Di­cas de ou­ro

Malu - - Relacionamento -

As es­pe­ci­a­lis­tas dão al­gu­mas ori­en­ta­ções so­bre o que fa­zer pa­ra ga­ran­tir uma boa con­vi­vên­cia e evi­tar con­fli­tos.

• Ca­sal uni­do: os pro­ble­mas com a fa­mí­lia de ori­gem, se­ja com a so­gra, so­gro ou cu­nha­dos, é do ca­sal. Por­tan­to, é pre­ci­so par­tir des­sa pre­mis­sa pa­ra pen­sar em so­lu­ções em con­jun­to.

• Fa­le dos seus sen­ti­men­tos: se vo­cê es­tá pas­san­do por al­gum pro­ble­ma com a so­gra ou ou­tro

pa­ren­te, fa­le aber­ta­men­te com o par, mas fa­le co­mo vo­cê se sen­te sem ata­car a pes­soa. Exem­plo: “eu me sin­to cha­te­a­da quan­do sua mãe diz is­so ou faz aqui­lo...”. Afi­nal, mãe é mãe.

• En­ten­da as di­fe­ren­ças: o ca­sa­men­to en­vol­ve a união de du­as pes­so­as cri­a­das sob di­fe­ren­tes va­lo­res. O que é nor­mal pa­ra uma fa­mí­lia, po­de não ser pa­ra a ou­tra. Mas lem­bre-se que o ca­sa­men­to é a cons­tru­ção de uma no­va fa­mí­lia, com no­vos va­lo­res e com

uma no­va iden­ti­da­de, for­ma­da pe­lo ca­sal.

• O com­bi­na­do não sai ca­ro: dei­xe cla­ro pa­ra as fa­mí­li­as de ori­gem quais são os li­mi­tes da in­ter­fe­rên­cia acei­tos pe­lo ca­sal.

• Pen­se nas cri­an­ças: ca­so vo­cês te­nham fi­lhos, pro­cu­re não pri­vá-los da con­vi­vên­cia com com os avós, ti­os, ti­as, pri­mos e pri­mas. Is­so é mui­to im­por­tan­te na cons­tru­ção da iden­ti­da­de da cri­an­ça, da per­so­na­li­da­de e da his­tó­ria da fa­mí­lia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.