Pa­ra ven­cer a depressão

Te­ra­pia, ses­são de aná­li­se... As op­ções de tra­ta­men­to pa­ra com­ba­ter o trans­tor­no

Mente Curiosa - - NOTAS -

Ade­pres­são, sem dú­vi­da, é uma das do­en­ças com mai­or po­ten­ci­al de aba­lar gran­de par­te da ca­pa­ci­da­de psi­co­ló­gi­ca e men­tal de uma pes­soa. Ape­sar de o ca­mi­nho pa­ra su­pe­rar es­se trans­tor­no ser complexo, ven­cê-lo é uma re­a­li­da­de pa­ra mui­tos ca­sos. Além da uti­li­za­ção de me­di­ca­men­tos, ou­tras ações têm pa­pel fun­da­men­tal na ho­ra de re­to­mar o con­tro­le da si­tu­a­ção. E es­ti­mu­lar a ati­vi­da­de men­tal do in­di­ví­duo, com ações po­si­ti­vas e au­to­con­fi­an­ça, po­de ser, em mui­tos ca­sos, um im­por­tam­te re­cur­so pa­ra es­sas si­tu­a­ções.

Re­co­nhe­ci­men­to di­fí­cil

Em primeiro lu­gar, é pre­ci­so dei­xar cla­ro que o ato de acei­tar que se es­tá em um qua­dro de­pres­si­vo não é fá­cil. “A depressão é um pro­ces­so mui­to ín­ti­mo, no qual a pes­soa re­jei­ta qual­quer coi­sa que ve­nha de fora do seu mun­do in­ter­no”, ex­pli­ca a psi- ca­na­lis­ta Cris­ti­a­ne Vi­la­ça.

Muitas ve­zes, es­sa di­fi­cul­da­de de as­su­mir o mo­men­to di­fí­cil tam­bém aca­ba in­flu­en­ci­an­do na ca­pa­ci­da­de de co­mu­ni­ca­ção. A psi­ca­na­lis­ta Be­a­triz Bre­ves com­ple­men­ta que, na mai­o­ria dos ca­sos, “is­so ocor­re por­que a pes­soa de­pri­mi­da, ge­ral­men­te, não con­se­gue en­con­trar for­ça ne­la mes­ma pa­ra so­li­ci­tar aju­da”.

Nes­sa fa­se, sem con­se­guir re­co­nhe­cer a ne­ces­si­da­de de re­cor­rer a ou­tros in­di­ví­du­os, ele se fe­cha ca­da vez mais; e é aí que o qua­dro ge­ra mais pre­o­cu­pa­ção. Se­gun­do Cris­ti­a­ne, a bus­ca por apoio tar­dia é pre­ju­di­ci­al por­que “a pes­soa com depressão só irá en­ten­der que es­tá em uma si­tu­a­ção que ne­ces­si­ta de aju­da quan­do a dor emo­ci­o­nal já se tor­nou in­sus­ten­tá­vel”.

A psi­co­te­ra­pia pa­ra di­as me­lho­res

Se­ja nos ca­sos mais gra­ves ou nos que es­tão ain­da no prin­cí­pio, con­tar com um acom­pa­nha­men­to é es­sen­ci­al pa­ra vol­tar ao es­ta­do de es­pí­ri­to usu­al. “A depressão é um sin­to­ma de fal­ta de co­ne­xão con­si­go mes­mo. A pes­soa se per­deu e pre­ci­sa se re­en­con­trar, lo­ca­li­zar o pro­pó­si­to de sua vi­da. E, pa­ra tan­to, pre­ci­sa se co­nhe­cer “, es­cla­re­ce a psi­ca­na­lis­ta Jú­lia Bá­rány.

A pro­fis­si­o­nal tam­bém ci­ta que, nes­se pro­ces­so, a re­la­ção do in­di­ví­duo com o am­bi­en­te é fun­da­men­tal pa­ra for­ta­le­cer as su­as for­ças in­ter­nas. “Quan­do con­se­gui­mos des­per­tar no pa­ci­en­te a von­ta­de de sa­ber, con­se­gui­mos re­a­cen­der ne­le a cha­ma da vi­da”, pon­tua.

Pa­ra al­can­çar es­ses re­sul­ta­dos, os pro­fis­si­o­nais que cui­dam das saú­des men­tal e fí­si­ca do pa­ci­en­te se uti­li­zam de di­ver­sos re­cur­sos, co­mo a psi­co­te­ra­pia. “A te­ra­pia au­xi­lia a pes­soa a ex­plo­rar a raiz da sua depressão e, com is­so, com­pre­en­der as ra­zões pe­las que acar­re­ta­ram a do­en­ça e en­tão bus­car os ca­mi­nhos pa­ra uma vi­da sau­dá­vel”, es­cla­re­ce o psi­ca­na­lis­ta Paulo Pai­va.

Aju­da es­pe­ci­a­li­za­da

In­se­ri­do nes­se con­tex­to, o pro­fis­si­o­nal por trás do au­xí­lio as­su­me um pa­pel fun­da­men­tal no tra­je­to ru­mo à re­cu­pe­ra­ção. “O psi­ca­na­lis­ta uti­li­za vá­ri­as fer­ra­men­tas pa­ra que a pes­soa re­com­po­nha os pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos e pas­se a en­xer­gar a re­a­li­da­de dos fa­tos e dos pro­ble­mas, se li­ber­tan­do da atmosfera ne­ga­ti­va. Além dis­so, vai en­si­ná-la a li­dar me­lhor com os pro­ble­mas, seus sen­ti­men­tos e sua his­tó­ria”, as­si­na­la Paulo.

Ape­sar de to­da es­sa re­le­vân­cia, Jú­lia fri­sa que o es­pe­ci­a­lis­ta pos­sui um ca­rá­ter co­ad­ju­van­te pe­ran­te a re­al con­di­ção de mu­dan­ça do in­di­ví­duo. “O bom pro­fis­si­o­nal sa­be aju­dar o pa­ci­en­te a ir ao encontro de si mes­mo. Quem faz a cu­ra não é o te­ra­peu­ta; ele ape­nas mon­ta o ce­ná­rio e as cir­cuns­tân­ci­as, e a pes­soa é que se cu­ra”, com­ple­men­ta.

Be­a­triz rei­te­ra que es­sa é a pos­tu­ra ide­al a se man­ter pa­ra que o pa­ci­en­te en­con­tre, no­va-

men­te, o ca­mi­nho do bem-es­tar e de­sen­vol­va os re­cur­sos in­ter­nos que o aju­da­rão a ad­mi­nis­trar a sua con­di­ção. “O ana­lis­ta de­ve se co­lo­car de for­ma em­pá­ti­ca, fun­ci­o­nan­do, ini­ci­al­men­te, co­mo um su­por­te pa­ra que pes­soa de­pri­mi­da pos­sa en­con­trar apoio te­ra­pêu­ti­co até que, ao se sen­tir me­lhor, pos­sa ir co­nhe­cen­do a di­nâ­mi­ca e o fun­ci­o­na­men­to de sua re­a­li­da­de psí­qui­ca”, des­ta­ca.

Pen­sa­men­to po­si­ti­vo

“A mu­dan­ça ocor­re de dentro pa­ra fora e, por meio da te­ra­pia, es­sas pes­so­as po­dem mu­dar a men­ta­li­da­de e os pen­sa­men­tos de­pres­si­vos”, apon­ta Paulo. Es­sa li­nha é uma das mais re­co­men­da­das pa­ra o tra­ta­men­to de pes­so­as com a do­en­ça.

Pa­ra a psi­qui­a­tra Ma­ria Cris­ti­na de Ste­fa­no, tais re­cur­sos po­dem ser abor­da­dos por di­ver­sos mé­to­dos, des­de a psi­ca­ná­li­se até di­fe­ren­tes ti­pos de psi­co­te­ra­pia (in­di­vi­du­al, de gru­po, de ca­sal, en­tre ou­tros). “Es­ses pro­ce­di­men­tos de­vem le­var a pes­soa a re­fle­tir, re­pen­sar, re­a­va­li­ar seus va­lo­res

pes­so­ais, sua au­toi­ma­gem, au­to­co­nhe­ci­men­to e fa­zer com que as­su­ma as su­as de­ci­sões e es­co­lhas pa­ra o que ela con­si­de­ra co­mo qua­li­da­de de vi­da”, re­for­ça.

As­sim, a for­ça de von­ta­de do pa­ci­en­te é fun­da­men­tal pa­ra al­can­çar o re­sul­ta­do po­si­ti­vo du­ran­te e após o tra­ta­men­to. “A mu­dan­ça de men­ta­li­da­de, de au­toi­ma­gem, de de­pre­ci­a­ção e de tris­te­za e de­sâ­ni­mo acon­te­ce em con­sequên­cia do encontro con­si­go mes­mo. Is­so ocor­re por­que to­dos nós, sem ex­ce­ção, te­mos a luz dentro de nós. Nos ca­sos da depressão, acon­te­ce que al­guns a aba­fam a pon­to de não en­xer­gá-la mo­men­ta­ne­a­men­te”, ilus­tra Jú­lia.

Cé­re­bro em ação

Con­tu­do, o tra­ta­men­to de um pa­ci­en­te de­pres­si­vo não se li­mi­ta aos pro­ce­di­men­tos re­la­ci­o­na­dos à psi­co­lo­gia e à psi­ca­ná­li­se. Os avan­ços da neu­ro­ci­ên­cia pos­si­bi­li­ta­ram no­vos mé­to­dos de in­ter­ven­ção — com re­sul­ta­dos que dei­xam uma sen­sa­ção de oti­mis­mo no ar. Mas va­le o aler­ta: to­das as téc­ni­cas ne­ces­si­tam da pres­cri­ção de um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do. “A ele­tro­con­vul­so­te­ra­pia, ape­sar do es­tig­ma que vem car­re­gan­do ao lon­go de dé­ca­das, tal­vez se­ja a mo­da­li­da­de de tra­ta­men­to pa­ra depressão mais efi­caz que exis­te atu­al­men­te no ar­se­nal te­ra­pêu­ti­co”, apon­ta o psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha.

Ain­da pou­co co­nhe­ci­da por gran­de par­te da so­ci­e­da­de, es­sa téc­ni­ca ne­ces­si­ta do con­sen­ti­men­to e até do­cu­men­to as­si­na­do pe­lo pa­ci­en­te ou por um res­pon­sá­vel ca­so o mes­mo não te­nha con­di­ção fí­si­ca ou men­tal pa­ra as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de.

Es­sas me­di­das são ne­ces­sá­ri­as por cau­sa do fun­ci­o­na­men­to da te­ra­pia. “O pro­ce­di­men­to de es­tí­mu­lo tem que ser re­a­li­za­do em um re­gi­me de anes­te­sia ge­ral ou se­da­ção pro­fun­da que cha­ma­mos de blo­queio neu­ro­mus­cu­lar. Es­se re­cur­so se tra­ta de um gru­po de me­di­ca­men­tos que re­la­xa to­da a mus­cu­la­tu­ra vo­lun­tá­ria, sem­pre na pre­sen­ça de um anes­te­sis­ta com mo­ni­to­ra­men­to dos si­nais vi­tais con­tí­nu­os com ele­tro­car­di­o­gra­ma, sa­tu­ra­ção de oxi­gê­nio e me­di­ção da pres­são ar­te­ri­al. Além dis­so, em to­das as cir­cuns­tân­ci­as, há o con­sen­ti­men­to in­for­ma­do, ou se­ja, o pa­ci­en­te, ca­so pos­sua con­di­ções, é co­mu­ni­ca­do que vai ser sub­me­ti­do a es­se tra­ta­men­to”, ex­pli­ca Ro­dri­go.

Por meio des­sa téc­ni­ca, si­nais elé­tri­cos es­ti­mu­lam a ati­vi­da­de ce­re­bral por um cur­to es­pa­ço de tem­po — ge­ral­men­te, me­nos de um mi­nu­to em ca­da uma das dez ses­sões (quan­ti­da­de ini­ci­al pa­ra o tra­ta­men­to). Com is­so, em mui­tos ca­sos, é pos­sí­vel ali­vi­ar boa par­te dos sin­to­mas ca­rac­te­rís­ti­cos da depressão.

Na mes­ma ver­ten­te da ele­tro­con­vul­so­te­ra­pia, Ro­dri­go ci­ta que ou­tros mé­to­dos tam­bém vi­sam in­du­zir o cé­re­bro a fun­ci­o­nar me­lhor fren­te à depressão. “Há a es­ti­mu­la­ção mag­né­ti­ca trans­cra­ni­a­na, que se ba­seia na co­lo­ca­ção de um apa­re­lho pa­ra ge­rar um in­ten­so cam­po mag­né­ti­co em de­ter­mi­na­das re­giões ce­re­brais. Exis­tem tam­bém os mar­ca­pas­sos in­tra­ce­re­brais pa­ra o tra­ta­men­to do qua­dro de­pres­si­vo e mei­os co­mo a es­ti­mu­la­ção va­gal in­ter­mi­ten­te, que se as­se­me­lham ao sis­te­ma do mar­ca­pas­so”, elen­ca.

“A depressão é um sin­to­ma de fal­ta de co­ne­xão con­si­go mes­mo. A pes­soa se per­deu e pre­ci­sa se re­en­con­trar, lo­ca­li­zar o pro­pó­si­to de sua vi­da. E, pa­ra tan­to, pre­ci­sa se co­nhe­cer.” Jú­lia Bá­rány, psi­ca­na­lis­ta

CONSULTORIAS Be­a­triz Bre­ves, psi­ca­na­lis­ta e fun­da­do­ra e pre­si­den­te da So­ci­e­da­de da Ci­ên­cia do Sen­tir, no Rio de Ja­nei­ro (RJ); Cris­ti­a­ne Vi­la­ça, psi­ca­na­lis­ta; Jú­lia Bá­rány, psi­ca­na­lis­ta; Ma­ria Cris­ti­na de Ste­fa­no, psi­qui­a­tra; Paulo Pai­va, psi­ca­na­lis­ta, co­a­ch e es­pe­ci­a­lis­ta em ges­tão de pes­so­as; Ro­dri­go Pes­sa­nha, psi­qui­a­tra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.