­te, in­te­li­gen­tes e se­du­to­ras, des­ta­can­do-se em al­tas po­si­ções nas vá­ri­as ins­ti­tui­ções da so­ci­e­da­de. Num pri­mei­ro mo­men­to, não con­se­gui­mos iden­ti­fi­car os psi­co­pa­tas, pois fa­rão o pos­sí­vel pa­ra não se re­ve­lar. So­men­te com o con­ví­vio e o tes­te­mu­nho das ati­tu­des co­ti­di­a­nas é que se­rá pos­sí­vel iden­ti­fi­cá-los. Pes­qui­sas de­mons­tram que o cé­re­bro de pes­so­as com es­se per­fil po­de ter ca­rac­te­rís­ti­cas dis­tin­tas do cé­re­bro de pes­so­as co­muns, pois apre­sen­tam fa­lhas na re­gião do cór­tex pré-fron­tal, le­sões es­tas se­me­lhan­tes com le­sões de as­sas­si­nos e tam­bém de cor­rup­tos, em­bo­ra em graus di­ver­sos.”

Ati­tu­des pa­ra fi­car de olho

1. Os psi­co­pa­tas adul­tos não apre­sen­tam in­dig­na­ção com cri­mes, in­jus­ti­ças nem fal­ta de éti­ca, e não apre­sen­tam preo- cu­pa­ção com as con­sequên­ci­as de seus atos so­bre ou­tros nem pa­ra a so­ci­e­da­de.

2. Não apre­sen­tam ques­ti­o­na­men­tos in­ter­nos quan­do vi­o­lam re­gras, não de­mons­tram em­pa­tia e apa­ren­tam não di­fe­ren­ci­ar o cer­to do er­ra­do.

3. Ge­ral­men­te são mui­to in­te­li­gen­tes e gal­gam pos­tos de po­der em di­ver­sas ins­ti­tui­ções na so­ci­e­da­de.

4. Há de­fi­ci­ên­ci­as de ca­rá­ter, co­mo me­ga­lo­ma­nia ou su­pe­ri­o­ri­da­de, au­sên­cia de cul­pa e de em­pa­tia e com­por­ta­men­tos im­pul­si­vos e, por ve­zes, cri­mi­no­sos.

5. O cé­re­bro dos psi­co­pa­tas tem uma me­nor co­ne­xão en­tre as re­giões emo­ci­o­nais e mo­rais do cé­re­bro, en­tão, eles agem sem com­pai­xão, não tem me­do de con­sequên­ci­as por su­as ati­tu­des nem pre­o­cu­pa­ção pe­lo bem es­tar dos ou­tros, o que acar­re­ta al­te­ra­ções no mo­do co­mo se so­ci­a­li­zam.

Co­mo aju­dar?

“O que uma pes­soa que con­vi­ve com um psi­co­pa­ta de­ve fa­zer, se não for pos­sí­vel se afas­tar, é cui­dar pa­ra que não se­ja pre­ju­di­ca­da no re­la­ci­o­na­men­to, dar li­mi­tes, se po­si­ci­o­nar con­tra ati­tu­des que pos­sam ser ma­lé­fi­cas. Se a pes­soa psi­co­pa­ta qui­ser ser aju­da­da, o en­ca­mi­nha­men­to pa­ra pro­fis­si­o­nais da área de saú­de men­tal, co­mo o psi­qui­a­tra e psi­có­lo­go, po­de abrir ca­mi­nho pa­ra um tra­ta­men­to que equi­li­bre as ten­dên­ci­as de com­por­ta­men­to e os im­pul­sos e au­xi­lie na me­lho­ra do con­ví­vio so­ci­al.”

ci­ma de tu­do e to­dos pa­ra se dar bem Ela não apre­sen­ta sen­so de jus­ti­ça e pas­sa por

con­se­guir o que de­se­ja be­le­za pa­ra se­du­zir e A per­so­na­gem usa sua

pe­las mal­da­des que faz Ire­ne não se sen­te cul­pa­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.