Ini­mi­gos do cé­re­bro

Al­guns há­bi­tos que pa­re­cem ino­fen­si­vos à pri­mei­ra vis­ta po­dem atra­pa­lhar a con­cen­tra­ção e com­pro­me­ter as ati­vi­da­des do dia a dia

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Os maus há­bi­tos que com­pro­me­tem a aten­ção em ati­vi­da­des do dia a dia

Épra­ti­ca­men­te um con­sen­so ge­ral: nos di­as atu­ais, man­ter a con­cen­tra­ção por muito tem­po em al­gu­ma ati­vi­da­de é al­go di­fí­cil. Se­ja por con­ta da cor­re­ria cons­tan­te, do bom­bar­deio de in­for­ma­ções, do can­sa­ço fí­si­co e men­tal ou por inú­me­ros ou­tros mo­ti­vos, o ato de se con­cen­trar dei­xou de ser al­go sim­ples – en­tre­tan­to, con­ti­nua es­sen­ci­al pa­ra man­ter a ro­ti­na “nos tri­lhos”. Mas, afi­nal, vo­cê sa­be o que es­tá fa­zen­do pa­ra atra­pa­lhar sua con­cen­tra­ção? Exis­tem al­guns ini­mi­gos que com­pro­me­tem – e muito – a con­cen­tra­ção. Que tal des­co­brir quais são? Mas lem­bre-se: man­te­nha a con­cen­tra­ção até o fi­nal da ma­té­ria, ok?

Aca­be com a de­sor­ga­ni­za­ção!

Vo­cê cos­tu­ma tra­ba­lhar em um ambiente ba­gun­ça­do? Su­as ati­vi­da­des não se­guem um pa­drão, por­que vo­cê não con­se­gue se or­ga­ni­zar? En­tão sai­ba que aí es­tá o seu pri­mei­ro er­ro. Não adi­an­ta de na­da co­brar do seu cé­re­bro se vo­cê não con­tri­buir pa­ra que sua con­cen­tra­ção fun­ci­o­ne. “Em ge­ral, a fal­ta de or­ga­ni­za­ção di­fi­cul­ta a con­cen­tra­ção, pois im­pos­si­bi­li­ta o es­ta­be­le­ci­men­to

de pas­sos e pra­zos a se­rem cum­pri­dos a fim de che­gar a um de­ter­mi­na­do ob­je­ti­vo. Ge­ren­ci­ar bem o tem­po e es­tar em um ambiente or­ga­ni­za­do, em que ma­te­ri­ais são fa­cil­men­te en­con­tra­dos quan­do são ne­ces­sá­ri­os à re­a­li­za­ção de al­go, são ati­vi­da­des es­sen­ci­ais pa­ra que o cé­re­bro pos­sa se con­cen­trar na ati­vi­da­de prin­ci­pal e pos­sa fun­ci­o­nar de ma­nei­ra mais rá­pi­da e cri­a­ti­va”, ex­pli­ca Ch­ristya­no Mal­ta, He­ad Mas­ter Co­a­ch da Ca­sa Co­a­ching (em­pre­sa vol­ta­da pa­ra a pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to de Co­a­ching). Por­tan­to, in­vis­ta na di­ca do es­pe­ci­a­lis­ta: an­tes de ini­ci­ar uma ati­vi­da­de que exi­ja con­cen­tra­ção, ocu­pe-se em or­ga­ni­zar seu ambiente e de pla­ne­jar su­as ati­tu­des e ações do dia, es­ta­be­le­cen­do pra­zos e ob­ser­van­do quais ati­vi­da­des pre­ci­sam ser re­a­li­za­das an­tes das ou­tras.

Te­nha sen­so de res­pon­sa­bi­li­da­de

Ou­tro pas­so im­por­tan­te - e que pou­ca gen­te tem cons­ci­ên­cia – pa­ra man­ter a con­cen­tra­ção sem­pre no au­ge é ter em men­te que a au­tor­res­pon­sa­bi­li­da­de tam­bém é es­sen­ci­al pa­ra a ga­ran­tia de um desempenho sa­tis­fa­tó­rio. “Ela evi­ta a ter­cei­ri­za­ção de ati­vi­da­des e re­co­nhe­ce o Eu co­mo o gran­de res­pon­sá­vel pe­lo que lhe ocor­re (ou dei­xa de ocor­rer). Ela tam­bém in­cen­ti­va a au­to­es­ti­ma, ele­men­to fun­da­men­tal pa­ra me­lho­ria dos pro­ces­sos cog­ni­ti­vos e com­por­ta­men­tais, uma vez que tra­ba­lha a au­toi­ma­gem e a au­to­con­fi­an­ça”, es­cla­re­ce Ch­ristya­no.

Emo­ções à flor da pe­le? Não!

Con­for­me ex­pli­ca o He­ad Mas­ter Co­a­ch, ou­tro pon­to im­por­tan­te pa­ra o pro­ces­so de con­cen­tra­ção é o de­sen­vol­vi­men­to da In­te­li­gên­cia Emo­ci­o­nal, ou se­ja, des­co­brir co­mo de­sen­vol­ver ma­nei­ras de ad­mi­nis­trar as emo­ções pa­ra que elas não in­ter­fi­ram no desempenho de qual­quer ati­vi­da­de re­a­li­za­da. Des­sa for­ma, sa­ber con­tro­lar pro­ble­mas co­mo an­si­e­da­de e es­tres­se é uma for­ma efi­caz de es­ti­mu­lar a con­cen­tra­ção e, de que­bra, fa­vo­re­ce o bem-es­tar ge­ral.

Des­con­fi­ar de si mes­mo não é o ca­mi­nho!

Não são pou­cas as pes­so­as que acham que não con­se­gui­rão apren­der al­go, se­ja um idi­o­ma di­fe­ren­te ou cál­cu­los com­ple­xos de fí­si­ca nu­cle­ar e, de­vi­do a es­se con­tí­nuo re­ceio, não se con­cen­tram, con­fir­man­do os seus te­mo­res. Por­tan­to, ape­sar de sim­ples, es­sa di­ca é pri­mor­di­al: acre­di­te sem­pre na sua ca­pa­ci­da­de. Is­so fa­rá com que vo­cê se de­di­que mais e quei­ra apren­der ou re­a­li­zar de­ter­mi­na­da ta­re­fa. Com is­so, a con­cen­tra­ção não se­rá um far­do e, sim, uma gra­ta con­sequên­cia.

Pou­cas ho­ras de sono

Vo­cê já ou­viu aque­la his­tó­ria de que pa­ra o cor­po e a men­te des­can­sa­rem é pre­ci­so, em mé­dia, 8 ho­ras de sono por noi­te? Cla­ro que a re­gra não é ge­ral, pois ca­da or­ga­nis­mo tem uma ne­ces­si­da­de pró­pria de tem­po de des­can­so, en­tre­tan­to, o que não mu­da é que, pa­ra a con­cen­tra­ção exis­tir, é pre­ci­so dor­mir o su­fi­ci­en­te pa­ra re­com­por as ener­gi­as. Em ou­tras pa­la­vras, dor­mir pou­co atra­pa­lha to­do o pro­ces­so ce­re­bral – o que in­clui, cla­ro, o ato de se con­cen­trar.

“A ro­ti­na cor­ri­da pre­dis­põe ao con­su­mo de açú­ca­res e ali­men­tos gor­du­ro­sos em ex­ces­so, fa­vo­re­ce o se­den­ta­ris­mo e cau­sa a bai­xa qua­li­da­de do sono, fa­to­res que pre­ju­di­cam o desempenho ce­re­bral” Va­nes­sa Mül­ler, neu­ro­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.