Ob­ses­são que ma­ta

O que le­va um ho­mem ou uma mu­lher a as­sas­si­na­tos mo­vi­dos por ciú­me, frus­tra­ção e des­con­tro­le?

Mente Curiosa - - NEWS -

O que le­va uma pes­soa a co­me­ter cri­mes por ciú­me, des­con­tro­le ou frus­tra­ção?

“Quem ama não ma­ta”. No iní­cio da dé­ca­da de 80, uma sé­rie de pi­cha­ções com fra­ses de pro­tes­to – a exem­plo des­ta do iní­cio da re­por­ta­gem, que tam­bém ba­ti­zou uma mi­nis­sé­rie da TV Glo­bo – pin­ta­va os mu­ros de Be­lo Ho­ri­zon­te. Na épo­ca, o pau­lis­ta Raul Fer­nan­des do Ama­ral Stre­et, co­nhe­ci­do co­mo Do­ca Stre­et, foi con­de­na­do a 15 anos de pri­são pe­lo as­sas­si­na­to da na­mo­ra­da Ân­ge­la Di­niz. Pri­mei­ra­men­te, con­se­guiu sus­pen­são con­di­ci­o­nal da pe­na. En­tre­tan­to, a mo­bi­li­za­ção dos mo­vi­men­tos de lu­ta pe­lo fim da vi­o­lên­cia con­tra mu­lhe­res re­sul­tou em vi­tó­ria: um no­vo jul­ga­men­to no qual, des­ta vez, Do­ca não es­ca­pou da pri­são.

O as­sas­si­no foi con­de­na­do em 1981. Um ano de­pois, a tra­ma glo­bal foi ao ar tra­zen­do à luz a ques­tão dos cri­mes pas­si­o­nais. Ob­vi­a­men­te, ca­da ca­so de­ve ser ana­li­sa­do com cau­te­la e mi­nú­cia, mas exis­tem de­ta­lhes que, qu­a­se sem­pre, se apre­sen­tam no per­fil da pes­soa que ma­ta “por amor”. “Ain­da na in­fân­cia, é pre­ci­so de­sen­vol­ver a ma­tu­ri­da­de no sen­ti­do de não en­xer­gar o ou­tro co­mo uma ‘ex­ten­são de si’. Uma cri­an­ça que sa­be li­dar com a frus­tra­ção, que às ve­zes ga­nha, mas mui­tas ve­zes tam­bém per­de, te­rá ma­tu­ri­da­de pa­ra tra­ba­lhar com os fra­cas­sos, in­clu­si­ve no que diz res­pei­to à ‘não-cor­res­pon­dên­cia’ do ou­tro. Ou se­ja, se o ou­tro não é tu­do que ima­gi­nei, ou não faz tu­do que eu gos­ta­ria que fi­zes­se, sa­be­rei acei­tá-lo. Ou, se não sou­ber acei­tá-lo, sa­be­rei dei­xá-lo se­guir, bem co­mo ca­da um de­ve se per­mi­tir se­guir adi­an­te de uma ex­pec­ta­ti­va frus­tra­da”, co­men­ta a psi­có­lo­ga Eli­a­na Mar­ti­ni.

Não que to­do in­di­ví­duo que pra­ti­ca um cri­me clas­si­fi­ca­do co­mo pas­si­o­nal te­nha de­sen­vol­vi­do a per­so­na­li­da­de vi­o­len­ta por ques­tões re­la­ti­vas à in­fân­cia – e tam­bém não sig­ni­fi­ca que to­da cri­an­ça que não se frus­tra se­rá vi­o­len­ta nos re­la­ci­o­na­men­tos –, mas exis­te, sim, uma sé­rie de fa­to­res que, jun­tos, for­mam os ele­men­tos da tra­gé­dia. Até mes­mo a re­la­ção com ami­gos po­de ser de­ci­si­va pa­ra que al­guém de­ci­da co­me­ter um cri­me. A se­guir, elen­ca­mos al­gu­mas das tra­gé­di­as que se con­fi­gu­ram co­mo “cri­mes pas­si­o­nais” com par­ti­cu­la­ri­da­des en­tre elas, mas to­das, sem dú­vi­da, cho­can­tes.

Ca­so Eu­cli­des da Cu­nha

Em 1909, o es­cri­tor Eu­cli­des da Cu­nha, con­sa­gra­do por Os Ser

tões, en­tre ou­tras obras de su­ces­so, des­co­briu que sua es­po­sa, Ana Emí­lia, ti­ve­ra um re­la­ci­o­na­men­to com Di­ler­man­do de As­sis, en­quan­to Eu­cli­des es­ta­va em vi­a­gem – a mu­lher deu à luz um me­ni­no, fru­to do re­la­ci­o­na­men­to com Di­ler­man­do, e a cri­an­ça foi acei­ta pe­lo es­cri­tor.

Eu­cli­des da Cu­nha foi à ca­sa de Di­ler­man­do, on­de fla­grou sua es­po­sa com o aman­te. Ar­ma­do, ti­nha a in­ten­ção de ma­tar o “ri­val”, mas foi ini­ci­a­do um ti­ro­teio que vi­ti­mou o es­cri­tor de ma­nei­ra fa­tal. Se­te anos de­pois, Eu­cli­des da Cu­nha Fi­lho ten­tou ma­tar seu pa­dras­to pa­ra vin­gar a mor­te do pai, mas tam­bém aca­bou as­sas­si­na­do.

Ca­so Eloá

Em 2008, Eloá Pi­men­tel na­mo­ra­va Lin­dem­berg Al­ves, en­tre idas e vin­das. Con­tu­do, o jo­vem fi­cou in­con­for­ma­do com o que se­ria o úl­ti­mo tér­mi­no e se­ques­trou a ex­na­mo­ra­da por 100 ho­ras. De­pois dos di­as de ten­são te­le­vi­si­o­na­da, a po­lí­cia op­tou por in­va­dir o apar­ta­men­to on­de Lin­dem­berg man­ti­nha Eloá e Naya­ra, ami­ga da jo­vem, co­mo re­fém. No mo­men­to da in­va­são, o se­ques­tra­dor dis­pa­rou dois ti­ros con­tra a ví­ti­ma, que foi le­va­da ao hos­pi­tal, mas mor­reu an­tes de ser so­cor­ri­da. Lin­dem­berg foi con­de­na­do em fe­ve­rei­ro de 2012 a 98 anos e dez me­ses de re­clu­são pe­la mor­te de Eloá e ou­tros 11 cri­mes. En­tre­tan­to, em ju­nho de 2013 sua pe­na foi re­du­zi­da pa­ra 39 anos e três me­ses em re­gi­me fe­cha­do.

Ca­so Eli­ze Mat­su­na­ga

Ca­sa­da com o em­pre­sá­rio Mar­cos Mat­su­na­ga, Eli­ze des­con­fi­a­va que seu ma­ri­do ti­ves­se uma aman­te. Con­tra­tou um de­te­ti­ve pa­ra re­gis­trar ima­gens da su­pos­ta trai­ção e, se­gun­do sua ver­são, dis­cu­tiu com Mar­cos de­pois de re­ve­lar co­nhe­ci­men­to so­bre o adul­té­rio. Mar­cos a te­ria ame­a­ça­do, di­zen­do que fu­gi­ria com a fi­lha do ca­sal. Eli­ze ma­tou o ma­ri­do a ti­ros e es­quar­te­jou o cor­po, ten­tan­do se li­vrar dos res­tos mor­tais. Foi pre­sa em São Pau­lo e aguar­da os pró­xi­mos pro­ce­di­men­tos da Jus­ti­ça.

Ca­so Pi­men­ta Ne­ves

Ex-di­re­tor do jor­nal O Es­ta

do de São Pau­lo, Ne­ves man­ti­nha um re­la­ci­o­na­men­to com a jor­na­lis­ta San­dra Go­mi­de, até que o na­mo­ro che­gou ao fim. Pi­men­ta Ne­ves pas­sou a per­se­guir a ex-na­mo­ra­da, ame­a­çá-la e agre­di -la – o que fez com que a fa­mí­lia da ví­ti­ma con­tra­tas­se um se­gu­ran­ça pa­ra acom­pa­nhar San­dra.

Em 2000, Go­mi­de foi até um ha­ras que cos­tu­ma­va fre­quen­tar, no in­te­ri­or de São Pau­lo, qu­an­do foi sur­pre­en­di­da por Pi­men­ta Ne­ves, que ten­ta­va re­a­tar o ro­man­ce. Os dois dis­cu­ti­ram e o as­sas­si­no dis­pa­rou du­as ve­zes con­tra a jor­na­lis­ta, que mor­reu no lo­cal.

Em 2006, foi con­de­na­do a 19 anos de pri­são por jú­ri po­pu­lar, mas em se­tem­bro de 2015, a de­fe­sa de Pi­men­ta Ne­ves en­trou com um pe­di­do de pro­gres­são de pe­na do re­gi­me se­mi­a­ber­to pa­ra o aber­to. O be­ne­fí­cio foi con­ce­di­do e, atu­al­men­te, o au­tor do cri­me vi­ve em sua ca­sa na zo­na oes­te de São Pau­lo, po­den­do an­dar li­vre­men­te até o anoi­te­cer, qu­an­do de­ve se re­co­lher à re­si­dên­cia. No to­tal, Pi­men­ta Ne­ves fi­cou ape­nas pou­co mais de cin­co anos na pri­são.

Ca­so Da­ni­e­la Pe­rez

O en­re­do da no­ve­la De

Cor­po e Al­ma, exi­bi­da em 1992, in­cluía o ca­sal Yas

min e Bi­ra – in­ter­pre­ta­dos por Da­ni­el­la Pe­rez e Gui­lher­me de Pá­dua – que pro­ta­go­ni­za­vam um ro­man­ce. Con­tu­do, a fic­ção pro­vo­cou uma tra­gé­dia na vi­da re­al: Pau­la Tho­maz, en­tão es­po­sa de Gui­lher­me, pas­sou a ali­men­tar ciú­me da re­la­ção en­tre a atriz Da­ni­el­la (fi­lha de Gló­ria Pe­rez) e seu par na tra­ma. O ca­sal Gui­lher­me e Pau­la ela­bo­rou um pla­no pa­ra as­sas­si­nar Da­ni­el­la – na épo­ca afir­mou-se que o ator te­ria si­do con­ven­ci­do pe­la es­po­sa de que seu pa­pel na no­ve­la es­ta­va sen­do di­mi­nuí­do pe­la atu­a­ção de Pe­rez. Os as­sas­si­nos es­tran­gu­la­ram a ví­ti­ma, que ain­da foi apu­nha­la­da com gol­pes de te­sou­ra. Gui­lher­me foi con­de­na­do a 19 anos de pri­são, cum­priu um ter­ço da pe­na e foi li­ber­to por bom com­por­ta­men­to. Sua ex-mu­lher, Pau­la, foi con­de­na­da a 15 anos e cum­priu cin­co de­les, li­ber­ta pe­lo mes­mo mo­ti­vo.

Eli­ze E mar­cos Da­ni­e­la PE­REZ Eloá Pi­men­tel Eu­cli­des Da cu­nha Pi­men­ta ne­ves

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.