Emo­ções em fo­co

Descubra se de­pres­são, an­si­e­da­de, es­tres­se e ou­tros pro­ble­mas emo­ci­o­nais têm re­la­ção di­re­ta com a fal­ta de fo­co!

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

De­pres­são, an­si­e­da­de e es­tres­se têm re­la­ção di­re­ta com a fal­ta de fo­co

Pa­ra fi­car­mos aten­tos é ne­ces­sá­rio se­le­ci­o­nar­mos e fil­trar­mos nos­sos sen­ti­dos. En­tão, co­mo fi­car aten­to se um in­di­ví­duo de­pres­si­vo não apre­sen­ta ener­gia, mo­ti­va­ção, ob­je­ti­vo? Além dis­so, o de­pres­si­vo tam­bém per­de o in­te­res­se e o pra­zer pe­las coi­sas, pe­lo pró­xi­mo ou por si mes­mo. Per­de, por­tan­to, o fo­co in­ter­no e ex­ter­no, o que faz ter mui­tas per­das em sua ha­bi­li­da­de so­ci­al e la­bo­ral. Já o in­di­ví­duo an­si­o­so, no fi­nal de to­da ca­deia fi­si­o­ló­gi­ca, au­men­ta os ní­veis de cor­ti­sol, hormô­nio da fu­ga e es­se, por sua vez, em ní­veis au­men­ta­dos em res­pos­ta ao es­tres­se, in­flu­en­cia pro­fun­da­men­te a fun­ção ce­re­bral, in­ter­fe­rin­do na aten­ção se­le­ti­va e sus­ten­ta­da da aten­ção.

“In­di­ví­du­os com trans­tor­no de an­si­e­da­de ge­ne­ra­li­za­da apre­sen­tam uma ina­bi­li­da­de de con­cen­trar-se em ou­tros as­sun­tos que não o re­la­ci­o­na­do ao agen­te es­tres­sor. O rá­pi­do au­men­to do cor­ti­cos­te­roi­de au­men­ta a in­te­fe­ren­cia da emo- ção, que es­tá as­so­ci­a­da à ati­va­ção da amig­da­la ce­re­bral e ela, por sua vez, au­men­ta sua co­nec­ti­vi­da­de com ou­tras re­giões ce­re­brais, co­mo a fron­to­pa­ri­e­tal, que po­de re­fle­tir em al­te­ra­ções tam­bém nos pro­ces­sos cog­ni­ti­vos exe­cu­ti­vos, os quais são a ba­se pa­ra do­sar adequ­da­men­te o quan­to de emo­ção, im­pul­si­vi­da­de e ra­ci­o­na­li­da­de se­rão ne­ces­sá­ri­os pa­ra uma to­ma­da de de­ci­são”, ex­pli­ca a neu­ro­lo­gis­ta Va­nes­sa Mül­ler.

Por den­tro dos pro­ble­mas

An­tes de com­pre­en­der se a an­si­e­da­de e a de­pres­são po­dem pre­ju­di­car a con­cen­tra­ção, faz-se ne­ces­sá­ria a abor­da­gem de o que são es­ses trans­tor­nos. “A an­si­e­da­de é um sin­to­ma ge­ra­do pe­lo es­ta­do de vi­gí­lia e que po­de evo­luir gra­du­al­men­te pa­ra um qua­dro de es­tres­se se for pro­du­zi­do con­ti­nu­a­men­te du­ran­te um lon­go pe­río­do de tem­po. As ca­rac­te­rís­ti­cas des­se trans­tor­no são a pre­o­cu­pa­ção, o me­do, a sen­sa­ção de que al­go ruim po­de acon­te­cer a qual­quer mo­men­to, o pre­pa­ro fí-

si­co pa­ra uma si­tu­a­ção de emer­gên­cia, en­tre ou­tras. Ca­so não se­ja ade­qua­da­men­te tra­ta­da, a an­si­e­da­de po­de evo­luir pa­ra a de­pres­são que, por sua vez, com­pre­en­de sin­to­mas co­mo de­sâ­ni­mo, es­que­ci­men­to, insô­nia, tris­te­za sem cau­sa apa­ren­te, in­de­ci­são, mu­dan­ças de pe­so e de ape­ti­te”, es­cla­re­ce Ch­ristya­no Mal­ta, He­ad Mas­ter Co­a­ch da Ca­sa Co­a­ching (em­pre­sa vol­ta­da pa­ra a pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to de Co­a­ching).

Afi­nal, co­mo o emo­ci­o­nal in­flu­en­cia a con­cen­tra­ção?

To­dos os trans­tor­nos que afe­tam o psi­co­ló­gi­co di­fi­cul­tam o pro­ces­so de con­cen­tra­ção por mo­di­fi­ca­rem a pro­du­ção de neu­ro­trans­mis­so­res que in­flu­en­ci­am di­re­ta­men­te o fun­ci­o­na­men­to do hi­po­cam­po, prin­ci­pal ór­gão de ma­nu­ten­ção da aten­ção e da me­mó­ria. “Res­sal­ta-se, por­tan­to, que o de­sen­vol­vi­men­to da in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal é in­dis­pen­sá­vel pa­ra uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da e um ren­di­men­to mais sa­tis­fa­tó­rio nos pro­ces­sos cog­ni­ti­vos, co­mo a con­cen­tra­ção, a as­si­mi­la­ção e a me­mo­ri­za­ção de de­ter­mi­na­do con­teú­do”, acres­cen­ta Ch­ristya­no.

Além dis­so, de­pres­são e an­si­e­da­de ti­ram a ca­pa­ci­da­de da pes­soa vi­ver no ago­ra, pa­ra que es­te­ja vi­ven­do do pas­sa­do, ao es­tar de­pri­mi­do, ou do fu­tu­ro, ao es­tar an­si­o­so. Só no mo­men­to pre­sen­te so­mos ca­pa­zes de es­tar­mos con­cen­tra­dos e vi­ver­mos mo­men­to a mo­men­to, com pre­sen­ça cons­ci­en­te.

Pa­ra re­la­xar e me­lho­rar o emo­ci­o­nal

Con­fi­ra al­gu­mas al­ter­na­ti­vas pa­ra afas­tar a an­si­e­da­de, a de­pres­são e o es­tres­se! Mas­so­te­ra­pia: uma mas­sa- gem bem fei­ta vai além de so­men­te re­la­xar o can­sa­ço do dia a dia: to­ques e pres­sões em re­giões es­pe­cí­fi­cas aju­dam cor­po e men­te a fi­ca­rem mais le­ves. Is­so ocor­re por­que há au­men­to da cir­cu­la­ção do san­gue e re­la­xa­men­to dos mús­cu­los, re­du­zin­do as ten­sões. O sis­te­ma ner­vo­so pa­ras­sim­pá­ti­co tam­bém é ati­va­do, li­be­ran­do no­ra­dre­na­li­na, que re­la­xa o cor­po. No en­tan­to, pa­ra ga­ran­tir es­ses efei­tos, são ne­ces­sá­ri­as ses­sões re­gu­la­res de mas­sa­gem.

Fa­ça ati­vi­da­des fí­si­cas: a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos es­ti­mu­la a pro­du­ção de en­dor­fi­na no or­ga­nis­mo, res­pon­sá­vel pe­la sen­sa­ção de bem-es­tar. Es­sa subs­tân­cia aju­da a ali­vi­ar os sin­to­mas da an­si­e­da­de e da de­pres­são. Além dis­so, a no­ra­dre­na­li­na e a se­ro­to­ni­na são es­ta­bi­li­za­das ao su­ar a ca­mi­sa.

Me­di­te: muito pra­ti­ca­da pe­lo po­vos ori­en­tais, a téc­ni­ca mi­le­nar aju­da a equi­li­brar to­do o or­ga­nis­mo. Fi­car al­guns mi­nu­tos em si­lên­cio, na bus­ca de “es­va­zi­ar” a men­te, aju­da a afas­tar os pen­sa­men­tos que ex­plo­dem em uma crise de an­si­e­da­de. Além dis­so, a res­pi­ra­ção e os ba­ti­men­tos car­día­cos são re­gu­la­dos, o que traz bem-es­tar e se­re­ni­da­de.

CONSULTORIAS Ch­ristya­no Mal­ta, He­ad Mas­ter Co­a­ch da Ca­sa Co­a­ching; Mar­tin Port­ner e Va­nes­sa Mül­ler, neu­ro­lo­gis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.