Ve­re­di­to fi­nal

Con­fi­ra quais os ca­mi­nhos per­cor­ri­dos pe­los psicopatas cri­mi­no­sos den­tro do sis­te­ma ju­rí­di­co

Mente Curiosa - - NEWS -

Co­mo cri­mi­no­sos com es­se trans­tor­no são en­ca­ra­dos e jul­ga­dos pe­lo sis­te­ma ju­rí­di­co

Pa­ra per­mi­tir sua in­ser­ção no con­tex­to so­ci­o­cul­tu­ral, é ne­ces­sá­rio que o in­di­ví­duo se­ja ca­paz de in­ter­pre­tar men­tal­men­te e psi­co­lo­gi­ca­men­te as leis que irão per­mi­ti-lo con­vi­ver em har­mo­nia. O pro­ble­ma é que, no ca­so dos psicopatas, a ha­bi­li­da­de cog­ni­ti­va de ab­sor­ver in­for­ma­ções até exis­te, mas sem de­sen­vol­ver a ca­pa­ci­da­de de em­pa­tia. Is­to sig­ni­fi­ca que a con­di­ção de re­co­nhe­cer o so­fri­men­to alheio é ine­xis­ten­te.

Co­mo vo­cê já sa­be, nem to­do psi­co­pa­ta é cri­mi­no­so, mas boa par­te de su­as ati­tu­des po­dem le­vá-los a co­me­ter cri­mes que vão des­de sim­ples frau­des, pas­san­do por es­te­li­o­na­tos até che­gar a se­ques­tros e ho­mi­cí­di­os. As­sim, sem qual­quer en­vol­vi­men­to mo­ral ou re­fle­xi­vo so­bre aqui­lo que es­tá pro­vo­can­do, os psicopatas aca­bam le­san­do ou­tras pes­so­as ou até mes­mo a so­ci­e­da­de co­mo um to­do.

No en­tan­to, en­ga­na-se quem pen­sa que apre­sen­tar o dis­túr­bio os li­vra de cul­pa. De acor­do com uma pes­qui­sa fei­ta pe­lo psi­có­lo­go ca­na­den­se Ro­bert Ha­re, em 1995, apro­xi­ma­da­men­te 20% da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria mun­di­al cor­res­pon­dia a psicopatas.

A di­fe­ren­ci­a­ção dos réus

Pa­ra o Có­di­go Pe­nal Bra­si­lei­ro, por exem­plo, não im­por­ta qual o ti­po de pa­to­lo­gia, mas sim se o trans­tor­no afe­tou o acu­sa­do a pon­to de im­pos­si­bi­li­tá-lo de com­pre­en­der a re­a­li­da­de. Ou se­ja: sa­ber o que es­ta­va fa­zen­do e ter o con­tro­le pa­ra de­ter­mi­nar seu pró­prio com­por­ta­men­to.

Le­van­do is­so em con­ta, clas­si­fi­ca-se os in­di­ví­du­os em três de­fi­ni­ções: os inim­pu­tá­veis, se­mi-im­pu­tá­veis e im­pu­tá­veis. O pri­mei­ro gru­po cor­res­pon­de àque­les que, em ab­so­lu­to, não ti­ve­ram cons­ci­ên­cia do ca­rá­ter er­rô­neo de sua ati­tu­de de­vi­do ao trans­tor­no que so­frem. Quan­to ao se­gun­do, re­fe­re-se aos que não com­pre­en­dem to­tal­men­te o ca­rá­ter ile­gal de seus atos, sem se re­co­nhe­ce­rem no mo­men­to da ação. Já os im­pu­tá­veis são pes­so­as ca­pa­zes de de­ter­mi­nar seu com­por­ta­men­to e têm to­tal cons­ci­ên­cia do ca­rá­ter ilí­ci­to da­qui­lo que fa­zem.

No ca­so dos psicopatas, qu­an­do pe­gos, cos­tu­mam ne­gar ca­te­go­ri­ca­men­te o cri­me. Ou ain­da si­mu­lam múl­ti­plas per­so­na­li­da­des, ten­tan­do ma­ni­pu­lar to­dos os en­vol­vi­dos pa­ra pro­var sua ino­cên­cia ou in­sa­ni­da­de.

Des­te mo­do, pa­ra ava­li­ar a qual ca­te­go­ria o in­di­ví­duo per­ten­ce, uma equi­pe com­pos­ta por psi­có­lo­gos, as­sis­ten­tes so­ci­ais e ou­tros pro­fis­si­o­nais re­a­li­za um exa­me mé­di­co pa­ra jul­gar a do­en­ça e o seu grau de in­ten­si­da­de. Lo­go, o di­ag­nós­ti­co de psi­co­pa­tia não tor­na o réu inim­pu­tá­vel, já que é pre­ci­so ve­ri­fi­car ou­tras cir­cuns­tân­ci­as me­di­an­te o ca­so.

Po­rém, com­pro­va­da a in­sa­ni­da­de, o inim­pu­tá­vel não se­rá con­de­na­do, mas sim ab­sol­vi­do. Con­tu­do, is­so não quer di­zer que sai­rão ile­sos do pro­ces­so. Afi­nal, se a pes­so­al é re­al­men­te por­ta­do­ra de al­gum trans­tor­no men­tal gra­ve, de­ve ser su­jei­ta à me­di­das de se­gu­ran­ça, co­mo ser in­ter­na­do em hos­pi­tal psi­quiá­tri­co, por exem­plo.

Se a aná­li­se clas­si­fi­cá-lo co­mo se­mi-im­pu­tá­vel, o pas­so se­guin­te po­de ser tan­to uma me­di­da de se­gu­ran­ça co­mo uma pe­na. O que irá de­fi­nir a es­co­lha é o grau da do­en­ça e a ma­nei­ra co­mo ela in­ter­fe­riu no mo­men­to do cri­me.

So­bre a sen­ten­ça

Os re­la­tó­ri­os mé­di­cos ain­da aju­da­rão a de­ci­dir o ca­rá­ter e o pe­río­do de du­ra­ção da me­di­da de se­gu­ran­ça, vis­to que o Có­di­go Pe­nal não os de­ter­mi­na. Afi­nal, em­bo­ra a sen­ten­ça te­nha fi­na­li­da­de te­ra­pêu­ti­ca, ain­da pos­sui ca­rá­ter de pe­na. Ela po­de ser de re­clu­são to­tal (re­gi­me fe­cha­do) ou em re­gi­me de de­ten­ção, tam­bém cha­ma­do de am­bu­la­to­ri­al (es­pé­cie de re­gi­me se­mi­a­ber­to).

O pra­zo mí­ni­mo é de um a três anos, sen­do que, du­ran­te es­te pe­río­do, o pro­gres­so do pa­ci­en­te é ava­li­a­do por uma pe­rí­cia mé­di­ca obri­ga­tó­ria, re­a­li­za­da to­dos os anos. No en­tan­to, os tri­bu­nais su­pe­ri­o­res pon­de­ram que um pra­zo in­de­ter­mi­na­do é in­cons­ti­tu­ci­o­nal, pos­to que a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral vi­gen­te, ins­ti­tuí­da em 1988, proí­be pe­nas de ca­rá­ter per­pé­tuo.

As­sim, o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal Fe­de­ral es­ta­be­le­ceu que a du­ra­ção má­xi­ma de uma me­di­da de­ve ser de 30 anos. Con­tu­do, pa­ra o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, o tem­po má­xi­mo da me­di­da de se­gu­ran­ça de­ve cor­res­pon­der ao tem­po má­xi­mo da pe­na re­la­ti­va ao cri­me co­me­ti­do.

“Pa­ra o Có­di­go Pe­nal Bra­si­lei­ro, por exem­plo, não im­por­ta qual o ti­po de pa­to­lo­gia, mas sim se o trans­tor­no afe­tou o acu­sa­do a pon­to de im­pos­si­bi­li­tá-lo de com­pre­en­der a re­a­li­da­de”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.