Es­sa tal con­cen­tra­ção

Des­ven­de co­mo fun­ci­o­na es­sa ca­pa­ci­da­de hu­ma­na e qu­al é o pa­pel do cé­re­bro pa­ra que as pes­so­as te­nham fo­co

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Por que nos dis­traí­mos fa­cil­men­te? E ain­da: as di­fe­ren­ças en­tre fo­co e aten­ção

Pa­ra com­pre­en­der co­mo as pes­so­as se con­cen­tram em al­gu­mas coi­sas e sim­ples­men­te não têm fo­co em ou­tras, é pre­ci­so ter em men­te que to­do o sis­te­ma sen­so­ri­al do in­di­ví­duo es­tá en­vol­vi­do nes­sa ta­re­fa. Quer um exem­plo? As emo­ções e as lem­bran­ças são par­te fun­da­men­tal na ho­ra de de­fi­nir o que de­ve ga­nhar sua aten­ção, gra­ças ao sis­te­ma lím­bi­co, o qu­al é res­pon­sá­vel por co­man­dar seus sen­ti­men­tos - e ele sem­pre irá op­tar pe­los ele­men­tos ca­pa­zes de des­per­tar sen­sa­ções in­ten­sas.

Pen­san­do nis­so, ima­gi­ne a se­guin­te ce­na: vo­cê de­ci­diu sair à noi­te e es­tá em um bar lo­ta­do, em um ambiente com mú­si­ca al­ta e mui­tas pes­so­as ao re­dor. Vo­cê con­se­gue ou­vir con­ver­sas alhei­as, a ban­da to­can­do, gar­ga­lha­das... Pa­re­ce di­fí­cil se con­cen­trar em al­go, não é mes­mo? É aí que vo­cê se en­ga­na! Ape­sar das inú­me­ras dis­tra­ções, se al­go des­per­tar o seu in­te­res­se (co­mo uma pes­soa do se­xo opos­to que pu­xou papo com vo­cê), seu fo­co ga­nha for­ça to­tal, já que qua­se to­das as su­as ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas es­ta­rão en­vol­vi­das nes­sa si­tu­a­ção.

Ava­li­an­do des­sa for­ma, pa­re­ce sim­ples e ób­vio que a con­cen­tra­ção sur­ja mes­mo em am­bi­en­tes "im­pró­pri­os". E, no fi­nal, o mai­or de­sa­fio é con­se­guir se con­cen­trar em al­go que não des­per­te o seu in­te­res­se, co­mo um tra­ba­lho can­sa­ti­vo ou uma pa­les­tra pou­co mo­ti­va­do­ra. En­tão, o que fa­zer nes­ses ca­sos?

Cul­pa de anos atrás

Sa­be por que o seu cé­re­bro não con­se­gue pas­sar muito tem­po fo­ca­do na mes­ma coi­sa (ain­da mais quan­do ela não é tão fas­ci­nan­te)? A ori­gem des­se fenô­me­no vem dos nos­sos an­ces­trais, já que, pa­ra so­bre­vi­ver, eles pre­ci­sa­vam es­tar aten­tos a tu­do que acon­te­cia ao re­dor. As­sim, re­pa­rar em tu­do e to­mar de­ci­sões rá­pi­das era es­sen­ci­al pa­ra se man­ter vi­vo.

Ho­je em dia, as pes­so­as não pre­ci­sam mais des­se ti­po de con­cen­tra­ção, mas a men­te pas­sou anos e anos sen­do mol­da­da pa­ra ter fo­co em ele­men­tos que po­de­ri­am re­pre­sen­tar pe­ri­gos, não pa­ra coi­sas pa­ra­das e ino­fen­si­vas – co­mo um li­vro, uma te­la de com­pu­ta­dor ou uma pes­soa fa­lan­do em ci­ma de um pa­lan­que. Mas nem tu­do es­tá per­di­do. O ser hu­ma­no tem uma "car­ta na man­ga", já que é ca­paz de ati­var o ne­o­cór­tex (a par­te mais evo­luí­da do cé­re­bro) pa­ra to­mar de­ci­sões a lon­go pra­zo. Com is­so, tor­na-se pos­sí­vel se con­cen­trar em ati­vi­da­des mais cal­mas, co­mo es­tu­dar pa­ra um con­cur­so. O mais di­fí­cil nes­se pro­ces­so é ir con­tra o cha­ma­do cé­re­bro rep­ti­li­a­no, que foi pro­gra­ma­do pa­ra bus­car so­lu­ções e res­pos­tas ime­di­a­tas. Ape­sar de ser di­fí­cil cum­prir es­sa me­ta, não é al­go im­pos­sí­vel. Por is­so, nas pró­xi­mas li­nhas, vo­cê apren­de a do­mar o rep­ti­li­a­no e con­se­guir ser mais aten­to.

Con­cen­tra­ção vs. fo­co

Fa­lar des­sa ha­bi­li­da­de en­vol­ve di­ver­sos fa­to­res e sig­ni­fi­ca­dos. O pri­mei­ro é de que "a con­cen­tra­ção é a ca­pa­ci­da­de de man­ter-se aten­to por pe­río­do con­tí­nuo e con­sis­ten­te de tem­po", ex­pli­ca a neu­rop­si­có­lo­ga Ta­ci­anny do Va­le.

Um exem­plo em que man­ter a con­cen­tra­ção tor­na-se in­dis­pen­sá­vel é quan­do di­ri­ge-se em uma ave­ni­da mo­vi­men­ta­da e com uma ve­lo­ci­da­de de mé­dia pa­ra al­ta; vo­cê pre­ci­sa per­ma­ne­cer na fai­xa em que es­tá, acom­pa­nhar o tra­je­to de car­ros e mo­tos e per­ce­ber se o se­má­fo­ro es­tá ver­de.

Quan­do bus­ca-se al­go mais es­pe­cí­fi­co, ou­tro pon­to en­tra em ação: o fo­co. "É a aten­ção se­le­ti­va, que faz-se ne­ces­sá­ria quan­do os pro­ces­sos cog­ni­ti­vos são con­cen­tra­dos pa­ra um de­ter­mi­na­do al­vo", des­cre­ve o mé­di­co psi­qui­a­tra Ed­son Shi­gue­mi Hi­ra­ta. Nes­se ca­so, por exem­plo, é im­por­tan­te quan­do um mé­di­co re­a­li­za uma su­tu­ra de es­tru­tu­ra vas­cu­lar du­ran­te uma ci­rur­gia, ou se­ja, a si­tu­a­ção exi­ge o má­xi­mo da pes­soa.

“A con­cen­tra­ção é de­ter­mi­na­da por um me­ca­nis­mo que en­vol­ve a fo­ca­li­za­ção se­le­ti­va de um de­ter­mi­na­do es­tí­mu­lo, fil­tran­do, des­car­tan­do ou ini­bin­do in­for­ma­ções des­ne­ces­sá­ri­as. En­tão, pa­ra ter um bom ní­vel de con­cen­tra­ção é pre­ci­so trei­nar o cé­re­bro” Her­mí­nio Me­ne­guz­zi Ju­ni­or, pro­fes­sor do cur­so de psi­co­lo­gia

E a aten­ção?

A aten­ção po­de ser di­vi­di­da em du­as par­tes. A pri­mei­ra, mais li­ga­da à con­cen­tra­ção, é de­no­mi­na­da aten­ção sus­ten­ta­da. Tra­ta-se da “ca­pa­ci­da­de de man­ter a aten­ção por um pe­río­do de tem­po pro­lon­ga­do, em ge­ral, de uma for­ma cons­ci­en­te e vo­lun­tá­ria”, res­sal­ta Ma­rio.

Há tam­bém ou­tro ti­po de aten­ção, que es­tá, de cer­to mo­do, re­la­ci­o­na­do ao nos­so ins­tin­to e aos nos­sos sen­ti­dos. “Chamada de mo­men­tâ­nea ou es­pon­tâ­nea, re­la­ci­o­na-se com a pró­pria ca­pa­ci­da­de de re­a­ção ao ambiente. Is­so é qua­se que um me­ca­nis­mo de so­bre­vi­vên­cia, por­que, mui­tas ve­zes, es­se re­a­ção tem a ver com vo­cê es­tar pre­pa­ra­do pa­ra al­gu­ma coi­sa no­va que sur­gir no seu cam­po de cons­ci­ên­cia”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra e psi­ca­na­lis­ta Ma­rio Lou­zã. Es­sa per­cep­ção po­de ser no­ta­da, por exem­plo, quan­do vo­cê es­tá an­dan­do na rua e um car­ro bu­zi­na ao seu la­do; qua­se que ine­vi­ta­vel­men­te seu olhar se vol­ta­rá ao veí­cu­lo.

Qu­em tem es­sa aten­ção es­pon­tâ­nea muito agu­ça­da ten­de a sen­tir mais pre­juí­zo em seu po­der de con­cen­tra­ção, já que se dis­per­sa­rá cons­tan­te­men­te. “Se vo­cê co­me­ça a mu­dar sua aten­ção vá­ri­as ve­zes por se­gun­do, não con­se­gui­rá man­ter-se aten­to a coi­sa ne­nhu­ma. Com is­so, per­de­rá a se­le­ti­vi­da­de e fi­ca­rá aten­to a qual­quer ba­ru­lhi­nho que acon­te­ce à sua vol­ta, vo­cê se tor­na­rá ine­fi­ci­en­te do pon­to de vis­ta do ren­di­men­to, pois pas­sa a se dis­trair com coi­sas ir­re­le­van­tes”, con­clui Ma­rio. Quan­do no­tar es­sa di­fi­cul­da­de em dei­xar de la­do es­ses pe­que­nos es­tí­mu­los, é acon­se­lha­da a bus­ca por aju­da de um pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do, que po­de­rá in­di­car a me­lhor ma­nei­ra de ven­cer es­sa dis­fun­ção.

Con­cen­tra­ção e fo­co em ce­na

Sa­bia que con­se­guir fi­car aten­to em al­go tem re­la­ção com o ato de res­pi­rar? En­tão, fa­zer exer­cí­ci­os li­ga­dos à melhora da res­pi­ra­ção é bas­tan­te útil. “Me­di­ta­ção e yo­ga são as ati­vi­da­des mais co­muns. Além dis­so, fa­zer ca­mi­nha­das em lo­cais cal­mos tam­bém aju­da pa­ra me­lho­rar a con­cen­tra­ção”, acon­se­lha o neu­ro­ci­en­tis­ta Aris­ti­des Bri­to.

Vo­cê já ou­viu aque­le ve­lho di­ta­do de que vo­cê é aqui­lo que co­me? Ele tam­bém se apli­ca muito bem quan­do o as­sun­to é o fo­co. “Uma di­e­ta equi­li­bra­da, prin­ci­pal­men­te em car­boi­dra­tos, aju­da no pro­ces­so de me­mo­ri­za­ção e con­cen­tra­ção. As vi­ta­mi­nas e mi­ne­rais, as gor­du­ras de boa qua­li­da­de e o ôme­ga-3 tam­bém são bons aju­dan­tes no pro­ces­so de con­cen­tra­ção, além de se­rem be­né­fi­cos pa­ra to­das as ou­tras cé­lu­las do nos­so cor­po”, com­ple­ta a co­or­de­na­do­ra téc­ni­ca da pós-gra­du­a­ção em bi­o­di­ag­nós­ti­co com ên­fa­se em aná­li­ses clí­ni­cas da Fa­cul­da­de Pi­tá­go­ras de Be­lo Ho­ri­zon­te, Re­na­ta Ca­de­te Zal­lio.

Qu­al o pa­pel do cé­re­bro?

O cé­re­bro hu­ma­no po­de ser di­vi­di­do em dois prin­ci­pais he­mis­fé­ri­os e ca­da um de­les é res­pon­sá­vel por exer­cer ati­vi­da­des es­pe­cí­fi­cas: o he­mis­fé­rio di­rei­to é res­pon­sá­vel pe­las ati­vi­da­des ar­tís­ti­cas e cri­a­ti­vas, en­quan­to que o he­mis­fé­rio es­quer­do com­pre­en­de as fun­ções mais ló­gi­cas, ou se­ja, aque­las que de­man­dam ra­ci­o­cí­nio, co­mo a lin­gua­gem ver- bal, a ma­te­má­ti­ca e a ge­o­me­tria.

Ade­mais, o cé­re­bro di­vi­de-se em qua­tro prin­ci­pais zo­nas de res­pon­sa­bi­li­da­de ati­va: o lo­bo fron­tal, o lo­bo pa­ri­en­tal, o lo­bo tem­po­ral e o lo­bo oc­ci­pi­tal. “En­tre elas, o lo­bo tem­po­ral in­te­res­sa-nos por ser ele o res­pon­sá­vel pe­la con­cen­tra­ção. Ele lo­ca­li­za-se na par­te la­te­ral mé­dia do cé­re­bro e, por co­or­de­nar a con­cen­tra­ção, per­ce­be a au­di­ção e a me­mó­ria, áre­as in­trin­se­ca­men­te co­nec­ta­das. Após re­ce­ber os si­nais so­no­ros por meio da au­di­ção, es­sa área de­co­di­fi­ca-os e trans­for­ma-os em ele­men­tos sig­ni­fi­ca­ti­vos. De acor­do com o ní­vel de sig­ni­fi­ca­ção pre­ten­di­do pe­lo cé­re­bro e tam­bém de ou­tros fa­to­res, co­mo a car­ga emo­ci­o­nal, uma in­for­ma­ção se­rá ar­ma­ze­na­da na me­mó­ria de cur­to, mé­dio ou lon­go pra­zo”, es­cla­re­ce Ch­ristya­no Mal­ta, He­ad Mas­ter Co­a­ch da Ca­sa Co­a­ching (em­pre­sa vol­ta­da pa­ra a pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to de Co­a­ching).

Res­sal­ta-se tam­bém que a pre­sen­ça de cor­ti­sol (hormô­nio li­be­ra­do em si­tu­a­ções de es­tres­se) é es­sen­ci­al pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do nos­so or­ga­nis­mo, pois au­men­ta o ní­vel de aten­ção do nos­so cé­re­bro. En­tre­tan­to, em ní­veis ele­va­dos, es­se hormô­nio pre­ju­di­ca o fun­ci­o­na­men­to ade­qua­do do lo­bo tem­po­ral (ou hi­po­cam­po) e tor­na as ati­vi­da­des exer­ci­das por ele mais de­sor­ga­ni­za­das e, por is­so, pos­si­bi­li­ta o de­sen­vol­vi­men­to de pro­ble­mas de me­mó­ria, de aten­ção e de com­pre­en­são.

“Con­tu­do, ca­be res­sal­tar que, a fim de ga­ran­tir seu me­lhor desempenho, o cé­re­bro hu­ma­no fun­ci­o­na co­mo um só or­ga­nis­mo, ou se­ja, os he­mis­fé­ri­os e zo­nas co­mu­ni­cam-se to­do o tem­po, fa­zen­do com que as ati­vi­da­des se­jam exe­cu­ta­das e me­mo­ri­za­das mais fa­cil­men­te, co­mo um gran­de sis­te­ma em que ca­da um tem sua fun­ção es­pe­cí­fi­ca”, afir­ma Ch­ristya­no.

“Acre­di­ta-se que a aten­ção se­ja con­tro­la­da por uma re­de par­ti­cu­lar de áre­as cor­ti­cais e sub­cor­ti­cais. A te­o­ria mais acei­ta é de que si­nais de áre­as cor­ti­cais de al­ta or­dem flu­em de vol­ta pa­ra áre­as cor­ti­cais sen­so­ri­ais, de mo­do a fa­ci­li­tar a re­pre­sen­ta­ção sen­so­ri­al de um es­tí­mu­lo pa­ra qu­al a aten­ção es­tá vol­ta­da"

Va­nes­sa Mül­ler, neu­ro­lo­gis­ta

CONSULTORIAS Aris­ti­des Bri­to, neu­ro­lo­gis­ta; Ch­ristya­no Mal­ta, He­ad Mas­ter Co­a­ch da Ca­sa Co­a­ching; Ed­son Shi­gue­mi Hi­ra­ta, psi­qui­a­tra; Her­mí­nio Me­ne­guz­zi Ju­ni­or, pro­fes­sor do cur­so de psi­co­lo­gia; Ma­rio Lou­zã, psi­qui­a­tra e psi­ca­na­lis­ta; Re­na­ta Ca­de­te Zal­lio, co­or­de­na­do­ra téc­ni­ca da pós-gra­du­a­ção em bi­o­di­ag­nós­ti­co com ên­fa­se em aná­li­ses clí­ni­cas da Fa­cul­da­de Pi­tá­go­ras de Be­lo Ho­ri­zon­te; Ta­ci­anny do Va­le, neu­rop­si­có­lo­ga; Va­nes­sa Mül­ler, neu­ro­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.