Le­van­tar a au­to­es­ti­ma

Meiahora - RJ - - EMPREGOS -

Tra­ta­men­to e cor­te ade­qua­do dei­xam ca­be­los mais be­los

Ter um ca­be­lo bo­ni­to e sau­dá­vel re­quer uma sé­rie de cui­da­dos e tra­ta­men­tos. Quem ga­ran­te é Lu­a­na Si­go­lo, pro­pri­e­tá­ria do sa­lão que le­va o seu no­me, em Mes­qui­ta. “As pes­so­as, por des­co­nhe­ci­men­to, pen­sam que é só che­gar em um sa­lão e pedir a to­na­li­za­ção e tu­do es­tá re­sol­vi­do. Te­nho a pre­o­cu­pa­ção de ob­ser­var o es­ta­do do ca­be­lo, o qu­an­to es­tá da­ni­fi­ca­do de­vi­do ao uso de pro­du­tos”, ex­pli­ca a em­pre­sá­ria.

A ex­pe­ri­ên­cia ob­ti­da ao lon­go da carreira foi fun­da­men­tal. “Por ter tra­ba­lha­do em vá­ri­os sa­lões, fei­to cur­sos e li­da­do com di­ver­sos pro­fis­si­o­nais apren­di téc­ni­cas e cui­da­dos com ca­be­los. Ti­ve ca­sos de cli­en­tes que não re­co­men­dei a co­lo­ri­za­ção an­tes do tra­ta­men­to. Mui­tas acei­tam. Há quem não con­cor­de, no en­tan­to, mos­tro os pro­ble­mas que en­con­tra­mos”, con­ta Lu­a­na.

A pre­o­cu­pa­ção da em­pre- sá­ria não é sem fun­da­men­to. Afi­nal, ela li­da com a au­to­es­ti­ma fe­mi­ni­na. “Uma pes­soa que pro­cu­ra um sa­lão es­tá em busca de mu­dar su­as apa­rên­cia, agra­dar o na­mo­ra­do ou o ma­ri­do. Por is­so, ori­en­ta­mos o que fi­ca me­lhor na pes­soa”, co­men­ta a pro­fis­si­o­nal.

Se­gun­do Lu­a­na Si­go­lo o dou­ra­do é a cor pre­fe­ri­da, mesmo pa­ra me­chas. “Mui­tas mu­lhe­res acham que a cor dei­xa tu­do mais atra­en­te. Exis­tem ca­sos de cli­en­tes que que­rem o cor­te de uma per­so­na­gem de novela. Quan­do percebo que não fi­ca­rá ex­pli­co o mo­ti­vo de não fi­car bem”, con­clui. O Lu­a­na Si­go­lo -be­le­za vip fi­ca na Rua Pa­pa João XXIII, 99, cen­tro. Mes­qui­ta. Te­le­fo­ne pa­ra mais in­for­ma­ções (21) 3763-3593.

MARCIO MER­CAN­TE / AGENCIA O DIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.