Me­lho­re a con­cen­tra­ção

Man­ter o fo­co em al­gu­ma ati­vi­da­de po­de não ser tão sim­ples co­mo mui­tos acre­di­tam. Por is­so, co­nhe­cer al­gu­mas téc­ni­cas que aju­dam o pro­ces­so é bas­tan­te útil. Pron­to pa­ra des­co­brir?

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Descubra 15 for­mas pa­ra aju­dar vo­cê a não se dis­trair tão fá­cil as­sim

Vo­cê já ten­tou es­tu­dar pa­ra uma pro­va, mas te­ve que ler e re­ler in­con­tá­veis ve­zes a mes­ma in­for­ma­ção? Ou en­tão, al­gu­ma vez, fi­cou “ma­tan­do tem­po” nas re­des so­ci­ais em vez de uti­li­zar seu tem­po pa­ra al­go pro­du­ti­vo no tra­ba­lho? E aque­le dia em que vo­cê en­ga­tou uma con­ver­sa com um ami­go e se dis­traiu da ati­vi­da­de que es­ta­va fa­zen­do an­tes? To­das es­sas si­tu­a­ções são fa­mi­li­a­res pa­ra a gran­de mai­o­ria das pes­so­as e po­dem ser des­cri­tas de uma for­ma sim­ples: fal­ta de con­cen­tra­ção. Mas, afi­nal, vo­cê sa­be o que é a con­cen­tra­ção? “Ela é a ca­pa­ci­da­de de o in­di­ví­duo fo­car sua men­te em um ele­men­to, em um ob­je­to ou em uma re­a­li­da­de de­se­ja­da”, ex­pli­ca o pa­rap­si­có­lo­go Lu­ci­a­no Go­mes.

Ape­sar de ser al­go da pró­pria na­tu­re­za hu­ma­na, a con­cen­tra­ção po­de não ser tão fá­cil de acon­te­cer, em al­guns ca­sos. Por is­so, co­nhe­cer for­mas de me­lho­rar o fo­co e apri­mo­rar a con­cen­tra­ção é es­sen­ci­al pa­ra o dia a dia, ain­da mais quan­do se tem um ob­je­ti­vo em men­te, co­mo um ves­ti­bu­lar ou con-

Men­te sem pres­são

cur­so pú­bli­co. En­tão, a se­guir, descubra di­cas sim­ples e efi­ca­zes pa­ra po­ten­ci­a­li­zar sua con­cen­tra­ção.

A ca­da 2 ho­ras de fo­co e con­cen­tra­ção, fa­ça uma pe­que­na pau­sa pa­ra des­can­sar o cé­re­bro por 15 mi­nu­tos. “A nos­sa men­te, de­vi­do a ci­clos hor­mo­nais cha­ma­dos ul­tra­di­a­nos, tem ca­pa­ci­da­de de se fo­car em coi­sas por até 2 ho­ras. For­çar mais do que is­so, ten­de a ser frus­tran­te e in­fér­til. Não é por aca­so que fil­mes que te­nham mais de 2 ho­ras inin­ter­rup­tas cos­tu­mam ge­rar can­sa­ço no te­les­pec­ta­dor, mes­mo sen­do ins­ti­gan­te”, exem­pli­fi­ca o psi­có­lo­go clí­ni­co, hip­no­te­ra­peu­ta e pa­les­tran­te Bayard Gal­vão.

Bus­que dis­tra­ções às ve­zes!

Sa­be aque­les di­as em que, por mais que vo­cê ten­te, não con­se­gue es­tu­dar, tra­ba­lhar ou fa­zer al­gu­ma ou­tra coi­sa? Quan­do as ati­vi­da­des sim­ples­men­te não es­tão mais ren­den­do? Se es­se ce­ná­rio for uma re­a­li­da­de na sua vi­da, es­tá na ho­ra de to­mar uma ati­tu­de: dis­traia-se com al­go pro­vi­só­rio, pre­fe­ren­ci­al­men­te al­go que re­la­xe, co­mo uma mú­si­ca, al­gum ví­deo en­gra­ça­do ou até mes­mo com um ba­te-papo com um ami­go.

O po­der da me­di­ta­ção

Vo­cê já de­ve ter co­nhe­ci­do al­guém que pra­ti­ca ou já te­nha ti­do al­gum con­ta­to com a me­di­ta­ção. No en­tan­to, ao con­trá­rio do que mui­tas pes­so­as pen­sam, a prá­ti­ca da téc­ni­ca não se re­su­me ape­nas em es­va­zi­ar a men­te e não pen­sar em na­da. Se vo­cê pro­cu­rar no di­ci­o­ná­rio, vai en­con­trar o sig­ni­fi­ca­do de me­di­ta­ção co­mo “Ato ou efei­to de me­di­tar, re­fle­xão; Ora­ção men­tal; Con­tem­pla­ção re­li­gi­o­sa; Pen­sa­men­tos, es­tu­dos, reflexões”. Mas, por se tra­tar de uma téc­ni­ca tão abran­gen­te e que en­glo­ba di­fe­ren­tes ver­ten­tes de pen­sa­men­tos, ca­da ti­po de me­di­ta­ção e ca­da pro­fis­si­o­nal da área de­fen­de uma ideia dis­tin­ta. Po­rém, os ob­je­ti­vos são con­sen­su­ais: bem-es­tar ín­te­gro, equi­lí­brio in­ter­no e bus­ca da re­a­li­za­ção pes­so­al.

Por­tan­to, pra­ti­que me­di­ta­ção pa­ra re­la­xar a men­te e en- con­trar um equi­lí­brio in­ter­no, ou se­ja, se con­cen­tre in­ten­ci­o­nal­men­te em uma ideia que não se­ja di­ver­ti­da, co­mo a pró­pria res­pi­ra­ção, os mo­vi­men­tos das ár­vo­res, uma mú­si­ca cal­ma sem pa­la­vras. “A nos­sa cultura pro­põe que nós ape­nas nos fo­que­mos em coi­sas agra­dá­veis. Ora, boa par­te da vi­da é neu­tra ou de­sa­gra­dá­vel, por is­so, pre­ci­sa­mos apren­der a nos fo­car­mos nes­ses mo­men­tos tam­bém”, com­ple­ta Bayard.

Li­vre-se dos pro­ble­mas

Se vo­cê tem um fi­lho, de­ve sa­ber o quan­to é di­fí­cil se con­cen­trar em al­gu­ma coi­sa quan­do ele es­tá do­en­te. Ou en­tão, se es­tá pas­san­do por um mo­men­to com­pli­ca­do no tra­ba­lho, tam­bém tem o fo­co com­pro­me­ti­do. Par­tin­do dis­so, va­le se­guir a di­ca de Bayard: “Per­ce­ba seu es­ta­do men­tal e ten­te ob­ser­var se vo­cê es­tá com al­gum des­con­for­to emo­ci­o­nal que exi­ja ser re­sol­vi­do ago­ra, pois ten­tar se con­cen­trar en­quan­to pas­sa por um pro­ble­ma que não sai da sua ca­be­ça po­de se mos­trar uma ta­re­fa im­pos­sí­vel”.

Sai­ba res­pei­tar seus li­mi­tes

Um dos pon­tos mais im­por­tan­tes pa­ra con­se­guir fa­zer a con­cen­tra­ção fun­ci­o­nar é re­co­nhe­cer os li­mi­tes da sua pró­pria ener­gia, pois não é in­co­mum en­con­trar pes­so­as que te­nham al­can­ça­do seus li­mi­tes e, mes­mo as­sim, con­ti­nu­am in­sis­tin­do em re­sol­ver um pro­ble­ma ou uma ati­vi­da­de, sem atin­gir re­sul­ta­do al­gum. “Es­sas pes­so­as aca­bam por só fa­zer bo­ba­gem ou não en­con­tram uma so­lu­ção de­cen­te pa­ra o pro­ble­ma que es­te­jam en­fren­tan­do”, com­ple­men­ta o psi­có­lo­go clí­ni­co.

Em bus­ca de sos­se­go

Pro­cu­re um lu­gar cal­mo pa­ra re­a­li­zar su­as ati­vi­da­des! “Am­bi­en­tes sem ex­ces­so de es­tí­mu­los são me­lho­res pa­ra fo­car a aten­ção e con­ti­nu­ar um pro­ces­so ade­qua­do de apren­di­za­do das in­for­ma­ções”, afir­ma a neu­ro­lo­gis­ta So­nia Bruc­ki. Pen­san­do nis­so, quan­do pre­ci­sar es­tu­dar ou fo­car em al­go do tra­ba­lho, pas­se lon­ge de lo­cais com muito barulho ou com aglo­me­ra­do de pes­so­as.

“A ha­bi­li­da­de de con­cen­trar-se e sus­ten­tar es­ta con­cen­tra­ção é im­por­tan­te por­que nos per­mi­te re­a­li­zar ta­re­fas com­ple­xas, atin­gir ob­je­ti­vos mais di­fí­ceis e re­a­li­zar so­nhos” Thi­a­go Sant'An­na, psi­có­lo­go

Se­ja or­ga­ni­za­do Não te­nha me­do de pro­cu­rar aju­da

Crie um cro­no­gra­ma pa­ra ca­da dia da se­ma­na – e não dei­xe de se­gui-lo! “Exe­cu­te uma ta­re­fa, no má­xi­mo, por um pe­río­do de 50 mi­nu­tos, sem in­ter­rup­ções. In­ter­ca­le com pe­río­do de re­la­xa­men­to”, in­di­ca Va­nes­sa Mül­ler, neu­ro­lo­gis­ta. Use es­sas pau­sas pa­ra res­pon­der men­sa­gens, ir ao ba­nhei­ro ou be­ber água. Além dis­so, não fa­ça mui­tas coi­sas ao mes­mo tem­po, pois, ao acu­mu­lar inú­me­ras ta­re­fas, tor­na-se qua­se im­pos­sí­vel se de­di­car to­tal­men­te a elas, e o re­sul­ta­do não se­rá dos me­lho­res.

Tra­ba­lhe seus sen­ti­dos

A bi­o­mé­di­ca e es­pe­ci­a­lis­ta em hip­no­se clás­si­ca Ci­da Pi­nhal fri­sa que, ao “ten­tar `anu­lar' um dos sen­ti­dos, por exem­plo a vi­são, fe­chan­do os olhos, vo­cê po­de­rá per­ce­ber que a au­di­ção e ta­to es­ta­rão muito mais sen­sí­veis”. Es­sa sim­ples ati­vi­da­de po­de in­ten­si­fi­car a con­cen­tra­ção em um de­ter­mi­na­do ob­je­ti­vo.

Não se es­que­ça de dor­mir

Uma boa noi­te de sono é fun­da­men­tal pa­ra ter uma boa con­cen­tra­ção, já que o can­sa­ço é um dos pi­o­res ini­mi­gos des­sa ha­bi­li­da­de. Além dis­so, Va­nes­sa ci­ta ou­tras ações que de­vem ser evi­ta­das, co­mo “dor­mir com a te­le­vi­são li­ga­da, evi­tar be­bi­das es­ti­mu­lan­tes co­mo o ca­fé e o gua­ra­ná após às 18h, e uti­li­zar a ca­ma ape­nas pa­ra dor­mir e não pa­ra ver TV ou tra­ba­lhar”. Lem­bre-se de se­guir es­sas pe­que­nas di­cas pa­ra ga­ran­tir que a men­te es­te­ja re­la­xa­da e, com is­so, me­lho­rar o tra­ba­lho da con­cen­tra­ção.

Ca­so per­ce­ba uma di­fi­cul­da­de anor­mal pa­ra man­ter a con­cen­tra­ção e não con­si­ga re­sol­ver es­se pro­ble­ma, o acom­pa­nha­men­to de um es­pe­ci­a­lis­ta po­de aju­dar no tra­ta­men­to. “Pro­cu­re um neu­ro­lo­gis­ta ou psi­qui­a­tra em ca­so de sus­pei­ta de al­gum dis­túr­bio neu­rop­si­quiá­tri­co. A an­si­e­da­de e a de­pres­são, por exem­plo, pre­ju­di­cam o desempenho cog­ni­ti­vo”, aler­ta Va­nes­sa.

Ali­men­te-se bem

Fa­zer as ta­re­fas que pre­ci­sa sem na­da no estô­ma­go po­de ser um gran­de er­ro. Pro­cu­re re­a­li­zar in­ter­va­los en­tre as re­fei­ções prin­ci­pais e in­ter­ca­lar com pe­que­nos lan­ches; as­sim, seu cé­re­bro te­rá a ener­gia ne­ces­sá­ria pa­ra se con­cen­trar me­lhor na­qui­lo que pre­ci­sa. Além dis­so, sua men­te não per­de o fo­co se pre­o­cu­pan­do com a fo­me.

Sai­ba con­vi­ver com as frus­tra­ções

Nem sem­pre te­mos con­tro­le so­bre tu­do o que acon­te­ce. Em fun­ção dis­so, er­ros e si­tu­a­ções frus­tran­tes po­dem ser cor­ri­quei­ros. Além de eles se­rem im­por­tan­tes pa­ra apren­der­mos ain­da mais, o pen­sa­men­to po­si­ti­vo tem pa­pel fun­da­men­tal em re­la­ção ao fo­co. Pa­ra o psi­có­lo­go, “de­sis­tir e as­su­mir uma pos­tu­ra de que `não con­se­gue se con­cen­trar', de que `não tem es­sa ca­pa­ci­da­de' ou ou­tros pen­sa­men­tos dis­fun­ci­o­nais se­me­lhan­tes é uma fu­ga. Ob-

ser­ve-se com ho­nes­ti­da­de e pro­cu­re en­ten­der o que po­de ser me­lho­ra­do”.

Pra­ti­que ati­vi­da­des que agra­dem vo­cê

“Co­me­ce atri­buin­do-se ta­re­fas que exi­gem con­cen­tra­ção e que vo­cê gos­ta muito (cu­li­ná­ria, mar­ce­na­ria, me­di­ta­ção, lei­tu­ra). Vo­cê po­de au­men­tar o tem­po de­di­ca­do a elas, ele­var a di­fi­cul­da­de e/ou pas­sar aos pou­cos pa­ra ta­re­fas que, em prin­cí­pio, lhe agra­dam me­nos. Fa­zen­do is­so gra­du­al e co­ti­di­a­na­men­te, sua ha­bi­li­da­de de con­cen­tra­ção evo­lui­rá”, re­co­men­da o es­pe­ci­a­lis­ta.

Acal­me-se

Mui­tas pes­so­as fi­cam tão an­si­o­sas pa­ra re­a­li­zar al­gu­ma ati­vi­da­de que aca­bam não fo­can­do no que é pre­ci­so.

“Nes­tes ca­sos, exer­cí­ci­os de re­la­xa­men­to são in­te­res­san­tes, co­mo trei­nos de res­pi­ra­ção”, su­ge­re o psi­có­lo­go Thi­a­go Sant'An­na. É a ho­ra cer­ta de con­cre­ti­zar aque­les pla­nos de pra­ti­car io­ga ou me­di­ta­ção, afi­nal, es­sas ati­vi­da­des aju­dam a de­sen­vol­ver a con­cen­tra­ção e o au­to­con­tro­le.

"O se­gre­do es­tá na mo­ti­va­ção. Ca­da ser hu­ma­no de­ve des­co­brir os me­lho­res ca­mi­nhos pa­ra sua con­cen­tra­ção, po­rém, a ati­tu­de mais efi­ci­en­te é de­ci­dir aon­de se de­se­ja che­gar e man­ter a per­sis­tên­cia diá­ria e a su­pe­ra­ção em ca­da fra­cas­so" Lu­ci­a­no Go­mes, pa­rap­si­có­lo­go

CONSULTORIAS Bayard Gal­vão, psi­có­lo­go clí­ni­co, hip­no­te­ra­peu­ta e pa­les­tran­te; Lu­ci­a­no Go­mes, pa­rap­si­có­lo­go; Ma­ria Isa­bel Si­ne­ga­glia, mu­si­co­te­ra­peu­ta; So­nia Bruc­ki, neu­ro­lo­gis­ta; Thi­a­go Sant'An­na, psi­có­lo­go; Va­nes­sa Mül­ler, neu­ro­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.