Mo­ci­nha ou vi­lã?

Afi­nal, vo­cê sa­be di­zer se a tec­no­lo­gia aju­da ou atra­pa­lha o pro­ces­so de apren­di­za­do, a con­cen­tra­ção e a me­mó­ria?

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Se­rá que a tec­no­lo­gia po­de aju­dar ou afe­tar o apren­di­za­do e a me­mó­ria?

Não se lem­brar de ani­ver­sá­ri­os, não sa­ber o no­me da­que­le lu­gar le­gal que co­nhe­ceu pa­ra in­di­car ou até mes­mo o no­me de uma atriz no fil­me que as­sis­tiu no dia an­te­ri­or. Mui­tas pes­so­as já pas­sa­ram por, pe­lo me­nos, uma des­sas si­tu­a­ções. Mas, a mai­o­ria de­las sa­be on­de en­con­trar tais in­for­ma­ções: na in­ter­net. Si­tes co­mo Go­o­gle, Fa­ce­bo­ok e IMDB. É só di­gi­tar e os da­dos apa­re­cem na te­la. Es­sa tec­no­lo­gia mu­dou a ro­ti­na das pes­so­as e é di­fí­cil ima­gi­nar o dia a dia sem ela. Con­tu­do, tais mu­dan­ças não trou­xe­ram ape­nas be­ne­fí­ci­os. O ex­ces­so de in­for­ma­ções re­ce­bi­das a to­do o mo­men­to e as fer­ra­men­tas dis­po­ní­veis on­li­ne po­dem afe­tar não só a me­mó­ria, mas tam­bém a pró­pria con­cen­tra­ção.

Ce­lu­la­res e com­pu­ta­do­res: é pre­ci­so mo­de­rar!

Vo­cê po­de ou­vir mú­si­ca clás­si­ca e se “iso­lar” em seu mun­do pa­ra es­tu­dar. Vo­cê po­de uti­li­zar a agen­da de seu ce­lu­lar pa­ra or­ga­ni­zar seus even­tos e ali­vi­ar um pou­co o ex­ces­so de in­for­ma­ções que vo­cê car­re­ga na ca­be­ça uti­li­zan­do seu HD ex­ter­no. Vo­cê po­de jo­gar um pou­co al­gum jo­go que o dis­traia e di­mi­nua seu es­tres­se. Vo­cê po­de in­clu­si­ve au­men­tar su­as ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas com softwa­res de cog­ni­ção, in­cluin­do de aten­ção e con­cen­tra­ção dis­po­ní­veis em al­guns apli­ca­ti­vos. O pro­ble­ma é quan­do exis­te a ne­ces­si­da­de de es­tar li­ga­do em tu­do o que acon­te­ce o tem­po to­do! “Is­so faz com que pes­so­as, quan­do de­ve­ri­am re­la­xar, fi­quem on­li­ne 24h, pro­vo­can­do ain­da mais fadiga men­tal, e quan­do de­ve­ri­am es­tar fo­ca­dos no tra­ba­lho fi­cam dis­per­sos, di­vi­din­do a aten­ção pa­ra exe­cu­ção da ta­re­fa di­mi­nuin­do sua pro­du­ti­vi­da­de. Aju­dar ou atra­pa­lhar a aten­ção de­pen­de de quan­do, quan­to, co­mo e pa­ra que es­ses re­cur­sos são uti­li­za­dos”, ex­pli­ca a neu­ro­lo­gis­ta Va­nes­sa Mül­ler.

Em ou­tras pa­la­vras, os ar­te­fa­tos mi­diá­ti­cos tec­no­ló­gi­cos, co­mo smartpho­nes e ta­blets, po­dem ou não atra­pa­lhar a con­cen­tra­ção – tu­do de­pen­de de qu­em os uti­li­za. As­sim, se uma pes­soa uti­li­za seu smartpho­ne até mes­mo em ati­vi­da­des nas quais ele não é ne­ces­sá­rio, é evi­den­te que es­se ma­te­ri­al a pri­vou de es­tar to­tal­men­te pre­sen­te em sua ati­vi­da­de prin­ci­pal e, con­se­quen­te­men­te, di­mi­nuiu seu ní­vel de con­cen­tra­ção e de pro­du­ti­vi­da­de. “Ou­tra di­fi­cul­da­de re­la­ti­va ao uso des­ses apa­re­lhos re­la­ci­o­na-se ao fa­to de eles pos­si­bi­li­ta­rem o aces­so a mui­tas in­for­ma­ções em se­gun­dos e con­te­rem di­ver­sos ti­pos de apli­ca­ti­vos so­bre di­fe­ren­tes te­mas, o que po­de tor­nar mais fá­cil per­der o con­tro­le do tem­po gas­to nes­ses apa­re­lhos ou des­vi­ar-se do ob­je­ti­vo ini­ci­al do uso do apa­re­lho na­que­le mo­men­to”, acres­cen­ta Ch­ristya­no Mal­ta, He­ad Mas­ter Co­a­ch da Ca­sa Co­a­ching (em­pre­sa vol­ta­da pa­ra a pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to de Co­a­ching).

Re­des so­ci­ais em ce­na

As­sim co­mo acon­te­ce com os apa­re­lhos ele­trô­ni­cos, as mí­di­as so­ci­ais e os me­ca­nis­mos de pes­qui­sa na In­ter­net, co­mo o Go­o­gle, de­vem ser usa­dos com cau­te­la, pois ar­ma­ze­nam uma gran­de quan­ti­da­de de in­for­ma­ções, as quais, em gran­de par­te das ve­zes, são or­ga­ni­za­das co­mo hi­per­tex­tos – tex­tos que per­mi­tem o aces­so a ou­tras fon­tes so­bre as­sun­tos re­la­ti­vos ao te­ma. Es­se mo­de­lo fa­ci­li­ta a dis­tra­ção por per­mi­tir o aces­so rá­pi­do a di­ver­sas in­for­ma­ções, as quais, por ve­zes, não são trans­for­ma­das efe­ti­va­men­te em co­nhe­ci­men­to e, por­tan­to, não são ar­ma­ze­na­dos na me­mó­ria de mé­dio ou lon­go pra­zo. “Des­sa for­ma, é im­por­tan­te que o uso des­ses mei­os se­ja re­a­li­za­do de ma­nei­ra cons­ci­en­te e que se es­ta­be­le­ça um fo­co de ação a fim de que se­jam se­le­ci­o­na­das ape­nas as in­for­ma­ções es­sen­ci­ais pa­ra o pro­ces­so de co­nhe­ci­men­to”, com­ple­ta Ch­ristya­no.

Ain­da de acor­do com o pro­fis­si­o­nal, é ne­ces­sá­rio fi­car aten­to à ne­ces­si­da­de de es­tar in­te­gral­men­te pre­sen­te nas ações re­a­li­za­das, ou se­ja, de or­ga­ni­zar-se pa­ra não se en­vol­ver em di­ver­sas ati­vi­da­des ao mes­mo tem­po. “Che­car as re­des so­ci­ais e in­te­ra­gir ne­las é sau­dá­vel até o mo­men­to em que vo­cê de­tém con­tro­le so­bre a sua ne­ces­si­da­de de es­tar on­li­ne ali, sem es­tar of­fli­ne nas ou­tras áre­as ou ati­vi­da­des da sua vi­da”, diz.

Pa­ra se ter uma ideia, se­gun­do pes­qui­sas re­cen­tes, um ser hu­ma­no nor­mal che­ca cer­ca de 170 ve­zes por dia as re­des so­ci­ais e pro­fis­si­o­nais, en­quan­to um ser hu­ma­no com com­pul­são pe­las mes­mas re­des o faz cer­ca de 700 ve­zes. “É bem mais que um pas­sa­tem­po, é um há­bi­to cri­a­do ba­se­a­do na ne­ces­si­da­de hu­ma­na de ser acei­to e em um va­lor de su­ma im­por­tân­cia: per­ten­ci­men­to”, fi­na­li­za Ch­ristya­no.

“A tec­no­lo­gia bem usa­da fa­ci­li­ta a con­cen­tra­ção, pois al­guém que es­te­ja es­cre­ven­do um tex­to, se pre­ci­sar ve­ri­fi­car ou es­tu­dar al­gum tó­pi­co que es­te­ja fa­lho, po­de fa­zê­lo ra­pi­da­men­te. Con­tu­do, es­tu­dar com uma mí­dia so­ci­al li­ga­da é co­mo es­tu­dar com 10 ami­gos ao la­do: um sem­pre es­ta­rá dis­pos­to a con­ver­sar na­que­le mo­men­to, que­bran­do a con­cen­tra­ção, di­mi­nuin­do o fo­co, per­den­do o ra­ci­o­cí­nio e to­man­do mais tem­po que to­ma­ria” Bayard Gal­vão, psi­có­lo­go clí­ni­co

CONSULTORIAS Bayard Gal­vão, psi­có­lo­go clí­ni­co; Ch­ristya­no Mal­ta, He­ad Mas­ter Co­a­ch da Ca­sa Co­a­ching; Va­nes­sa Mül­ler, neu­ro­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.