Alerta cons­tan­te

Com me­do do fu­tu­ro, quem so­fre de an­si­e­da­de aca­ba não apro­vei­tan­do o pre­sen­te

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Com me­do do fu­tu­ro, o cé­re­bro an­si­o­so aca­ba não apro­vei­tan­do o pre­sen­te

Ao en­con­trar um co­nhe­ci­do que não vê há tem­pos e per­gun­tar­lhe co­mo an­da a vi­da, são gran­des as chan­ces de vo­cê ou­vir a se­guin­te res­pos­ta: “Na cor­re­ria de sem­pre”. Dia após dia, tor­na-se mais di­fí­cil en­con­trar quem não te­nha ade­ri­do à ro­ti­na agi­ta­da da vi­da ur­ba­na, cheia de afa­ze­res. No en­tan­to, além dos com­pro­mis­sos re­ais, há tam­bém as pre­o­cu­pa­ções – nem sem­pre fun­da­men­ta­das e, por na­tu­re­za, vin­cu­la­das ao fu­tu­ro. É aí que mo­ra o pe­ri­go: pen­sa­men­to per­sis­ten­te no ama­nhã, a pon­to de im­pe­dir que se des­fru­te do ho­je. Um pro­ble­ma cha­ma­do an­si­e­da­de.

In­dí­ci­os

Em pri­mei­ro lu­gar, é pre­ci­so di­zer que an­si­e­da­de não é de to­da má. Aliás, é uma ca­rac­te­rís­ti­ca do ser hu­ma­no que já veio de fá­bri­ca – ca­so não te­mes­se e ten­tas­se an­te­ci­par-se aos pe­ri­gos pa­ra seu pró­prio pes­co­ço (pre­da­do­res, frio, fo­me e fal­ta de abri­go), co­mo o ho­mem das ca­ver­nas te­ria evo­luí­do atra­vés dos tem­pos até o es­tá­gio atu­al?

“A an­si­e­da­de é uma re­a­ção na­tu­ral do or­ga­nis­mo hu­ma­no em si­tu­a­ções de me­do, dú­vi­da ou ex­pec­ta­ti­va. Ela pas­sa a ser con­si­de­ra­da do­en­ça psi­quiá­tri­ca quan­do os epi­só­di­os an- si­o­sos ocor­rem sem uma mo­ti­va­ção apa­ren­te, com mai­or in­ten­si­da­de e du­ra­ção, pas­san­do a in­ter­fe­rir no dia a dia do pa­ci­en­te”, es­cla­re­ce o psi­qui­a­tra Le­o­nard Ve­rea.

Um bom in­dí­cio de que o qua­dro tor­nou­se pa­to­ló­gi­co é a pre­sen­ça per­sis­ten­te de uma ou mais re­a­ções fí­si­cas co­mo bo­ca se­ca, ta­qui­car­dia, su­do­re­se ex­ces­si­va, ten­são mus­cu­lar, tre­mo­res, ton­tu­ra e dor de ca­be­ça, fru­tos de um de­se­qui­lí­brio nas fun­ções in­ter­nas. “A ex­ci­ta­ção ocor­re pe­la des­car­ga de um neu­ro­trans­mis­sor cha­ma­do no­ra­dre­na­li­na, pro­du­zi­do nas glân­du­las su­pra-re­nais (lo­ca­li­za­das nos rins), ce­rú­leo e nú­cleo amig­da­lói­de (que fi­cam no cé­re­bro)”, des­cre­ve o psi­qui­a­tra.

Des­gas­te além do men­tal

Com os sin­to­mas per­sis­tin­do por lon­gos pe­río­dos, é ine­vi­tá­vel que a men­te fi­que des­gas­ta­da, co­mo re­la­ta o pro­fes­sor de pós-gra­du­a­ção em psi­qui­a­tria Ale­xan­dre de Araú­jo Pereira: “A an­si­e­da­de ge­ra di­fi­cul­da­des de ren­di­men­to ce­re­bral, prin­ci­pal­men­te das fun­ções cog­ni­ti­vas, na for­ma de es­que­ci­men­tos e di­fi­cul­da­des de con­cen­tra­ção. Is­so é co­mum em pes­so­as que es­te­jam pas­san­do por uma fa­se di­fí­cil, sob gran­de es­tres­se, ou que te­nham trans­tor­no de an­si­e­da­de crô­ni­ca”.

Risco cres­cen­te

Quan­do há al­gum pro­ble­ma ex­ter­no que jus­ti­fi­que a an­si­e­da­de (di­nhei­ro, em­pre­go, relacionamentos ou fa­mí­lia), tor­na-se ain­da mais di­fí­cil re­sol­vê-lo: “O mo­vi­men­to men­tal exa­ge­ra­do cau­sa uma cer­ta con­fu­são e, con­se­quen­te­men­te, uma ine­fi­ci­ên­cia de ação. As pes­so­as em es­ta­do an­si­o­so perdem boa par­te de sua au­to­es­ti­ma, já que dei­xam de fa­zer mui­tas coi­sas por­que se jul­gam in­ca­pa­zes de re­a­li­zá-las”, alerta Le­o­nard.

Em uma re­a­ção em ca­deia, o or­ga­nis­mo co­mo um to­do aca­ba pre­ju­di­ca­do. O es­tres­se con­tí­nuo pro­vo­ca­do pe­la an­si­e­da­de é, em boa par­te, res­pon­sá­vel por mui­tos dos pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res e gas­troin­tes­ti­nais. Até mes­mo o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co fi­ca de­bi­li­ta­do, pre­dis­pon­do a pes­soa a in­fla­ma­ções e in­fec­ções.

En­tre os trans­tor­nos que têm co­mo ori­gens a an­si­e­da­de, es­tão as fo­bi­as, a sín­dro­me do pâ­ni­co, o trans­tor­no ob­ses­si­vo-com­pul­si­vo (TOC), o trans­tor­no de an­si­e­da­de e o es­tres­se pós-trau­má­ti­co – pa­ra sa­ber mais so­bre ca­da um de­les, con­fi­ra os bo­xes aci­ma. Quan­do to­dos se mis­tu­ram, o di­ag­nós­ti­co po­de ser de trans­tor­no de an­si­e­da­de ge­ne­ra­li­za­da (TAG).

Te­ria a ge­né­ti­ca uma par­ce­la de cul­pa na ocor­rên­cia de an­si­e­da­de? “Pes­qui­sas re­ve­lam que há a pos­si­bi­li­da­de de pais e avós an­si­o­sos trans­mi­ti­rem es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca pa­ra seus su­ces­so­res. Nes­tes ca­sos, os sin­to­mas se ma­ni­fes­tam des­de ce­do, sen­do uma criança agi­ta­da, às ve­zes hi­pe­ra­ti­va, que tem di­fi­cul­da­des pa­ra dor­mir e que cho­ra com fa­ci­li­da-

de”, con­fir­ma Le­o­nard. Ain­da as­sim, é vá­li­do res­sal­tar que a exposição de uma criança a um am­bi­en­te pro­ble­má­ti­co, em que ela se sin­ta in­se­gu­ra, po­de ge­rar an­si­e­da­de mes­mo em quem não apre­sen­te qual­quer ti­po de pre­dis­po­si­ção.

O con­tex­to em que a pes­soa es­tá in­se­ri­da apa­ren­ta ser mais pe­ri­go­so do que seu DNA. “Cer­ta­men­te, o nos­so rit­mo de vi­da mo­der­no po­de con­tri­buir com o agra­va­men­to da an­si­e­da­de nor­mal, já que vi­ve­mos em uma so­ci­e­da­de ex­tre­ma­men­te com­pe­ti­ti­va e exi­gen­te. Sa­ben­do dis­so, te­mos que sa­ber identificar nos­sos li­mi­tes e mu­dar há­bi­tos, ca­so es­te­jam ge­ran­do uma so­bre­car­ga sig­ni­fi­ca­ti­va so­bre as nos­sas vi­das. Te­mos que apren­der a vi­ver me­lhor o ago­ra, e não fi­car­mos fi­xa­dos no ama­nhã, al­go do que pa­de­ce o an­si­o­so”, pon­de­ra Ale­xan­dre.

Por­tan­to, acre­di­te: se vo­cê já se pre­o­cu­pa o bas­tan­te com o che­fe, o trân­si­to a ca­mi­nho do tra­ba­lho, as con­tas do mês, o de­ver de ca­sa dos fi­lhos, uma pro­va da fa­cul­da­de, to­me mui­to cui­da­do pa­ra não tor­ná-los di­le­mas mai­o­res do que já são. Ou, pi­or ain­da, cri­ar pro­ble­mas que nem mes­mo exis­tem.

Con­sul­to­ri­as Ale­xan­dre de Araú­jo Pereira, dou­tor em edu­ca­ção mé­di­ca e pro­fes­sor de pós-gra­du­a­ção em psi­qui­a­tria do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa e En­si­no Mé­di­co – IPEMED, em São Pau­lo (SP); Le­o­nard Ve­rea, psi­qui­a­tra es­pe­ci­a­li­za­do em me­di­ci­na psi­cos­so­má­ti­ca e hip­no­se di­nâ­mi­ca; Ma­ri­na Boc­ca­lan­dro, psi­có­lo­ga clí­ni­ca, pro­fes­so­ra da Pon­ti­fi­ca Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo (PUC-SP) e uma das au­to­ras do li­vro “Psi­co­lo­gia e Re­li­gião”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.