Di­ag­nós­ti­co cri­te­ri­o­so

Di­ag­nos­ti­car um por­ta­dor do trans­tor­no é com­ple­xo e de­mo­ra­do, mas al­guns tra­ços po­dem fa­ci­li­tar es­se pro­ces­so

Mente Curiosa - - NEWS -

Es­ca­la de aná­li­se, clas­si­fi­ca­ções e si­nais que iden­ti­fi­cam um psi­co­pa­ta

As­sas­si­nos ou não, os per­fis de psicopatas são va­riá­veis e seus com­por­ta­men­tos e ati­tu­des po­dem con­tri­buir pa­ra que pas­sem qu­a­se des­per­ce­bi­dos pe­ran­te a so­ci­e­da­de. Mui­tas ve­zes, tal dis­far­ce é ado­ta­do de ma­nei­ra vo­lun­tá­ria, com o in­tui­to de per­su­a­dir quem es­tá ao re­dor. Ape­sar de mui­tos psicopatas não se­rem cri­mi­no­sos, a iden­ti­fi­ca­ção do trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al tor­na-se com­ple­xa de­vi­do à ca­pa­ci­da­de de mas­ca­rar gran­de par­te das si­tu­a­ções que po­de­ri­am com­pro­me­ter seus pla­nos. “Re­co­nhe­cer pre­vi­a­men­te um so­ci­o­pa­ta é com­pli­ca­do pois, nor­mal­men­te, são mui­to es­tra­té­gi­cos, in­te­li­gen­tes e ar­di­lo­sos. In­fe­liz­men­te, cos­tu­ma-se di­zer que são re­co­nhe­ci­dos ape­nas de­pois de te­rem co­me­ti­do al­gum ato le­si­vo”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Ra­quel Sta­er­ke.

O prin­cí­pio

Mes­mo de di­fí­cil iden­ti­fi­ca­ção, al­gu­mas con­du­tas ado­ta­das por es­ses in­di­ví­du­os, de cer­to mo­do, os dei­xam ex­pos­tos às pes­so­as. “Ge­ral­men­te, os psicopatas são fri­os, ra­ci­o­nais, dis­si­mu­la­dos, men­ti­ro­sos e ego­cên­tri­cos. Não em­pa­ti­zam com os sen­ti­men­tos dos ou­tros, são mui­to ma­ni­pu­la­do­res e não to­le­ram li­mi­tes. Des­sa for­ma, o di­ag­nós­ti­co é fei­to por meio de al­te­ra­ções de com­por­ta­men­to e de in­te­ra­ção com ou­tras pes­so­as”, des­cre­ve o psi­qui­a­tra Sér­gio Ta­mai.

Nes­se cam­po re­ple­to de in­cer­te­zas, mui­tos pes­qui­sa­do­res ten­ta­ram des­ven­dar os mis­té­ri­os que en­vol­vem a psi­co­pa­tia e en­con­trar ca­rac­te­rís­ti­cas pa­ra de­fi­nir um “pa­drão” apre­sen­ta­do por es­ses in­di­ví­du­os. O pi­o­nei­ro foi o psi­có­lo­go ca­na­den­se Ro­bert Ha­re, que es­tu­da e ana­li­sa os psicopatas há mais de três dé­ca­das. No iní­cio dos anos 1990, o es­pe­ci­a­lis­ta de­sen­vol­veu um tes­te pa­ra ava­li­a­ção, con­ten­do 20 tó­pi­cos – al­guns pro­fis­si­o­nais tra­ba­lham com 12 (ve­ja-os no box na pró­xi­ma pá­gi­na) –, que pos­su­em no­tas de 0 a 2. Quan­to mais bai­xo é o re­sul­ta­do, me­nor a chan­ce de ser um psi­co­pa­ta; e, quan­to mai­or, o in­di­ví­duo pos­sui mais ca­rac­te­rís­ti­cas tí­pi­cas do trans­tor­no.

A prin­cí­pio, a cha­ma­da Es­ca­la Ha­re ou Psy­co­pathy Chec­klist Re­vi­sed (PCL-R) foi de­sen­vol­vi­da pa­ra ava­li­ar acu­sa­dos de cri­mes – fi­na­li­da­de que per­ma­ne­ce até ho­je –, mas sua apli­ca­ção não é tão sim­ples: em um pri­mei­ro mo­men­to, há a sua uti­li­za­ção e, de­pois, os re­sul­ta­dos são che­ca­dos con­for­me o his­tó­ri­co do pa­ci­en­te.

Di­fe­ren­tes clas­si­fi­ca­ções

As­sim co­mo gran­de par­te dos trans­tor­nos, o de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al é sub­di­vi­di­do em gru­pos, já que nem to­dos apre­sen­tam re­a­ções se­me­lhan­tes fren­te às si­tu­a­ções. A pri­o­ri, são du­as clas­si­fi­ca­ções: na pri­má­ria, os in­di­ví­du­os não res­pon­dem a cas­ti­gos, à de­sa­pro­va­ção e à re­pro­va­ção, e pa­re­cem não pos­suir ne­nhu­ma emo­ção. Já na se­cun­dá­ria, o psi­qui­a­tra João Jor­ge res­sal­ta que os psicopatas “apre­sen­tam mai­or au­dá­cia, são mais pro­a­ti­vos ao re­a­gir a si­tu­a­ções de es­tres­se, mais guer­rei­ros e pro­pen­sos a cul­par os ou­tros. Es­ta­be­le­cem su­as pró­pri­as re­gras e são con­du­zi­dos for­te­men­te por um de­se­jo de es­ca­par ou de não sen­tir dor”.

“Re­co­nhe­cer os si­nais de vo­lu­bi­li­da­de dos com­por­ta­men­tos, do en­can­to pes­so­al, da men­ti­ra pa­to­ló­gi­ca, da ma­ni­pu­la­ção/chan­ta­gem emo­ci­o­nal e au­sên­cia de re­mor­so são al­guns pas­sos pa­ra cons­ta­tar quem é por­ta­dor des­te trans­tor­no.” Ar­man­do Ri­bei­ro, psi­có­lo­go

Além dis­so, o psi­qui­a­tra apre­sen­ta a de­fi­ni­ção de ou­tros dois gru­pos. Os des­con­tro­la­dos, que pa­re­cem fi­car com rai­va ou en­lou­que­cer mais fa­cil­men­te. “Na cri­se, as­se­me­lha-se a um ata­que epi­lé­ti­co. Apre­sen­tam im­pul­so e ener­gia se­xu­al mui­to for­te. Sua an­si­e­da­de po­de le­var à de­pen­dên­cia de dro­gas, clep­to­ma­nia (ví­cio em co­me­ter fur­tos), pe­do­fi­lia ou qual­quer coi­sa ilí­ci­ta”, acres­cen­ta. Exis­tem tam­bém os psicopatas ca­ris­má­ti­cos, que, mui­tas ve­zes, são men­ti­ro­sos, en­can­ta­do­res e atra­en­tes. “Po­dem ter um ta­len­to pa­ra se­du­zir a ví­ti­ma ou ma­ni­pu­lar o ou­tro. São com­pra­do­res e têm uma ca­pa­ci­da­de in­crí­vel pa­ra fa­zer com que as pes­so­as aban­do­nem seus bens. São pra­ti­ca­men­te ir­re­sis­tí­veis”, com­ple­men­ta.

Quais os in­dí­ci­os?

Iden­ti­fi­car um psi­co­pa­ta, na mai­o­ria das ve­zes, não é uma ta­re­fa sim­ples. Por is­so, é im­por­tan­te ter aten­ção re­do­bra­da, pois es­sa pes­soa po­de ser um vi­zi­nho, um co­le­ga de tra­ba­lho ou, quem sa­be, al­guém da sua fa­mí­lia. “Re­co­nhe­cer os si­nais de vo­lu­bi­li­da­de dos com­por­ta­men­tos, do en­can­to pes­so­al, da men­ti­ra pa­to­ló­gi­ca, da ma­ni­pu­la­ção/chan­ta­gem emo­ci­o­nal e au­sên­cia de re­mor­so são al­guns pas­sos pa­ra cons­ta­tar quem é por­ta­dor des­te trans­tor­no”, des­cre­ve o psi­có­lo­go Ar­man­do Ri­bei­ro.

O pro­fis­si­o­nal tam­bém ci­ta ou­tros si­nais – des­cri­tos pe­lo psi­qui­a­tra nor­te-ame­ri­ca­no Her­vey Clec­kley, um dos pi­o­nei­ros no as­sun­to – que aju­dam na ca­rac­te­ri­za­ção de um psi­co­pa­ta. Con­fi­ra abai­xo:

Atra­ção su­per­fi­ci­al e in­te­li­gên­cia;

Ine­xis­tên­cia de de­lí­ri­os ou ou­tros si­nais de pen­sa­men­to ir­ra­ci­o­nal; Au­sên­cia de ner­vo­sis­mo e con­fi­a­bi­li­da­de;

Fal­ta de ve­ra­ci­da­de, re­mor­so ou ver­go­nha;

Com­por­ta­men­to an­tis­so­ci­al;

Jul­ga­men­to pre­cá­rio;

In­ca­pa­ci­da­de de amar e de apren­der com a ex­pe­ri­ên­cia;

Ine­xis­tên­cia de cor­res­pon­dên­cia nas re­la­ções in­ter­pes­so­ais; Ego­cen­tris­mo pa­to­ló­gi­co;

In­su­fi­ci­ên­cia ge­ral das prin­ci­pais re­a­ções afe­ti­vas;

Per­da es­pe­cí­fi­ca da pro­xi­mi­da­de;

Vi­da se­xu­al im­pes­so­al, cor­ri­quei­ra e pou­co in­te­gra­da;

In­ca­pa­ci­da­de de se­guir um pla­no de vi­da.

Quem po­de ava­li­ar?

Ape­sar de es­ses si­nais se­rem iden­ti­fi­cá­veis por qu­a­se to­dos, não se po­de to­mar con­clu­sões pre­ci­pi­ta­das, já que é gran­de o ris­co de co­me­ter um jul­ga­men­to equi­vo­ca­do. Por is­so, mes­mo com os in­dí­ci­os, tor­na-se es­sen­ci­al man­ter a cau­te­la e pro­cu­rar um pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do, que po­de­rá con­fir­mar, com a aju­da de ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas, o trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al. “O di­ag­nós­ti­co é da­do pe­lo psi­qui­a­tra, que, às ve­zes, ne­ces­si­ta de tes­tes psi­co­ló­gi­cos re­a­li­za­dos por al­guém da área. Ou­tras ve­zes, con­ta com o apoio de um neu­ro­lo­gis­ta, já que al­guns apre­sen­tam si­nais EEG (exa­me que ana­li­sa as ati­vi­da­des elé­tri­cas do cérebro) anor­mais”, fri­sa João.

Pa­ra che­gar a es­sa con­clu­são, o pro­fis­si­o­nal de­ve con­si­de­rar mui­to mais do que os mé­to­dos pré-es­ta­be­le­ci­dos e os diá­lo­gos. Is­so por­que a ca­pa­ci­da­de de ma­ni­pu­la­ção do psi­co­pa­ta po­de in­flu­en­ci­ar no re­sul­ta­do fi­nal. “A his­tó­ria do pa­ci­en­te é im­por­tan­te pa­ra o di­ag­nós­ti­co, mas, às ve­zes, o in­di­ví­duo mas­ca­ra al­guns fa­tos da sua vi­da, o que le­va o psi­qui­a­tra a so­li­ci­tar os tes­tes e o EEG”, re­for­ça João.

CONSULTORIA Ar­man­do Ri­bei­ro, psi­có­lo­go e co­or­de­na­dor do Pro­gra­ma Avan­ça­do em Saú­de da Be­ne­fi­cên­cia Por­tu­gue­sa, em São Pau­lo (SP);

João Jor­ge, psi­qui­a­tra, hi­pi­ni­a­tra e psi­co­te­ra­peu­ta, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Hip­no­se (ASBH); Ra­quel Sta­er­ke, psi­có­lo­ga e pro­fes­so­ra no Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio Cel­so Lis­boa, no Rio de Ja­nei­ro (RJ); Sér­gio Ta­mai, psi­qui­a­tra e pre­si­den­te do De­par­ta­men­to de Psi­qui­a­tria da As­so­ci­a­ção Pau­lis­ta de Me­di­ci­na (APM).

Mui­tas ve­zes, psicopatas ado­tam ati­tu­des e com­por­ta­men­tos, co­mo um dis­far­ce vo­lun­tá­rio, pa­ra con­se­gui­rem o que que­rem.

Ape­sar da fa­ma de san­gui­ná­ri­os, há psicopatas que nun­ca der­ra­ma­ram uma go­ta de san­gue por to­da a vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.