Tran­si­ção sem trau­mas

Tru­ques in­fa­lí­veis pa­ra não de­sis­tir de vol­tar aos fi­os na­tu­rais

Malu - - Cabelos -

Ayou­tu­ber e atriz Ké­fe­ra Bu­ch­mann, que es­tá atu­al­men­te na tra­ma das seis, Es­pe­lho da Vi­da, re­cor­reu à tran­si­ção ca­pi­lar. “Es­tou con­fu­sa, mas es­tou gos­tan­do e ten­tan­do me acos­tu­mar ao meu na­tu­ral de no­vo. Es­pe­ro que es­se post sir­va de ins­pi­ra­ção e dê es­pe­ran­ça as me­ni­nas que es­tão co­gi­tan­do a tran­si­ção”, es­cre­veu no Ins­ta­gram na épo­ca. Ela é ape­nas uma de mui­tas mu­lhe­res que de­ci­dem re­ti­rar a quí­mi­ca dos ca­be­los e as­su­mir os ca­chos. O pro­ce­di­men­to se cha­ma tran­si­ção ca­pi­lar, po­rém, nem sem­pre é rá­pi­do. Du­ran­te o pro­ces­so, os fi­os as­su­mem di­ver­sas tex­tu­ras até en­fim fi­ca­rem li­vres do ali­sa­men­to. Pen­san­do nis­so, Ma­lu ba­teu um pa­po com a hairsty­list Da­ni­e­la Al­bu­quer­que, do Jac­ques Ja­ni­ne Fashi­on Mall, que en­si­na a pas­sar por es­sa fa­se sem neu­ra!

Pen­te­a­dos que dão cer­to

“In­di­co um ra­bo de ca­va­lo al­to que é sem­pre ele­gan­te e va­le pa­ra qu­al­quer oca­sião; um co­que do­nut ( da­que­le bem cheio no to­po da ca­be­ça) ou uma tran­ça co­mum”, co­men­ta Da­ni­e­la, que tam­bém su­ge­re pro­du­ti­nhos es­pe­ci­ais pa­ra es­se mo­men­to: “um bom fi­na­li­za­dor, más­ca­ra re­cons­tru­to­ra e sham­poo e con­di­ci­o­na­dor de qu­a­li­da­de, já que os fi­os ten­dem a fi­car mais frá­geis”.

Dis­far­çan­do a raiz...

“Mui­tas pes­so­as cor­tam os fi­os no es­ti­lo short bob ou joão­zi­nho pa­ra se li­vrar da par­te ali­sa­da. Mas is­to de­pen­de mui­to da pre­fe­rên­cia de ca­da um. Ou­tras op­tam por usar o se­ca­dor na raiz en­quan­to ela es­tá en­cres­pa­da e o res­tan­te ain­da es­tá li­so. Há ain­da quem se ren­da a len­ços, ra­bos e tran­ças pa­ra dis­far­çar, pois são sem­pre bem- vin­dos”, co­men­ta.

E o baby­liss?

“O mais in­di­ca­do é que os fi­os fi­quem li­vres de quí­mi­cas e fer­ra­men­tas tér­mi­cas, po­rém, não há uma re­gra e ca­da um de­ve fa­zer o que se sen­te me­lhor. A ques­tão é que mui­tas ve­zes os ca­chos não são bem de­fi­ni­dos qu­an­to o baby­liss, por­tan­to, não fi­ca­rá ne­ces­sa­ri­a­men­te igual”, ori­en­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.