Ten­dên­ci­as pa­ra noi­vas

Sai­ba o que usar no gran­de dia pa­ra se des­ta­car e re­ce­ber to­dos os elo­gi­os!

Malu - - Relacionamento - Tex­to Da­ni­e­la An­dri­o­li e Flá­via Ma­ga­lhães/Co­la­bo­ra­do­ra

Odia do ca­sa­men­to é uma da­ta es­pe­ra­da por mui­tas mu­lhe­res, afi­nal, o mo­men­to de ce­le­brar o amor na com­pa­nhia de ami­gos e fa­mi­li­a­res. Por is­so, é fun­da­men­tal es­co­lher um ves­ti­do que va­lo­ri­ze sua per­so­na­li­da­de – e tam­bém su­as cur­vas! Ve­ja as di­cas de Raquel Cor­rêa e Lu­cia Boyad­ji­an, es­ti­lis­tas e pro­pri­e­tá­ri­as da Raquel e Lu­cia Ate­liê de Cos­tu­ra.

Ca­sa­men­to ci­vil

“O tra­je de um ca­sa­men­to no ci­vil, por exem­plo, ape­sar de usu­al­men­te ser mais sim­ples, tam­bém me­re­ce aten­ção, pois nun­ca se de­ve dei­xar a ele­gân­cia de la­do. Es­sas ce­rimô­ni­as ge­ral­men­te são re­a­li­za­das du­ran­te o dia e uma di­ca pa­ra não er­rar em ca­sa­men­tos diur­nos é que os exa­ge­ros de­vem ser evi­ta­dos: nos vo­lu­mes, nos bri­lhos e nos bor­da­dos. Po­de ser do clás­si­co ao in­for­mal mas sem­pre tra­zen­do al­gu­ma le­ve­za.”

Ce­rimô­ni­as no­tur­nas

“Um ca­sa­men­to à noi­te pe­de al­go mais lu­xu­o­so. En­tão, es­tão li­be­ra­dos bri­lhos, vo­lu­mes, cau­das,

lon­gos véus, tu­do é per­mi­ti­do, des­de que com equi­lí­brio e har­mo­nia. Mas na­da im­pe­de que se­ja es­co­lhi­do al­go bá­si­co, ten­do em vis­ta que, ao op­tar por um mo­de­lo sim­ples, com um bom cor­te e uti­li­zan­do um te­ci­do no­bre, o lo­ok fi­ca­rá lin­do e po­de­rá ser usa­da de­pois.”

Ce­le­bra­ção ao ar li­vre

“Le­ve­za é in­di­ca­da pa­ra as ce­rimô­ni­as re­a­li­za­das no cam­po ou na praia. A na­tu­re­za é o ce­ná­rio e os noi­vos, nes­ses ca­sos, bus­cam um cli­ma de mai­or ro­man­tis­mo e uma cer­ta des­con­tra­ção. As­sim, os tra­jes de­vem se­guir es­sa pro­pos­ta, tan­to pa­ra os noi­vos, quan­to pa­ra os con­vi­da­dos. No ca­so dos ves­ti­dos a apos­ta fi­ca por mo­de­los de mai­or flui­dez, com te­ci­dos mais es­vo­a­çan­tes. Ren­das são bem­vin­das e bri­lhos, dis­cre­ta­men­te, po­dem ser usa­dos. O uso do bri­lho e vo­lu­mes ex­tras só po­de se­rem usa­dos em ca­sa­men­tos à noi­te. A re­gra é: na ho­ra de es­co­lher o lo­ok é pre­ci­so res­pei­tar a iden­ti­da­de e a per­so­na­li­da­de da mu­lher, as­sim co­mo a sua es­tru­tu­ra cor­po­ral. E as da­mi­nhas de­vem se ves­tir em sin­to­nia com o es­ti­lo da fes­ta, mas acor­do com a ida­de da cri­an­ça.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.