Uma ques­tão de de­sa­pe­go

Malu - - Índice -

Cer­ta vez, ou­vi que so­fre­mos tan­to com a mor­te de pes­so­as que­ri­das por­que não con­se­gui­mos de­sa­pe­gar do ma­te­ri­al. Acho que is­so é pos­sí­vel, mes­mo. Quan­do al­guém se vai, é o cor­po e a pre­sen­ça fí­si­ca que não es­tão mais co­nos­co. O amor, a li­ga­ção e as lem­bran­ças per­ma­ne­cem e na­da po­de apa­gá-las. Co­mo diz a sa­be­do­ria po­pu­lar, a úni­ca cer­te­za que te­mos na vi­da é a de que va­mos mor­rer. Mas por que, en­tão, nun­ca es­ta­mos pre­pa­ra­dos? O lu­to é um mo­men­to mui­to di­fí­cil e de­li­ca­do e ca­da pes­soa re­a­ge a ele de uma for­ma di­fe­ren­te. Por is­so, é pre­ci­so res­pei­tar o tem­po e o com­por­ta­men­to in­di­vi­du­al. Se vo­cê pas­sou por uma per­da e es­tá so­fren­do com is­so, ve­ja nos­sa ma­té­ria na pá­gi­na 19. Con­ver­sa­mos com uma es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra aju­dar vo­cê a ali­vi­ar es­sa dor. Nos­sos sen­ti­men­tos e es­ti­mas de que lo­go fi­que ape­nas a sau­da­de. Bei­jos e óti­ma se­ma­na!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.