Que ta­len­to!

No ar co­mo a vi­lã Lau­re­ta, em Se­gun­do Sol, Adri­a­na Esteves é só sor­ri­sos!

Malu - - Nossa capa -

Se vo­cê é uma no­ve­lei­ra de plan­tão igual a gen­te, com cer­te­za já sen­tiu rai­va de Lau­re­ta, a mal­do­sa ca­fe­ti­na de Se­gun­do Sol. Is­so é re­sul­ta­do da be­lís­si­ma atu­a­ção de Adri­a­na Esteves, que, mais uma vez, pro­va que tem ta­len­to para dar e ven­der. Ma­lu ba­teu um pa­po des­con­traí­do com ela para saber mais so­bre o mo­men­to que es­tá vi­ven­do. E já adi­an­ta­mos: ela es­tá mais re­a­li­za­da do que nun­ca!

Co­mo é para vo­cê tra­ba­lhar no­va­men­te com o João Ema­nu­el Carneiro, au­tor que te deu de pre­sen­te a Car­mi­nha, uma per­so­na­gem que mar­cou sua carreira?

“Eu fi­co mui­to fe­liz de tra­ba­lhar com ele por­que te­nho ad­mi­ra­ção pe­la for­ma co­mo ele es­cre­ve no­ve­las. Ave­ni­da Brasil foi uma das coi­sas mais sen­sa­ci­o­nais da mi­nha tra­je­tó­ria mesmo com 30 anos de pro­fis­são. O tex­to de Se­gun­do Sol só re­a­fir­ma para mim o mes­tre que ele é.”

Quais cui­da­dos vo­cê to­ma para que seu corpo per­ce­ba que aque­las emo­ções vi­vi­das pe­la per­so­na­gem são cê­ni­cas?

“Sou mui­to cui­da­do­sa qu­an­do es­tou tra­ba­lhan­do, aliás, não só qu­an­do es­tou tra­ba­lhan­do. Cui­do do meu corpo e me sin­to uma atle­ta. Te­mos que ter fô­le­go e dis­po­si­ção para tra­ba­lhar tan­tas ho­ras por dia e de­co­rar tex­tos, en­tão to­mo con­ta do meu so­no, da mi­nha di­e­ta e fa­ço meu exer­cí­cio fí­si­co. Meu corpo pre­ci­sa estar pre­pa­ra­do e mi­nha men­te estar em paz para cor­res­pon­der ao vo­lu­me de tra­ba­lho que te­nho.”

Co­mo vo­cê é no tra­ba­lho?

“Sou de­di­ca­da, res­pon­sá­vel, mas não gos­to da pa­la­vra per­fec­ci­o­nis­mo por­que na ar­te não exis­te per­fei­ção. Te­nho uma pai­xão e pra­zer imen­so pe­lo que fa­ço, acho que sou bas­tan­te cui­da­do­sa e não me con­ten­to com pou­co. Que­ro fa­zer bem-fei­to, por­que amo es­se tra­ba­lho.”

Vo­cê e o Vla­di­mir con­ver­sam so­bre tra­ba­lho em ca­sa?

“Con­ver­sa­mos. Fa­zen­do a mesma no­ve­la, en­tão, tu­do o que a gen­te vê em ca­sa nos ins­pi­ra para a tra­ma. E es­tá sen­do mui­to gos­to­so. Es­tou com ele há 14 anos e, por is­so, dá uma sen­sa­ção gos­to­sa de es­tar­mos sen­do cri­a­ti­vos juntos.”

O que es­sa per­so­na­gem tem para ser hu­ma­ni­za­da?

“Mui­ta coi­sa. É uma mulher com um pas­sa­do mis­te­ri­o­so. Ela se emo­ci­o­na, tem su­as do­res, so­fri­men­tos, é guer­rei­ra tam­bém. Mulher nun­ca é sim­ples, é sem­pre al­go com­ple­xo. Lau­re­ta é cheia de con­fli­tos e ques­tões. Mi­nha pre­o­cu­pa­ção é con­tar a his­tó­ria do que es­sa mulher sen­te so­bre uma série de coi­sas.”

Co­mo faz para man­ter o bron­ze­a­do?

“Eu gos­to mui­to de to­mar sol, pre­ci­so de sol. Mas me pre­o­cu­po em usar pro­te­tor so­lar e, de­pen­den­do do horário, uso do mais fra­qui­nho ao mais for­te.”

Vo­cê tem re­de so­ci­al?

“Não te­nho nada, nem pla­nos em ter, mas co­mo tu­do po­de mu­dar a qual­quer mo­men­to, po­de ser que ama­nhã eu pi­re e acor­de de ma­nhã com um Ins­ta­gram (ri­sos). Meus três fi­lhos têm, mas eles usam de uma ma­nei­ra que acho mui­to le­gal, não são lou­cos por is­so, nem fa­zem disso um diá­rio. Não sei se eu con­se­gui­ria fa­zer des­sa for­ma, por is­so eu não te­nho ain­da.”

Vo­cê se sen­te mais ma­du­ra, mais se­gu­ra e mais bo­ni­ta ago­ra do que no iní­cio da carreira?

“Eu me sin­to mais ma­du­ra com cer­te­za, os ou­tros ‘mais’ não sei (ri­sos).”

Co­ra­ção de Es­tu­dan­te foi a pri­mei­ra no­ve­la que o ca­sal in­ter­pre­tou jun­to. Um ano de­pois, eles as­su­mi­ram o re­la­ci­o­na­men­to.

Ao la­do de Fe­li­pe, seu filho mais ve­lho, fru­to do seu re­la­ci­o­na­men­to com Mar­co Ric­ca

Adri­a­na e Vla­di­mir tro­cam idei­as so­bre a tra­ma, mesmo após o horário de tra­ba­lho.

Caminhar na praia é uma das ati­vi­da­des pre­fe­ri­das da atriz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.