Pe­ri­go ao seu la­do

Os ver­da­dei­ros psicopatas es­tão mais pró­xi­mos do que vo­cê pen­sa!

Mente Curiosa - - NEWS -

O que cau­sa es­se trans­tor­no de per­so­na­li­da­de mais co­mum do que vo­cê pen­sa

Qu­an­do vo­cê pen­sa na pa­la­vra “psi­co­pa­ta”, o que vem à sua men­te? Tal­vez um ho­mem, cau­ca­si­a­no, de boa apa­rên­cia, al­to, ma­ni­pu­la­dor e au­tor de as­sas­si­na­tos e ou­tros cri­mes de tor­tu­ra. Ou se­ja, pra­ti­ca­men­te um per­so­na­gem vi­o­len­to re­tra­ta­do em fil­mes, sé­ri­es e li­vros. No en­tan­to, o trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al é mui­to mais co­mum do que cos­tu­ma ser de­mons­tra­do na fic­ção.

Se­gun­do da­dos pu­bli­ca­dos na 5ª edi­ção do Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais (DSM-5), en­tre 0,2% e 3,3% da po­pu­la­ção mun­di­al pos­su­em o dis­túr­bio. Ou se­ja, po­de ha­ver um in­di­ví­duo com es­se trans­tor­no en­tre seus ami­gos, pa­ren­tes ou, até mes­mo, em sua fa­mí­lia. Con­tu­do, é pre­ci­so cui­da­do pa­ra não re­pe­tir as ge­ne­ra­li­za­ções po­pu­la­res e iden­ti­fi­car o dis­túr­bio com cau­te­la e de­ta­lha­da­men­te.

Com­por­ta­men­to no co­ti­di­a­no

Psicopatas são in­di­ví­du­os egoís­tas que, mui­tas ve­zes, não me­dem as con­sequên­ci­as de seus atos pa­ra atin­gi­rem os ob­je­ti­vos al­me­ja­dos (ge­ral­men­te fo­ca­dos no pra­zer, po­der ou vi­san­do o be­ne­fí­cio pró­prio). “Pa­ra is­so, usam de mui­ta se­du­ção, ma­ni­pu­la­ção, men­ti­ras e até um fal­so sen­ti­men­to de em­pa­tia e emo­ção”, des­cre­ve a psi­qui­a­tra Ân­drea Kraft.

Gran­de par­te des­ses in­di­ví­du­os tam­bém não pos­sui sen­so crí­ti­co e no­ção éti­ca so­bre su­as ações. Em um re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so, se­gun­do a psi­có­lo­ga Cleu­ni­ce Me­ne­zes, são in­sen­sí­veis e de­tes­tam com­pro­mis­so, sem­pre com des­cul­pas pa­ra sua fal­ta de ati­tu­de. Des­sa for­ma, aca­bam cul­pan­do ou­tras pes­so­as por su­as fa­lhas. Me­ne­zes ain­da de­ta­lha que es­ses in­di­ví­du­os não con­se­guem fre­ar seus im­pul­sos e ra­ra­men­te apren­dem com seus er­ros. Além dis­so, “os por­ta­do­res des­sa es­tru­tu­ra psí­qui­ca cau­sam boa im­pres­são e são con­si­de­ra­dos nor­mais por aque­les que os co­nhe­cem su­per­fi­ci­al­men­te. Po­rém, cos­tu­mam ser ego­cên­tri­cos, de­so­nes­tos e men­ti­ro­sos, nor­mal­men­te são ir­res­pon­sá­veis e se di­ver­tem com o so­fri­men­to alheio”, des­ta­ca a psi­có­lo­ga.

Mu­dan­ça de no­men­cla­tu­ra

Ao lon­go da his­tó­ria psi­quiá­tri­ca, o con­cei­to de psi­co­pa­tia so­freu al­te­ra­ções. De acor­do com o psi­qui­a­tra Clau­di­nei Bi­a­zo­li, no sé­cu­lo 19, era sinô­ni­mo de trans­tor­no men­tal. “Já no iní­cio do sé­cu­lo 20, o ter­mo pas­sou a sig­ni­fi­car trans­tor­nos de per­so­na­li­da­de, is­to é, trans­tor­nos per­sis­ten­tes, de lon­ga du­ra­ção, ca­rac­te­ri­za­dos por pa­drões in­fle­xí­veis de com­por­ta­men­tos, pen­sa­men­tos e sen­ti­men­tos, que cau­sam so­fri­men­to pa­ra a pes­soa ou pa­ra os ou­tros, e que são mui­to di­fe­ren­tes do es­pe­ra­do pa­ra o con­tex­to cul­tu­ral”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta.

Com a evo­lu­ção da me­di­ci­na, du­ran­te o sé­cu­lo 20, psi­co­pa­tia pas­sou a sig­ni­fi­car um trans­tor­no de per­so

na­li­da­de es­pe­cí­fi­co. Ho­je, é co­nhe­ci­do co­mo an­tis­so­ci­al ou dis­so­ci­al, se­gun­do as clas­si­fi­ca­ções do DSM e da As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de Psi­qui­a­tria. Bi­a­zo­li com­ple­men­ta que, em 2013, o ter­mo “ca­rac­te­rís­ti­cas psi­co­pá­ti­cas” foi em­pre­ga­do, na 5ª edi­ção do DSM, pa­ra clas­si­fi­car um sub­gru­po do trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al.

Por den­tro do trans­tor­no

Os trans­tor­nos de per­so­na­li­da­de não são do­en­ças, mas anor­ma­li­da­des da psi­que, em que há uma dis­so­nân­cia do afe­to e da emo­ção, se­gun­do o que ex­pli­ca Ân­drea Kraft. “Na psi­co­pa­tia, exis­te uma fal­ta de em­pa­tia e de sen­ti­men­tos em re­la­ção ao ou­tro. Qu­an­do há uma exa­cer­ba­ção des­ta in­sen­si­bi­li­da­de, es­tes in­di­ví­du­os são clas­si­fi­ca­dos co­mo so­ci­o­pa­tas ou psicopatas”, es­cla­re­ce. Pa­ra a es­pe­ci­a­lis­ta, a gran­de di­fe­ren­ça en­tre o trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al e os de­mais é a ego­cen­tria, a in­sen­si­bi­li­da­de afe­ti­va e a ine­xis­tên­cia de em­pa­tia.

Pos­sí­veis ex­pli­ca­ções

As cau­sas do trans­tor­no são mul­ti­fa­to­ri­ais; des­sa for­ma, sa­be-se que os mo­ti­vos que le­vam à psi­co­pa­tia não têm um fa­tor es­pe­cí­fi­co. “Há vá­ri­os his­tó­ri­cos das pos­sí­veis cau­sas, des­de trau­mas psi­co­ló­gi­cos a ques­tões ge­né­ti­cas”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra An­to­nio de Pá­dua Se­ra­fim.

Bi­a­zo­li com­ple­men­ta que, além dis­so, fa­to­res am­bi­en­tais po­dem con­tri­buir pa­ra a ex­pres­são do trans­tor­no. Pre­sen­ci­ar con­fli­tos fa­mi­li­a­res, ser ne­gli­gen­ci­a­do pe­los res­pon­sá­veis e so­frer abu­sos ver­bais, fí­si­cos ou se­xu­ais du­ran­te a in­fân­cia po­dem au­men­tar a vul­ne­ra­bi­li­da­de do in­di­ví­duo pa­ra de­sen­vol­ver o dis­túr­bio. Ou­tras con­di­ções que têm po­ten­ci­al pa­ra ele­var a pre­dis­po­si­ção à psi­co­pa­tia são o di­ag­nós­ti­co de trans­tor­no de con­du­ta na in­fân­cia e o his­tó­ri­co fa­mi­li­ar de trans­tor­no men­tal.

De acor­do com a 5ª edi­ção do DSM, es­tu­dos so­bre in­di­ví­du­os ado­ta­dos fo­ram os prin­ci­pais in­di­ca­ti­vos pa­ra a des­co­ber­ta de que tan­to fa­to­res ge­né­ti­cos quan­to am­bi­en­tais con­tri­buíam pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al. Is­so ocor­reu de­vi­do ao fa­to de que fi­lhos ado­ta­dos e bi­o­ló­gi­cos de pais com o dis­túr­bio pos­suíam os mes­mos ris­cos de de­sen­vol­vê-lo. Em­bo­ra as cri­an­ças ado­ta­das ob­ser­va­das fos­sem mais pa­re­ci­das com seus pais bi­o­ló­gi­cos, o am­bi­en­te fa­mi­li­ar ex­pres­sa­va gran­de in­fluên­cia so­bre o com­por­ta­men­to.

Du­ran­te a ges­ta­ção

Exis­tem evi­dên­ci­as ci­en­tí­fi­cas de que o con­su­mo de ál­co­ol e o ta­ba­gis­mo, du­ran­te a gra­vi­dez, são pre­ju­di­ci­ais ao fe­to e po­dem pro­vo­car pa­to­lo­gi­as co­mo a Sín­dro­me Al­coó­li­ca Fe­tal e al­te­ra­ções no de­sen­vol­vi­men­to mo­tor e cog­ni­ti­vo do be­bê. Con­tu­do, as pes­qui­sas que en­vol­vem o con­su­mo des­ses ele­men­tos e o trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al não são con­clu­si­vas. “Sa­be-se, no en­tan­to, que o his­tó­ri­co de abu­so de subs­tân­ci­as pe­los pais ou ou­tros mem­bros da fa­mí­lia au­men­ta o ris­co do trans­tor­no”, afir­ma o psi­qui­a­tra Clau­di­nei Bi­a­zo­li. No en­tan­to, ou­tros fa­to­res tam­bém po­dem de­sen­ca­de­ar o dis­túr­bio.

Al­te­ra­ções neu­ro­ló­gi­cas

Pes­qui­sas re­cen­tes bus­cam iden­ti­fi­car quais al­te­ra­ções em neurô­ni­os, si­nap­ses, neu­ro­trans­mis­so­res ou, até mes­mo, na ana­to­mia do cérebro pro­vo­ca­ri­am o trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al. “No en­tan­to, os re­sul­ta­dos des­ses es­tu­dos ain­da não são con­clu­si­vos. E va­le res­sal­tar que as clas­si­fi­ca­ções em psi­qui­a­tria, ho­je, não se ba­sei­am na cau­sa dos trans­tor­nos men­tais, na pre­sen­ça de le­sões ce­re­brais ou di­fe­ren­ças en­tre os fun­ci­o­na­men­tos ce­re­brais de pa­ci­en­tes”, afir­ma Bi­a­zo­li.

Os es­tu­dos, en­tão, te­ri­am o in­tui­to de des­co­brir o que pro­vo­ca o con­jun­to de com­por­ta­men­tos psicopatas, vi­san­do en­con­trar al­te­ra­ções neu­rais em áre­as do cérebro que en­vol­vem a em­pa­tia, o res­pei­to às nor­mas so­ci­ais e as emo­ções.

CONSULTORIA Ân­drea Kraft, psi­qui­a­tra e es­pe­ci­a­lis­ta em te­ra­pia cog­ni­ti­va e com­por­ta­men­tal pe­la Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP); An­to­nio de Pá­dua Se­ra­fim, psi­qui­a­tra e co­or­de­na­dor do Nú­cleo Fo­ren­se do Ins­ti­tu­to de Psi­qui­a­tria (IPQ) do Hos­pi­tal das Clí­ni­cas (HC) na Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP); Clau­di­nei Edu­ar­do Bi­a­zo­li Ju­ni­or, psi­qui­a­tra e pro­fes­sor na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do ABC (UFABC) com ex­pe­ri­ên­cia na área de neu­roi­ma­gem; Cleu­ni­ce Me­ne­zes, psi­có­lo­ga e psi­ca­na­lis­ta es­pe­ci­a­li­za­da em do­en­ças da men­te e de­pen­dên­cia quí­mi­ca.

FONTE 5ª edi­ção do Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co dos Trans­tor­nos Men­tais (DSM-5).

“Os por­ta­do­res des­se trans­tor­no cau­sam boa im­pres­são e são con­si­de­ra­dos nor­mais por aque­les que os co­nhe­cem su­per­fi­ci­al­men­te. Po­rém, cos­tu­mam ser ego­cên­tri­cos, de­so­nes­tos e men­ti­ro­sos; nor­mal­men­te são ir­res­pon­sá­veis e se di­ver­tem com o so­fri­men­to alheio.” Cleu­ni­ce Me­ne­zes, psi­có­lo­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.