Há TRA­TA­MEN­TO PA­RA TO­DOS OS CA­SOS?

Mente Curiosa - - NOTAS -

Mes­mo com to­da ex­pec­ta­ti­va ge­ra­da pe­los tra­ta­men­tos tra­di­ci­o­nais e pe­las no­vas fer­ra­men­tas, mui­tos ca­sos ain­da pa­re­cem sem so­lu­ção, se­ja pe­la fal­ta de in­for­ma­ção ou pe­los obs­tá­cu­los en­con­tra­dos no de­cor­rer do pro­ces­so. “É mui­to im­por­tan­te fa­zer uma di­fe­ren­ci­a­ção en­tre o que cha­ma­mos de pa­ci­en­te re­fra­tá­rio (aque­le que não con­se­gue apre­sen­tar uma me­lho­ra sa­tis­fa­tó­ria e con­ti­nu­a­da) da­que­le que não foi ade­qua­da­men­te tra­ta­do ou não foi sub­me­ti­do a to­dos os re­cur­sos dis­po­ní­veis e pos­sí­veis pa­ra tra­tar es­sa do­en­ça”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha.

Ain­da as­sim, o pro­fis­si­o­nal de­mons­tra oti­mis­mo com um fu­tu­ro pró­xi­mo e apon­ta que al­guns ajus­tes nes­sas ques­tões po­dem tor­ná-las ain­da mais po­si­ti­vas. “Eu sem­pre di­go que é ca­da vez mais im­pro­vá­vel que nos de­pa­re­mos com um ca­so in­tra­tá­vel de depressão”, com­ple­men­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.