Quan­do o cor­po se ata­ca

Co­nhe­ça a sín­dro­me au­toi­mu­ne que afe­ta Ro­chel­le em Se­gun­do Sol

Malu - - Saúde -

Na re­ta fi­nal da tra­ma das no­ve, a per­so­na­gem Ro­chel­le (Gi­o­van­na Lan­cel­lot­ti) re­ce­beu uma no­tí­cia as­sus­ta­do­ra: ela es­tá com Sín­dro­me de Guil­lain-Bar­ré (SGB). O no­me com­pli­ca­do se re­fe­re a uma do­en­ça au­toi­mu­ne, que é quan­do o sis­te­ma de de­fe­sa ata­ca o pró­prio cor­po – nes­te ca­so, afe­tan­do o sis­te­ma ner­vo­so. Pa­ra ex­pli­car me­lhor o pro­ble­ma, con­ver­sa­mos com Mar­con­des Fran­ça, neu­ro­lo­gis­ta e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Cam­pi­nas (Uni­camp).

Co­mo sur­ge

A SGB é uma con­di­ção ra­ra, agu­da e gra­ve de­sen­ca­de­a­da pe­lo sis­te­ma imu­no­ló­gi­co. Se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), pes­so­as de to­das as ida­des po­dem ser afe­ta­das, mas o pro­ble­ma é mais co­mum em adul­tos e em ho­mens. A sín­dro­me tem es­tá­gi­os de pro­gres­são que va­ri­am en­tre du­as a qua­tro se­ma­nas e qua­se a me­ta­de dos pa­ci­en­tes co­me­çam a res­pon­der ao tra­ta­men­to a par­tir da se­gun­da se­ma­na. As cau­sas da do­en­ça ain­da não são to­tal­men­te co­nhe­ci­das, mas sa­be-se que in­clu­em in­fec­ções co­mo in­flu­en­za e zi­ka ví­rus, ci­rur­gi­as ou tu­mo­res, que pro­vo­cam uma res­pos­ta imu­no­ló­gi­ca exa­ge­ra­da con­tra os ner­vos pe­ri­fé­ri­cos e su­as raí­zes es­pi­nhais. “Ela po­de apa­re­cer quan­do as de­fe­sas do or­ga­nis­mo são mais in­ten­sas do que o ne­ces­sá­rio pa­ra aca­bar com uma in­fec­ção e pas­sam a ata­car os ner­vos pe­ri­fé­ri­cos do pró­prio cor­po, cau­san­do sin­to­mas va­ri­a­dos”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta.

Sin­to­mas

A sín­dro­me po­de afe­tar os ner­vos que con­tro­lam o mo­vi­men­to dos mús­cu­los. “As le­sões ner­vo­sas le­vam a com­pli­ca­ções pro­gres­si­vas, que po­dem com­pro­me­ter a res­pi­ra­ção, di­fi­cul­da­de de de­glu­ti­ção e cau­sar ou­tros pro­ble­mas co­mo in­fec­ções do san­gue, trom­bo­se ve­no­sa pro­fun­da, coá­gu­los pul­mo­na­res ou pa­ra­das car­día­cas”, com­ple­men­ta Fran­ça. Os prin­ci­pais sin­to­mas são fra­que­za pro­gres­si­va e dor­mên­cia, sen­do es­tes co­muns a to­dos os pa­ci­en­tes. “No en­tan­to, exis­tem sub­ti­pos. Por is­so a Guil­lain-Bar­ré é ca­rac­te­ri­za­da co­mo sín­dro­me, e não do­en­ça. Ape­sar de o fa­tor de­sen­ca­de­an­te ser uma in­fec­ção, os sin­to­mas e as cau­sas va­ri­am”, ex­pli­ca. De acor­do com a OMS, a ta­xa de mor­ta­li­da­de es­tá en­tre 3% e 5% e a in­ci­dên­cia va­ria de 0,6 até 2,4 pes­so­as a ca­da 100 mil, sen­do mai­or em re­giões em que há mais ex­po­si­ção a in­fec­ções.

Tra­ta­men­to

Os pa­ci­en­tes de­vem fi­car hos­pi­ta­li­za­dos pa­ra acom­pa­nha­men­to e me­di­ca­ção dos sin­to­mas. Ain­da não exis­te cu­ra pa­ra a sín­dro­me, po­rém, há gran­de fo­co no de­sen­vol­vi­men­to de exa­mes que agi­li­zem o di­ag­nós­ti­co, já que o tra­ta­men­to é mais efi­caz quan­do ini­ci­a­do até 14 di­as após o sur­gi­men­to dos sin­to­mas. Os cui­da­dos de apoio in­clu­em mo­ni­to­ri­za­ção da res­pi­ra­ção, frequên­cia car­día­ca e pres­são ar­te­ri­al. Co­mo o pro­ble­ma é au­to­mi­mu­ne, a sua fa­se agu­da é nor­mal­men­te tra­ta­da com imu­no­te­ra­pia, co­mo a tro­ca de plas­ma pa­ra re­mo­ver an­ti­cor­pos do san­gue. De acor­do com a OMS, em ca­so de per­sis­tên­cia de fra­que­za mus­cu­lar após a fa­se agu­da da do­en­ça, os pa­ci­en­tes po­dem pre­ci­sar de ser­vi­ços de re­a­bi­li­ta­ção pa­ra re­for­çar os mús­cu­los e re­cu­pe­ra­rem os mo­vi­men­tos.

A OMS in­for­ma que a mai­o­ria dos pa­ci­en­tes se re­cu­pe­ra to­tal­men­te do pro­ble­ma, sen­do que a ta­xa de mor­ta­li­da­de é de 4%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.