Cri­mi­no­sos” da na­tu­re­za

Al­guns bi­chos – até os sim­pá­ti­cos gol­fi­nhos – po­dem agir co­mo se fos­sem ver­da­dei­ros psicopatas

Mente Curiosa - - NEWS -

Ma­mí­fe­ros, in­se­tos e pa­ra­si­tas que agem co­mo ver­da­dei­ros psicopatas

Es­tu­prar, vin­gar-se, men­tir, tor­tu­rar... Mes­mo que es­ses ver­bos não pa­re­çam ser con­ju­ga­dos qu­an­do o su­jei­to é um bi­cho, a ver­da­de é que, na na­tu­re­za, es­sas ati­tu­des as­sus­ta­do­ras são mais co­muns do que se ima­gi­na. Quem já as­sis­tiu ao ca­nal Ani­mal Pla­net sa­be: no rei­no ani­mal, o ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia e pre­ser­va­ção fa­la mais al­to, pro­gra­man­do em es­pé­ci­es dis­tin­tas com­por­ta­men­tos que, aos olhos hu­ma­nos, se­ri­am con­de­ná­veis. Co­nhe­ça os prin­ci­pais "cri­mes" co­me­ti­dos por es­ses "psicopatas" da na­tu­re­za sel­va­gem.

Pa­ra­si­tas

Na li­nha do “me dê tu­do o que é seu”, tí­pi­ca de psicopatas que apro­vei­tam-se do pró­xi­mo em cau­sa pró­pria, es­tão os ani­mais que fa­zem da pa­ra­si­to­se sua fonte de vi­da. Po­dem pas­sar a exis­tên­cia to­da su­gan­do su­as ví­ti­mas e, por ve­zes, le­vá-las à mor­te (o que sig­ni­fi­ca o fim do pa­ra­si­ta tam­bém).

Al­guns atu­am por um tem­po e, de­pois de usa­rem o que ne­ces­si­tam, aban­do­nam o “ob­je­to” ex­plo­ra­do. É o que acon­te­ce com a mos­ca do gê­ne­ro Co­ch­li­omya, que co­me o te­ci­do vi­vo de ani­mais de san­gue quen­te. Pri­mei­ro, ela de­po­si­ta seus ovos em ma­chu­ca­dos ou mu­co­sas, co­mo olhos e na­riz. Após 12 ho­ras, as lar­vas se ali­men­tam da ví­ti­ma. De­pois de uma se­ma­na, ca­em no chão e tor­nam-se no­vas mos­cas.

Já a ves­pa lou­ca usa de um ar­ti­fí­cio cru­el pa­ra a sua re­pro­du­ção: in­je­ta uma do­se de to­xi­na em uma la­gar­ta a fim de dei­xá-la imó­vel, sem que ela mor­ra. De­pois, in­se­re seus ovos na ví­ti­ma, que fi­ca in­ca­pa­ci­ta­da de des­truir as lar­vas da ves­pa, que, ao nas­ce­rem, aca­bam por co­mer a la­gar­ta vi­va.

En­tre­tan­to, ca­sos de pa­ra­si­to­se não se res­trin­gem a in­se­tos, lar­vas e ver­mes. Ani­mais mai­o­res, co­mo o sim­pá­ti­co cu­co-ca­no­ro, tam­bém se apro­vei­tam sem dó de ou­tros bi­chos. O cu­co é um ti­po de pa­ra­si­ta es­per­ta­lhão: as fê­me­as da es­pé­cie es­pe­ram que ou­tros pás­sa­ros sai­am de seus ni­nhos pa­ra re­ti­rar um dos ovos ori­gi­nais e in­se­rir o seu no lu­gar. E, ao nas­cer, o fi­lho­te de cu­co fi­na­li­za, ma­tan­do seus ir­mãos ado­ti­vos.

Do ti­po he­di­on­do

Um dos se­res mais in­te­li­gen­tes que exis­tem, os gol­fi­nhos são ca­pa­zes de pro­e­zas co­mo se co­mu­ni­car em gru­po e re­co­nhe­cer-se no es­pe­lho. Mas tam­bém tor­tu­ram e ma­tam por pra­zer, co­mo in­di­cam vá­ri­os pes­qui­sa­do­res que ob­ser­vam o com­por­ta­men­to des­ses ani­mais. Há re­gis­tros de es­pan­ca­men­to de to­ni­nhas por gru­pos de gol­fi­nhos, as­sim co­mo in­fan­ti­cí­dio (qu­an­do um ma­cho de­se­ja aca­sa­lar e, pa­ra is­so, ma­ta a cria pa­ra ace­le­rar a en­tra­da no cio da fê­mea) e de atos se­xu­ais co­le­ti­vos e for­ça­dos em ou­tro ma­cho, re­a­li­za­dos qu­an­do não há fê­me­as por per­to.

Ou­tras es­pé­ci­es que tam­bém es­tu­pram são a lon­tra ma­ri­nha e o pin­guim-de-adé­lia. Es­te úl­ti­mo te­ve o com­por­ta­men­to “psi­có­ti­co” ob­ser­va­do no iní­cio do sé­cu­lo pas­sa­do. Du­ran­te uma ex­pe­di­ção à An­tár­ti­da en­tre 1910 e 1913, o na­tu­ra­lis­ta Ge­or­ge Le­vick re­la­tou ca­sos de ma­chos ten­tan­do es­tu­prar fi­lho­tes e fê­me­as. Na épo­ca, con­si­de­rou o fa­to tão cho­can­te que re­di­giu su­as ano­ta­ções em gre­go, a fim de man­ter as in­for­ma­ções lon­ge de pu­bli­ca­ção.

In­fan­ti­cí­dio

Ra­tos, co­ru­jas e até os sim­pá­ti­cos e do­més­ti­cos hams­ters es­con­dem um la­do que se­ria vis­to co­mo do­en­tio se pra­ti­ca­do por hu­ma­nos: ma­tar (e por ve­zes co­mer) su­as cri­as. A ex­pli­ca­ção pa­ra is­so é es­tra­nha, mas obe­de­ce ao ins­tin­to de pre­ser­va­ção da es­pé­cie. Qu­an­do per­ce­bem que não ha­ve­rá co­mi­da pa­ra to­da a ni­nha­da ou no­tam que al­gum dos nas­ci­dos pos­sui uma anor­ma­li­da­de fí­si­ca, as mães de­ci­dem dar fim a um ou mais fi­lho­tes.

Ape­sar de ser ra­ro en­tre ma­ca­cos de gran­de por­te, o in­fan­ti­cí­dio já foi ob­ser­va­do en­tre oran­go­tan­gos, pro­va­vel­men­te oca­si­o­na­do por es­tres­se, e tam­bém por bo­no­bos, es­pé­cie pró­xi­ma dos hu­ma­nos na es­ca­la evo­lu­ti­va, se­gun­do es­tu­do pu­bli­ca­do na Re­vis­ta Ame­ri­ca­na de Pri- ma­to­lo­gia. Ou­tra ra­zão pa­ra is­so, no ca­so dos ma­ca­cos ma­chos, se­ria a im­po­si­ção de po­der di­an­te do gru­po ou a ace­le­ra­ção do cio de par­cei­ras.

Dis­si­mu­la­dos e vin­ga­ti­vos

Uma das for­mas de atrair a ví­ti­ma é fin­gir ser al­go que não é. Es­ta é uma es­tra­té­gia usa­da tan­to por psicopatas quan­to por ani­mais, prin­ci­pal­men­te na ho­ra da ca­ça. Em 2010, pes­qui­sa­do­res da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Ama­zo­nas e de uma or­ga­ni­za­ção nor­te-ame­ri­ca­na des­co­bri­ram que o ga­to-ma­ra­ca­já, es­pé­cie de fe­li­no sel­va­gem pa­re­ci­da com a ja­gua­ti­ri­ca, imi­ta o som do gri­to de um ma­ca­co a fim de atrair sua pre­sa pa­ra ma­tá-la.

Vin­gan­ça tam­bém é ou­tro sen­ti­men­to que pa­re­ce não per­ten­cer ape­nas a hu­ma­nos. O búfalo-africano, uma das es­pé­ci­es mais agres­si­vas e le­tais de to­das, es­pe­ra o mo­men­to cer­to pa­ra ma­tar ri­vais an­ti­gos, agin­do sem­pre em ban­dos.

Se­xo fa­tal

Se fos­sem hu­ma­nos, al­gu­mas es­pé­ci­es de ani­mais es­ta­ri­am pre­sen­tes em fo­lhe­tins po­li­ci­ais sen­sa­ci­o­na­lis­tas. A ara­nha viú­va ne­gra, por exem­plo, ma­ta o par­cei­ro lo­go após a có­pu­la por­que, ao ti­rar seu cor­po, que­bra o mem­bro se­xu­al do ma­cho. E, de­pois, apro­vei­ta e o de­vo­ra. A ca­ran­gue­jei­ra, por sua vez, as­sas­si­na o par­cei­ro após o se­xo pa­ra po­der ali­men­tar seus fi­lho­tes. Ou­tras es­pé­ci­es de ara­nhas e as abe­lhas tam­bém fa­zem par­te da lis­ta de “aman­tes” fa­tais: no ca­so do zan­gão, ele tam­bém mor­re após fe­cun­dar a abe­lha-rai­nha por­que seu ór­gão ge­ni­tal se pren­de ao cor­po de­la, pro­vo­can­do uma es­pé­cie de he­mor­ra­gia. Al­guns mar­su­pi­ais mor­rem lo­go após a có­pu­la por com­ple­ta exaus­tão. É que o ato se­xu­al de­les che­ga a du­rar 14 ho­ras se­gui­das, o que es­go­ta to­das ener­gi­as do bi­chi­nho.

BÚFALO-AFRICANO

GOLFINHO

CORUJA

ORANGOTANGO

PIN­GUIM-DE-ADÉ­LIA

LON­TRA MA­RI­NHA

RATO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.