No­vem­bro azul

Aju­de os ho­mens da sua fa­mí­lia a se pre­ve­ni­rem con­tra o cân­cer de próstata

Malu - - Saúde - Tex­to Flá­via Ma­ga­lhães/Co­la­bo­ra­do­ra

Omês de no­vem­bro mar­ca a cam­pa­nha pe­la saú­de mas­cu­li­na, co­nhe­ci­da co­mo No­vem­bro Azul. O ba­lan­ço di­vul­ga­do em se­tem­bro pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Cân­cer (INCA) re­ve­la que o cân­cer de próstata ain­da per­ma­ne­ce co­mo a do­en­ça mais co­mum e a se­gun­da mai­or cau­sa de óbi­to on­co­ló­gi­co em ho­mens. São es­ti­ma­dos 68.220 no­vos ca­sos em 2018 no Bra­sil, sen­do o ti­po de cân­cer mais in­ci­den­te no se­xo mas­cu­li­no (de­pois do cân­cer de pe­le não me­la­no­ma) em to­das as re­giões do país. Ape­sar dos nú­me­ros as­sus­ta­do­res, mui­tos ho­mens ain­da se re­cu­sam a fa­zer os exa­mes pre­ven­ti­vos por pre­con­cei­to. Por is­so, Ma­lu aju­da vo­cê a cons­ci­en­ti­zar os ho­mens de ca­sa a vi­si­ta­rem um uro­lo­gis­ta!

Co­nhe­cen­do os sin­to­mas

De acor­do com Fla­vio Tri­go, uro­lo­gis­ta e pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Uro­lo­gia de São Pau­lo, o cân­cer de próstata não apre­sen­ta si­nais em sua fa­se ini­ci­al, mas, quan­do co­me­çam a apa­re­cer, cer­ca de 95% dos tu­mo­res já es­tão em fa­se avan­ça­da, di­fi­cul­tan­do a cu­ra. “Ou se­ja, a au­sên­cia de sin­to­mas não sig­ni­fi­ca que não há pro­ble­mas”, lem­bra o mé­di­co. Por is­so a im­por­tân­cia de fa­zer os exa­mes de ro­ti­na. Se o seu par­cei­ro tem es­ses si­nais, fi­que aler­ta: dor ós­sea; von­ta­de de uri­nar com frequên­cia; do­res ao uri­nar; pre­sen­ça de san­gue na uri­na e/ou no sê­men. Além dis­so, ho­mens com his­tó­ri­co fa­mi­li­ar de cân­cer de próstata, ne­gros e obe­sos são gru­pos de ris­co pa­ra es­se ti­po da do­en­ça.

Tem cu­ra?

Se­gun­do Tri­go, a úni­ca for­ma de ga­ran­tir a cu­ra do cân­cer de próstata é o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce. “Mes­mo na au­sên­cia de sin­to­mas, ho­mens a par­tir dos 45 anos com fa­to­res de ris­co, ou 50 anos sem es­tes fa­to­res, de­vem ir anu­al­men­te ao uro­lo­gis­ta pa­ra fa­zer o exa­me de to­que re­tal, que per­mi­te ao mé­di­co ava­li­ar al­te­ra­ções da glân­du­la”, res­sal­ta.

Tra­ta­men­to

O ti­po de tra­ta­men­to de­pen­de do es­tá­gio da do­en­ça de ca­da pa­ci­en­te. Pa­ra os es­tá­gi­os ini­ci­ais, re­co­men­da-se a ci­rur­gia la­pa­ros­có­pi­ca e ra­di­o­te­ra­pia. Já pa­ra os ca­sos mais avan­ça­dos da do­en­ça, o uro­lo­gis­ta in­di­ca o tra­ta­men­to com hor­mo­ni­o­te­ra­pia, qui­mi­o­te­ra­pia e dro­gas orais, que me­lho­ram a qua­li­da­de de vi­da e au­men­tam a so­bre­vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.