Di­nhei­ro a to­do cus­to

Uma das ati­vi­da­des dos PMs cor­rup­tos era se­ques­trar tra­fi­can­tes ‘maus pa­ga­do­res’

Meiahora - RJ - - POLÍCIA -

ta­das na de­le­ga­cia). “Mui­tas ve­zes não ha­via o pro­ce­di­men­to le­gal de re­gis­trar o que foi apre­en­di­do. Eles ven­di­am ar­mas e até com­pra­vam de cri­mi­no­sos”, res­sal­tou o de­le­ga­do.

O de­la­tor de to­do o es­que­ma cri­mi­no­so, que co­me­çou a ser in­ves­ti­ga­do em fe­ve­rei­ro de 2016, dis­se que já ven­deu mais de 20 ar­mas pa­ra PMs cor­rup­tos. Ca­da pis­to­la, se­gun­do ele, foi ne­go­ci­a­da por R$ 5 mil. O de­le­ga­do Ba­ruc­ke afir­mou que há tam­bém in­for­ma­ções de ven­da de fu­zis da Po­lí­cia Mi­li­tar.

Pa­ra an­ga­ri­ar di­nhei­ro, os PMs ca­pri­cha­vam na cri­a­ti­vi­da­de. Além dos se­ques­tros, eles tam­bém ven­di­am as dro­gas que apre­en­di­am nas bo­cas de fu­mo. PMs do Des­ta­ca­men­to de Po­li­ci­a­men­to Os­ten­si­vo (DPO) do Mu­tuá fa­zi­am um ‘fei­rão’ de en­tor­pe­cen­tes. De acor­do com as in­ves­ti­ga­ções, eles to­ma­vam o con­tro­le do lo­cal e ven­di­am as dro­gas por um pre­ço mais bai­xo ao usuá­rio. Ou­tro ma­nei­ra era or­de­nar rou­bos na re­gião.

REPRODUÇÃO

O ‘ar­ti­cu­la­dor’ Adri­e­ni­son: po­se de po­li­ci­al, com fu­zil e co­le­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.