É di­rei­to!

Uma sé­rie de di­rei­tos ga­ran­ti­dos vão des­de va­gas em es­ta­ci­o­na­men­tos à in­ser­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho. Co­nhe­ça as prin­ci­pais leis

Mente Curiosa - - PÍ­LU­LAS -

O que di­zem as prin­ci­pais leis que ga­ran­tem­ga­ran be­ne­fí­ci­os na saú­de, edu­ca­ção...

Des­de o dia 3 de ja­nei­ro de 2016, o Es­ta­tu­to das Pes­so­as com De­fi­ci­ên­cia (EPD) es­tá em vi­gor no Bra­sil. Tam­bém cha­ma­do de Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são, foi ins­ti­tuí­do pe­la lei nº. 13.146 no dia 6 de ju­lho de 2015, após mais de 12 anos de tra­mi­ta­ção no Con­gres­so Na­ci­o­nal. Mas es­sa não é a úni­ca le­gis­la­ção em vi­gor vol­ta­da às pes­so­as com sín­dro­me de Down. Sai­ba, a se­guir, quais leis fo­ram cri­a­das vi­san­do a in­clu­são e o com­ba­te ao pre­con­cei­to.

O que o Es­ta­tu­to das Pes­so­as com De­fi­ci­ên­cia de­fi­ne?

O pro­je­to ori­gi­nal é de au­to­ria do se­na­dor Pau­lo Paim (PT-RS) e re­la­to­ria de Ro­má­rio (PSB-RJ), no Se­na­do, e da de­pu­ta­da Ma­ra Ga­bril­li (PSDB-SP), na Câ­ma­ra. A no­va le­gis­la­ção, en­ca­ra­da co­mo um mar­co le­gal das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, tra­ta de ques­tões re­la­ci­o­na­das a di­ver­sos as­pec­tos da vi­da de quem tem al­gum ti­po de li­mi­ta­ção fí­si­ca ou in­te­lec­tu­al. Pe­lo EPD, é con­si­de­ra­da pes­soa com de­fi­ci­ên­cia aque­la que tem im­pe­di­men­to de lon­go pra­zo de na­tu­re­za fí­si­ca, men­tal, in­te­lec­tu­al ou sen­so­ri­al, e que, em in­te­ra­ção com uma ou mais bar­rei­ras, po­de obs­truir sua par­ti­ci­pa­ção ple­na e efe­ti­va na so­ci­e­da­de em igual­da­de de con­di­ções com os de­mais ci­da­dãos.

Quais as prin­ci­pais con­quis­tas re­la­ci­o­na­das ao es­ta­tu­to?

O EPD ga­ran­te, vi­san­do a in­clu­são so­ci­al, con­di­ções de aces­so às áre­as de edu­ca­ção, saú­de, tra­ba­lho, cul­tu­ra, es­por­te e in­fra­es­tru­tu­ra ur­ba­na, além de es­ta­be­le­cer pu­ni­ções pa­ra ati­tu­des dis­cri­mi­na­tó­ri­as con­tra es­sa par­ce­la da po­pu­la­ção. O tex­to pre­vê que a pes­soa com de­fi­ci­ên­cia tem di­rei­to a um au­xí­lio-in­clu­são (pa­ra quem tem de­fi­ci­ên­cia mo­de­ra­da ou gra­ve), per­mi­te o uso do Fun­do de Ga­ran­tia do Tem­po de Ser­vi­ço (FGTS) pa­ra aqui­si­ção de ór­te­ses e pró­te­ses, além de des­ti­nar es­pa­ços e as­sen­tos ade­qua­dos em te­a­tros, ci­ne­mas, es­tá­di­os e au­di­tó­ri­os. Tam­bém fi­ca de­fi­ni­do que ho­téis pos­su­am 10% de seus dor­mi­tó­ri­os aces­sí­veis, es­ta­ci­o­na­men­tos te­nham ao me­nos uma va­ga re­ser­va­da a car­ros de­vi­da­men­te si­na­li­za­dos e pro­ces­sos se­le­ti­vos de en­si­no su­pe­ri­or e de for­ma­ção téc­ni­ca re­ser­vem no mí­ni­mo 10% de su­as va­gas.

Es­co­las e pla­nos de saú­de po­dem fa­zer co­bran­ças di­fe­ren­ci­a­das a pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia?

Não. Um dos pon­tos al­tos do es­ta­tu­to foi a proi­bi­ção de co­bran­ça adi­ci­o­nal, tan­to em ma­trí­cu­las e men­sa­li­da­des, pa­ra alu­nos com ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas quan­to

em aqui­si­ções de pla­nos de saú­de pri­va­dos. “Se­gun­do a le­gis­la­ção, a edu­ca­ção cons­ti­tui um di­rei­to da pes­soa com de­fi­ci­ên­cia, as­se­gu­ran­do sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal in­clu­si­vo em to­dos os ní­veis e apren­di­za­do ao lon­go de to­da a vi­da”, des­ta­ca o ad­vo­ga­do Caio Sil­va de Sou­za. Pa­ra o ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to ci­vil Fa­bri­cio Po­soc­co, ca­be ao po­der pú­bli­co ga­ran­tir aces­so aos be­ne­fí­ci­os pre­vis­tos na lei. “O Es­ta­do de­ve as­se­gu­rar um sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal in­clu­si­vo, ofer­tar re­cur­sos de aces­si­bi­li­da­de e ga­ran­tir ple­no aces­so ao cur­rí­cu­lo em con­di­ções de igual­da­de”, lem­bra. Em re­la­ção à saú­de, Fa­brí­cio des­ta­ca que “quem im­pe­dir ou di­fi­cul­tar o in­gres­so da pes­soa com de­fi­ci­ên­cia em pla­nos pri­va­dos de saú­de es­tá su­jei­to a pe­na de dois a cin­co anos de de­ten­ção, além de mul­ta”.

Co­mo a Cons­ti­tui­ção pro­te­ge a pes­soa com sín­dro­me de Down?

O ar­ti­go 1º, in­ci­so III, da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de 1988 ser­ve de ba­se pa­ra di­ver­sos dis­po­si­ti­vos le­gais cri­a­dos es­pe­ci­al­men­te pa­ra pes­so­as com ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas. Um dos fun­da­men­tos que cons­ti­tu­em o es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to em que vi­ve­mos é o da “dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na”, es­sen­ci­al pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros, in­clu­si­ve pa­ra as pes­so­as com sín­dro­me de Down. Ain­da é en­fa­ti­za­do, no ar­ti­go 3º, in­ci­so IV, o de­ver do Es­ta­do em “pro­mo­ver o bem de to­dos, sem pre­con­cei­tos de ori­gem, ra­ça, se­xo, cor, ida­de e quais­quer ou­tras for­mas de dis­cri­mi­na­ção”. O ad­vo­ga­do Caio Sil­va de Sou­za lem­bra que a Cons­ti­tui­ção de­fi­ne a edu­ca­ção co­mo di­rei­to de to­dos e es­ta­be­le­ce a igual­da­de de con­di­ções de aces­so e per­ma­nên­cia na es­co­la. “A edu­ca­ção in­clu­si­va é um di­rei­to. Ela é o re­sul­ta­do de mui­tas dis­cus­sões, es­tu­dos teó­ri­cos e prá­ti­cas que ti­ve­ram a par­ti­ci­pa­ção e o apoio de or­ga­ni­za­ções de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia e edu­ca­do­res”, re­cor­da.

Exis­tem ou­tras leis que ga­ran­tem di­rei­tos às pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia?

Sim. En­tre elas, en­con­tra-se a pri­mei­ra nor­ma vol­ta­da es­pe­ci­fi­ca­men­te às pes­so­as com ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas, que foi san­ci­o­na­da em 1989. A lei nº. 7853 foi pi­o­nei­ra pa­ra a pro­mo­ção da in­clu­são so­ci­al. Ela as­se­gu­ra, en­tre ou­tras me­di­das, a in­ser­ção no sis­te- ma edu­ca­ci­o­nal, a ofer­ta obri­ga­tó­ria e gra­tui­ta de edu­ca­ção es­pe­ci­al, o in­cen­ti­vo de pro­gra­mas pre­ven­ti­vos na área da saú­de e de ações que vi­sem a in­tro­du­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho. A mes­ma lei pre­vê pu­ni­ções, de mul­ta a pri­são, a quem co­me­ter atos de des­res­pei­to aos di­rei­tos das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, co­mo a re­cu­sa de ma­trí­cu­la em es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no.

O Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te, cri­a­do em 1990 e aper­fei­ço­a­do com o pas­sar do tem­po, as­se­gu­ra o aten­di­men­to pri­o­ri­tá­rio na área da saú­de e aten­ção edu­ca­ci­o­nal es­pe­ci­a­li­za­da ao jo­vem com de­fi­ci­ên­cia.

Já a lei nº. 8.213, de 1991, obri­ga as em­pre­sas com 100 ou mais em­pre­ga­dos a pre­en­che­rem par­te de seu qua­dro de fun­ci­o­ná­ri­os com pes­so­as com al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia, da se­guin­te for­ma: co­ta de 2% pa­ra es­ta­be­le­ci­men­tos que pos­su­am de 100 a 200 em­pre­ga­dos; 3%, de 201 a 500 em­pre­ga­dos; 4%, de 501 a 1.000 em­pre­ga­dos; e 5%, de 1.000 em di­an­te. A Lei de Co­tas, co­mo é co­nhe­ci­da, au­men­tou sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a par­ti­ci­pa­ção des­sas pes­so­as no mer­ca­do de tra­ba­lho, sen­do res­pon­sá­vel por 92% das va­gas ocu­pa­das por pes­so­as com ne­ces­si­da­de es­pe­cí­fi­ca. In­fe­liz­men­te, mes­mo com a re­gra, me­nos de 10% dos car­gos são pre­en­chi­dos por pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia in­te­lec­tu­al – gru­po em que se en­con­tram as pes­so­as com sín­dro­me de Down (leia mais so­bre a par­ti­ci­pa­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho na pá­gi­na 32).

CON­SUL­TO­RI­AS Caio Sil­va de Sou­sa, ad­vo­ga­do, mem­bro da Co­mis­são de De­fe­sa dos Di­rei­tos da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia da OAB/RJ e pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio de di­rei­to pro­ces­su­al ci­vil e cons­ti­tu­ci­o­nal; Fa­bri­cio Sic­chi­e­rol­li Po­soc­co, pro­fes­sor e ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to ci­vil do es­cri­tó­rio Po­soc­co & As­so­ci­a­dos – Ad­vo­ga­dos e Con­sul­to­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.