Cé­re­bro em pa­ne

As­sim co­mo é pos­sí­vel so­frer com doenças que com­pro­me­tem o fun­ci­o­na­men­to de al­gum ór­gão, tam­bém exis­tem aque­las que in­flu­en­ci­am na con­cen­tra­ção. Sai­ba mais!

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Doenças e trans­tor­nos que com­pro­me­tem es­sa ca­pa­ci­da­de tão im­por­tan­te

Ago­ra que vo­cê já en­ten­deu me­lhor o que é a con­cen­tra­ção e co­mo ela po­de ser es­ti­mu­la­da e até mes­mo pre­ju­di­ca­da, che­gou a ho­ra de des­co­brir um fa­tor que po­de afe­tar di­re­ta­men­te a ca­pa­ci­da­de de man­ter a aten­ção e o fo­co em de­ter­mi­na­da ati­vi­da­de: as doenças. Quan­do um dis­túr­bio atin­ge a re­gião do cé­re­bro res­pon­sá­vel pe­la con­cen­tra­ção, é bem pos­sí­vel que a pes­soa apre­sen­te di­fi­cul­da­des em fa­zer ta­re­fas con­si­de­ra­das sim­ples pa­ra os de­mais. En­tão, nas pró­xi­mas pá­gi­nas vo­cê vai em­bar­car mais fun­do e des­co­brir quais são es­sas doenças e co­nhe­cer al­guns das su­as ca­rac­te­rís­ti­cas mais mar­can­tes. Pron­to?

Trans­tor­no de dé­fi­cit de aten­ção e hi­pe­ra­ti­vi­da­de (TDAH)

Es­se dis­túr­bio é neu­ro­bi­o­ló­gi­co e se ca­rac­te­ri­za por sin­to­mas de de­sa­ten­ção, in­qui­e­tu­de e im­pul­si­vi­da­de. Su­as cau­sas são ge­né­ti­cas e ele apa­re­ce na in­fân­cia, nor­mal­men­te acom­pa­nhan­do a pes­soa por to­da a vi­da. Às ve­zes, po­de ser cha­ma­do de DDA (Dis­túr­bio do Dé­fi­cit de Aten­ção). Es­se trans­tor­no ocor­re em 3% a 5% das cri­an­ças, em vá­ri­as re­giões di­fe­ren­tes do mun­do, sen­do o mais co­mum en­tre as cri­an­ças e ado­les­cen­tes que são en­ca­mi­nha­dos pa­ra ser­vi­ços es­pe­ci­a­li­za­dos. Em mais da me­ta­de des­ses ca­sos, o TDAH con­ti­nua pre­sen­te na vi­da adul­ta, em­bo­ra os sin­to­mas se­jam mais bran­dos.

Exis­tem es­tu­dos de­mons­tran­do que a pre­do­mi­nân­cia do trans­tor­no é pa­re­ci­da em di­fe­ren­tes re­giões, mos­tran­do que fa­to­res cul­tu­rais, o mo­do co­mo os pais edu­cam os fi­lhos e o re­sul­ta­do de con­fli­tos psi­co­ló­gi­cos não in­ter­fe­rem pa­ra o sur­gi­men­to do dé­fi­cit. Es­ses es­tu­dos tam­bém mos­tram que os por­ta­do­res pos­su­em al­te­ra­ções na re­gião fron­tal e nas co­ne­xões com o res­to do cé­re­bro.

A re­gião fron­tal or­bi­tal é uma das mais de­sen­vol­vi­das no ser hu­ma­no em com­pa­ra­ção com ou­tras es­pé­ci­es ani­mais e é res­pon­sá­vel por con­tro­lar ou ini­bir com­por­ta­men­tos ina­de­qua­dos, pe­la ca­pa­ci­da­de de pres­tar aten­ção, me­mó­ria, au­to­con­tro­le, or­ga­ni­za­ção e pla­ne­ja­men­to. O que é al­te­ra­do nes­ta re­gião ce­re­bral é o fun­ci­o­na­men­to dos neu­ro­trans­mis­so­res (prin­ci­pal­men­te do­pa­mi­na e no­ra­dre­na­li­na), que pas­sam in­for­ma­ção en­tre as cé­lu­las ner­vo­sas – os neurô­ni­os. Exis­tem cau­sas pa­ra es­tas al­te­ra­ções nos neu­ro­trans­mis­so­res da re­gião fron­tal e su­as co­ne­xões. Elas são:

• He­re­di­ta­ri­e­da­de: os ge­nes não são res­pon­sá­veis pe­lo trans­tor­no em si, mas por uma pre­dis­po­si­ção ao TDAH. A par­ti­ci­pa­ção de ge­nes co­me­çou

a ser con­si­de­ra­da, ini­ci­al­men­te, a par­tir de ob­ser­va­ções de que as fa­mí­li­as de por­ta­do­res ti­nham pa­ren­tes tam­bém afe­ta­dos, apa­re­cen­do de for­ma mais fre­quen­te do que em fa­mí­li­as que não ti­nham cri­an­ças com o dé­fi­cit. O pre­do­mí­nio da do­en­ça en­tre os pa­ren­tes é cer­ca de 2 a 10 ve­zes mais do que na po­pu­la­ção em ge­ral – is­to é cha­ma­do de re­cor­rên­cia fa­mi­li­ar.

• Subs­tân­ci­as in­ge­ri­das na gra­vi­dez: a ni­co­ti­na e o ál­co­ol, quan­do in­ge­ri­dos du­ran­te a gra­vi­dez, po­dem cau­sar al­te­ra­ções em al­gu­mas par­tes do cé­re­bro do be­bê, in­cluin­do a re­gião fron­tal or­bi­tal. Pes­qui­sas in­di­cam que mães al­coó­la­tras têm mais chan­ce de te­rem fi­lhos com pro­ble­mas de hi­pe­ra­ti­vi­da­de e de­sa­ten­ção. É im­por­tan­te lem­brar que mui­tos des­tes es­tu­dos so­men­te de­mons­tram uma as­so­ci­a­ção en­tre es­tes fa­to­res, mas não mos­tram uma re­la­ção de cau­sa e efei­to.

• So­fri­men­to fe­tal: al­guns es­tu­dos mos­tra­ram que mu­lhe­res que ti­ve­ram pro­ble­mas no par­to que aca­ba­ram cau­san­do so­fri­men­to fe­tal ti­nham mais chan­ce de te­rem fi­lhos com TDAH. Mas a re­la­ção de cau­sa não é cla­ra. Uma das te­o­ri­as é de que mães com TDAH, por se­rem mais de­sa­ten­tas, pos­sam es­tar mais pre­dis­pos­tas a pro­ble­mas na gra­vi­dez e no par­to. Ou se­ja, a car­ga ge­né­ti­ca que ela pró­pria tem e que pas­sa ao fi­lho é que es­ta­ria in­flu­en­ci­an­do a mai­or pre­sen­ça de pro­ble­mas no par­to.

Co­mo re­co­nhe­cer o dé­fi­cit de aten­ção?

Além da di­fi­cul­da­de na apren­di­za­gem es­co­lar e no co­ti­di­a­no, as cri­an­ças com TDAH po­dem es­que­cer e per­der ob­je­tos, ser de­sor­ga­ni­za­das com seus ma­te­ri­ais, não ter­mi­nar o que co­me­ça­ram e ter di­fi­cul­da­de em se­guir re­gras, se­jam elas es­co­la­res ou de jo­gos e brin­ca­dei­ras in­fan­tis. Ob­ser­va-se tam­bém im­pul­si­vi­da­de em res­pos­tas ou co­men­tá­ri­os co­ti­di­a­nos.

“São co­muns tam­bém quei­xas de me­mó­ria, co­mo es­que­cer le­tras já apren­di­das ou re­ca­dos, pois a aten­ção tem es­trei­ta re­la­ção com os me­ca­nis­mos de aqui­si­ção e re­gis­tro de in­for­ma­ções”, aler­ta a neu­rop­si­có­lo­ga Car­la Cris­ti­na Ad­da. As cri­an­ças po­dem ser bas­tan­te agi­ta­das e cos­tu­mam apre­ci­ar e ter bom desempenho em jo­gos de vi­de­o­ga­me, pe­la ra­pi­dez e bre­vi­da­de ca­rac­te­rís­ti­cas des­ses jo­gos.

Alzhei­mer

Em 1906, o psi­qui­a­tra e neu­ro­pa­to­lo­gis­ta Alois Alzhei­mer fez uma au­tóp­sia e per­ce­beu que ha­via le­sões – até en­tão nun­ca vis­tas – no cé­re­bro mor­to que es­ta­va exa­mi­nan­do. O pro­ble­ma en­con­tra­va-se den­tro dos neurô­ni­os, os quais se apre­sen­ta­vam atro­fi­a­dos e pos­suíam subs­tân­ci­as es­tra­nhas, re­tor­ci­das en­tre si. Es­sa foi a pri­mei­ra vez que uma pes­soa te­ve co­nhe­ci­men­to da do­en­ça de Alzhei­mer.

Tam­bém co­nhe­ci­da co­mo uma do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va – afe­tan­do o cé­re­bro –, o Alzhei­mer pro­vo­ca de­te­ri­o­ra­ção das fun­ções ce­re­brais, cau­san­do per­da de me­mó­ria, di­fi­cul­da­de de lin­gua­gem e con­cen­tra­ção, e pro­ble­mas em cui­dar de si mes­mo. De acor­do com o mé­di­co, es­sa do­en­ça atin­ge uma re­gião es­pe­cí­fi­ca do cé­re­bro, co­nhe­ci­da co­mo hi­po­cam­po, e é di­vi­di­da em es­tá­gi­os, de­pen­den­do dos sin­to­mas apre­sen­ta­dos. Na mai­o­ria dos ca­sos, o Alzhei­mer atin­ge ido­sos com mais de 65 anos, sen­do que as mu­lhe­res são le­ve­men­te mais afe­ta­das que os ho­mens.

Es­sa do­en­ça apre­sen­ta sin­to­mas que tor­nam mais fá­cil seu di­ag­nós­ti­co, por exem­plo: al­te­ra­ções na me­mó­ria; mu­dan­ça nas ha­bi­li­da­des es­pa­ci­ais e vi­su­ais; di­fi­cul­da­de pa­ra fa­lar; com­pli­ca­ções pa­ra re­a­li­zar ta­re­fas sim­ples e do dia a dia; insô­nia; de­fi­ci­ên­cia mo­to­ra que pi­o­ra ao lon­go do tem­po; e in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria. Con­for­me ex­pli­ca o neu­ro­ci­rur­gião Edu­ar­do

Bar­re­to, exis­tem fa­to­res que po­dem au­men­tar o ris­co de de­sen­vol­ver Alzhei­mer. “Ele­men­tos ge­né­ti­cos e nu­tri­ci­o­nais, além de doenças co­mo hi­per­ten­são ar­te­ri­al (não con­tro­la­da), di­a­be­tes e ane­mia, que le­vam à fal­ta de nu­tri­en­tes ade­qua­dos pa­ra o cé­re­bro, são al­guns dos mo­ti­vos que po­dem in­flu­en­ci­ar no sur­gi­men­to da do­en­ça”.

Co­mo tra­tar?

Pa­ra re­a­li­zar o tra­ta­men­to do Alzhei­mer é ne­ces­sá­rio a uti­li­za­ção de re­mé­di­os e o acom­pa­nha­men­to de um fi­si­o­te­ra­peu­ta. Além dis­so, no­vas for­mas de tra­tar o Alzhei­mer co­me­çam a se de­sen­vol­ver. “A pos­si­bi­li­da­de de tra­ta­men­to com a neu­ro­mo­du­la­ção vem cres­cen­do gra­da­ti­va­men­te. Es­tu­dos re­cen­tes in­di­cam que a es­ti­mu­la­ção ce­re­bral po­de re­po­vo­ar o hi­po­cam­po, cen­tro da me­mó­ria e prin­ci­pal re­gião afe­ta­da pe­la do­en­ça de Alzhei­mer”, ex­pli­ca o neu­ro­ci­rur­gião. Ape­sar de pos­suir for­mas efi­ca­zes de tra­ta­men­tos, ela não apre­sen­ta cu­ra. Em ou­tras pa­la­vras, não é pos­sí­vel er­ra­di­car as doenças do pa­ci­en­te, sen­do que as di­ver­sas ma­nei­ras exis­ten­tes pa­ra tra­tá-las são com o in­tui­to de di­mi­nuir e ame­ni­zar os sin­to­mas.

Ane­mia

Fra­que­za, fal­ta de âni­mo, di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção... Mui­tas ve­zes o pa­ci­en­te vai ao mé­di­co com es­tes sin­to­mas e o di­ag­nós­ti­co as­sus­ta: ane­mia. O dis­túr­bio na­da mais é do que uma do­en­ça do san­gue, ca­rac­te­ri­za­do pe­la di­fi­cul­da­de na pro­du­ção de he­mo­glo­bi­na, uma subs­tân­cia es­sen­ci­al na for­ma­ção dos gló­bu­los ver­me­lhos.

“A ane­mia é uma do­en­ça de cau­sas bem va­ri­a­das. Nor­mal­men­te, a de­fi­ci­ên­cia de fer­ro, áci­do fó­li­co ou vi­ta­mi­na B12 po­de cau­sar di­fe­ren­tes ti­pos da do­en­ça, que é a di­mi­nui­ção do nú­me­ro de he­mo­glo­bi­nas (cé­lu­las ver­me­lhas) e, con­se­quen­te­men­te, di­mi­nui­ção da oxi­ge­na­ção das cé­lu­las do cor­po, o que é sé­rio”, es­cla­re­ce a nu­tri­ci­o­nis­ta Va­nes­sa Fran­zen Lei­te.

Quan­do es­ses nu­tri­en­tes es­sen­ci­ais es­tão em pou­ca quan­ti­da­de no or­ga­nis­mo, sig­ni­fi­ca que o in­di­ví­duo não es­tá in­ge­rin­do-os nas quan­ti­da­des cor­re­tas ou que a ab­sor­ção es­tá pre­ju­di­ca­da. Pa­ra ob­ter o di­ag­nós­ti­co cor­re­to, é ne­ces­sá­rio fa­zer um exa­me la­bo­ra­to­ri­al, além de pres­tar aten­ção aos si­nais que o pró­prio cor­po ofe- re­ce: de­sâ­ni­mo, fra­que­za, pe­le e mu­co­sas pá­li­das e, em al­guns ca­sos, per­da de ape­ti­te.

Além de ter as ati­vi­da­des do dia a dia pre­ju­di­ca­das, o por­ta­dor da ane­mia de­ve se pre­o­cu­par com ou­tros ris­cos que po­dem aco­me­ter a saú­de. Por is­so, o tra­ta­men­to de­ve ser se­gui­do ri­go­ro­sa­men­te, obe­de­cen­do à ris­ca to­das as re­co­men­da­ções mé­di­cas. De­pen­den­do do grau no qu­al a do­en­ça se en­con­tra, o tra­ta­men­to po­de ser es­pe­cí­fi­co pa­ra ca­da pa­ci­en­te, po­rém, al­gu­mas re­co­men­da­ções bá­si­cas sem­pre se­rão in­di­ca­das, tais co­mo a re­e­du­ca­ção ali­men­tar ne­ces­sá­ria, que de­ve­rá a re­po­si­ção de fer­ro no or­ga­nis­mo. Além dis­so, o es­pe­ci­a­lis­ta po­de­rá in­di­car uma su­ple­men­ta­ção de nu­tri­en­tes, que nun­ca de­ve ser fei­ta por con­ta pró­pria.

CONSULTORIAS ar­la Cris­ti­na Ad­da, neu­rop­si­có­lo­ga; Edu­ar­do Bar­re­to, neu­ro­ci­rur­gião; Lu­ci­a­na Har­fe­nist, nu­tri­ci­o­nis­ta fun­ci­o­nal e per­so­nal di­et; Va­nes­sa Fran­zen Lei­te, nu­tri­ci­o­nis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.