Zo­o­te­ra­pia

Malu - - Meu Pet, Minha Vida - Mar­cos Edu­ar­do Fer­nan­des, mé­di­co ve­te­ri­ná­rio ho­me­o­pa­ta, psi­ca­na­lis­ta e mestre em saú­de pú­bli­ca pe­la USP. Si­te www.dr­mar­cos­fer­na­des.com.br

Ela con­sis­te em uma te­ra­pia com a pre­sen­ça de ani­mais e bus­ca pro­mo­ver no pa­ci­en­te es­tí­mu­lo ao to­que pa­ra des­per­tar sua sen­si­bi­li­da­de tá­til ou até mes­mo re­a­ções psi­co­ló­gi­cas e emo­ci­o­nais.

Os tra­ta­men­tos zo­o­te­ra­pêu­ti­cos po­dem ser uti­li­za­dos em crianças, ido­sos, e pes­so­as que apre­sen­tam ou não al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia.

Na zo­o­te­ra­pia, quan­do são uti­li­za­dos cães, a te­ra­pia as­sis­ti­da é de­no­mi­na­da de ci­no­te­ra­pia, en­quan­to a por equi­nos é a equo­te­ra­pia ou hi­po­te­ra­pia.

A te­ra­pia fun­ci­o­na por meio do con­ta­to di­re­to com o ani­mal. Qu­an­to mais a pes­soa sen­tir em­pa­tia por ani­mais, mais se­rá be­ne­fi­ci­a­da por ela.

En­tre os be­ne­fí­ci­os da in­te­ra­ção en­tre hu­ma­nos e ani­mais, des­ta­cam-se a re­du­ção no tem­po de re­cu­pe­ra­ção das do­en­ças e a mai­or so­bre­vi­da dos pa­ci­en­tes aco­me­ti­dos de do­en­ças do co­ra­ção, sen­do que ocor­re uma re­du­ção da an­si­e­da­de e di­mi­nui­ção da de­pres­são. Até mes­mo co­mo es­tí­mu­lo con­tra o se­den­ta­ris­mo, a pre­sen­ça do ani­mal é im­por­tan­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.