O TER­MO DE­FI­CI­ÊN­CIA É ADE­QUA­DO?

Mente Curiosa - - PÍLULAS -

Na vi­são de Zan Mus­tac­chi, pe­di­a­tra es­pe­ci­a­lis­ta em ge­né­ti­ca e sín­dro­me de Down, o ter­mo uti­li­za­do po­de­ria ser mais “bran­do”, sen­do des­cri­to co­mo “com­pro­me­ti­men­to in­te­lec­tu­al”. “Ofi­ci­al­men­te, a li­te­ra­tu­ra des­cre­ve co­mo `de­fi­ci­ên­cia in­te­lec­tu­al', mas acre­di­to que es­se ter­mo ge­re um com­po­nen­te pre­con­cei­tu­o­so”, apon­ta. “`De­fi­ci­ên­cia in­te­lec­tu­al' já ge­ra uma por­ta fe­cha­da, um bre­que, uma res­tri­ção. E res­tri­ção sig­ni­fi­ca li­mi­te. E li­mi­te sig­ni­fi­ca `não dou opor­tu­ni­da­de'. E es­se é o pro­ble­ma cru­ci­al em re­la­ção à pro­ble­má­ti­ca da sín­dro­me de Down”, ale­ga. O que os gru­pos or­ga­ni­za­dos, co­mo a pá­gi­na da in­ter­net Mo­vi­men­to Down, fa­zem ques­tão de res­sal­tar é o fa­to de que a pes­soa é um in­di­ví­duo, e não a de­fi­ci­ên­cia. “Ter uma de­fi­ci­ên­cia não ca­rac­te­ri­za o in­di­ví­duo. Por is­so, é im­por­tan­te di­zer quem é a pes­soa pa­ra de­pois ci­tar a de­fi­ci­ên­cia. Por exem­plo: o fun­ci­o­ná­rio com sín­dro­me de Down, o alu­no com au­tis­mo, a pro­fes­so­ra ce­ga, e as­sim por di­an­te”, in­di­ca o tex­to ofi­ci­al do si­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.