Vi­da com pra­zer

Ape­sar de ser al­go na­tu­ral de todo ser hu­ma­no, a se­xu­a­li­da­de ain­da é um as­sun­to que ge­ra po­lê­mi­ca e dis­cus­sões quando en­vol­ve a SD

Mente Curiosa - - PÍLULAS -

A se­xu­a­li­da­de ain­da é ta­bu quando en­vol­ve a SD. Sai­ba co­mo li­dar com es­sa ques­tão

Pa­ra os pais e res­pon­sá­veis mais con­ser­va­do­res, con­ver­sar com os fi­lhos a res­pei­to das ques­tões que en­vol­vem a se­xu­a­li­da­de é sem­pre um bi­cho de se­te ca­be­ças – sem con­tar a falta de jei­to quando são sur­pre­en­di­dos por uma per­gun­ta mais in­ci­si­va dos pe­que­nos. Ima­gi­ne, então, quando a cri­an­ça tem sín­dro­me de Down. Aí a si­tu­a­ção pa­re­ce mais com­ple­xa do que re­al­men­te é. Mui­tos não es­pe­ram por is­so e acre­di­tam que es­sas pes­so­as não vão de­mons­trar tal in­te­res­se – o que é um gran­de equívoco.

Co­mo fun­ci­o­na a se­xu­a­li­da­de na SD?

“A se­xu­a­li­da­de nas pes­so­as com Down é igual a de qual­quer ou­tra pes­soa. O obs­tá­cu­lo que se tem, na ver­da­de, é co­mo es­se in­di­ví­duo foi ori­en­ta­do so­bre es­sa ques­tão”, ex­pli­ca Zan Mus­tac­chi o pe­di­a­tra es­pe­ci­a­lis­ta em ge­né­ti­ca e sín­dro­me de Down. Es­se é o gran­de pon­to que en­vol­ve a te­má­ti­ca.

Ori­en­tar, na ver­da­de, vai mui­to além do que ape­nas ter uma bre­ve con­ver­sa so­bre a se­xu­a­li­da­de ou es­qui­var-se ao ser ques­ti­o­na­do, por exem­plo, so­bre a re­pro­dução hu­ma­na. As­sim co­mo to­das as pes­so­as, quem tem Down pas­sa pe­la fa­se de des­co­ber­tas e mui­tas dúvidas sur­gem so­bre o as­sun­to. Pa­ra fa­ci­li­tar es­se processo, os pais e res­pon­sá­veis pre­ci­sam es­tar pre­sen­tes pa­ra es­cla­re­cer e in­di­car os ca­mi­nhos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to.

Além dis­so, Zan res­sal­ta a ques­tão en­vol­ven­do se­xu­a­li­da­de e pri­va­ci­da­de. Ele exem­pli­fi­ca lem­bran­do que “os re­cep­to­res tá­teis da ge­ni­tá­lia são `mai­o­res' do que os da per­na, por exem­plo. Por is­so, ocor­re uma sen­sa­ção mais agra­dá­vel ao to­car­mos es­sa re­gião”. O es­pe­ci­a­lis­ta ci­ta que, se o in­di­ví­duo re­a­li­zar tal ação em um lo­cal ina­pro­pri­a­do e não for aler­ta­do, con­ti­nu­a­rá pra­ti­can­do da mes­ma for­ma, já que is­so re­sul­ta em pra­zer.

Qu­al a me­lhor saí­da quando a pes­soa co­me­ça a se es­ti­mu­lar em lo­cais pú­bli­cos?

Não se de­ve pu­nir a pes­soa por es­sa ati­tu­de. Mui­to pelo con­trá­rio! É aí que en­tra o diá­lo­go, já que is­so se tra­ta de al­go fi­si­o­ló­gi­co e nor­mal. “O que pre­ci­sa ser fei­to é uma ori­en­ta­ção ade­qua­da, ou se­ja, di­zer às pes­so­as com Down que os pais e os avós tam­bém fa­zem is­so, mas que, cu­ri­o­sa­men­te, elas nun­ca vi­ram nin­guém fa­zen­do. Por quê? Por­que de­ve ser fei­to no ba­nhei­ro ou no quar­to, com pri­va­ci­da­de. Se edu­cá-las da for­ma cor­re­ta, ha­ve­rá um re­sul­ta­do ide­al”, pon­tua Zan.

Em seu ar­ti­go so­bre es­se as­sun­to, os pes­qui­sa­do­res Fá­bio Gus­mão e Lí­lia Mo­rei­ra res­sal­tam a im­por­tân­cia des­sa re­la­ção pró­xi­ma, tan­to pes­so­al qu­an­to so­ci­al­men­te pa­ra as pes­so­as com sín­dro­me de Down. “A edu­ca­ção se­xu­al, in­se­ri­da no con­tex­to da edu­ca­ção glo­bal do in­di­ví­duo, es­ti­mu­la a evo­lu­ção do de­sen­vol­vi­men­to psi­cos­se­xu­al, pos­si­bi­li­tan­do a acei­ta­ção de re­gras sociais e a de­fi­ni­ção de va­lo­res se­xu­ais que cer­ta­men­te con­tri­bu­em pa­ra a in­clu­são so­ci­al da pes­soa com SD”, fri­sam.

CONSULTORIA Zan Mus­tac­chi, pe­di­a­tra es­pe­ci­a­lis­ta em ge­né­ti­ca e sín­dro­me de Down, no Cen­tro de Es­tu­dos e Pes­qui­sas Clí­ni­cas (Cepec) em São Pau­lo (SP). FONTE As­pec­tos ge­né­ti­cos e sociais da se­xu­a­li­da­de em pes­so­as com sín­dro­me de Down, de Fá­bio Gus­mão e Lí­lia Mo­rei­ra. Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (UFBA), 2002. Dis­po­ní­vel em: http://bit.ly/1obls­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.